• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
Documento
Autor
Nome completo
Antônio Reis de Sá Júnior
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2019
Orientador
Banca examinadora
Pang, Wang Yuan (Presidente)
Sallet, Paulo Clemente
Blay, Sérgio Luís
Santana Junior, Geilson Lima
Título em português
Aplicação da teoria de resposta ao item na análise de diferença de gênero de sintomas depressivos na população universitária brasileira
Palavras-chave em português
Depressão
Gênero
Inventário de depressão de Beck
Psicometria
Teoria de resposta ao item
Viés
Resumo em português
INTRODUÇÃO: Embora seja amplamente difundida a ideia de que não existem diferenças significativas entre homens e mulheres em termos dos sintomas que experimentam durante os episódios depressivos, pesquisas recentes sugerem que as diferenças sutis no perfil de sintomas podem existir e apontar para fundamentais diferenças de gênero na fisiopatologia dos estados depressivos. As mulheres são duas vezes mais propensas que os homens a sofrer de transtorno depressivo maior durante a sua vida e uma série de estudos têm indicado que as mulheres deprimidas tendem a apresentar mais sintomas depressivos "atípicos" e mais ansiedade e sintomas de somatização quando comparadas com os homens. Alguns dos problemas com as abordagens tradicionais para medir estas diferenças se devem às deficiências da teoria estatística subjacente dessas abordagens, como é o caso da teoria clássica dos testes (TCT). Nos últimos anos, o uso da teoria de resposta ao item (TRI) começou a substituir TCT na construção e avaliação de testes e alguns autores têm seguido com o uso de métodos baseados na TRI para estudar significativas variações clínicas individuais em vez dos métodos tradicionais baseados em escores totais. Um modelo para a TRI muitas vezes utilizado com a pontuação de itens politômicos é o modelo de resposta gradual (MRG). O MRG é adequado para a análise de escalas psicométricas com as categorias de resposta ordenadas e crescentes. O funcionamento diferencial dos itens da escala do Inventário de Depressão de Beck segunda versão (BDI-II) foi investigado, por gênero, comparando estes subgrupos de alunos MÉTODOS: Os 21 itens do BDI-II foram aplicados transversalmente em uma amostra representativa de 12.677 estudantes universitários brasileiros. A confiabilidade foi avaliada com base no coeficiente alfa de Cronbach. Os parâmetros gravidade (bi) e discriminação (a) de cada item do BDI-II foram calculados através do MRG. A influência do gênero foi testada para o funcionamento diferencial do item (DIF) dentro da abordagem baseada na TRI. RESULTADOS: O BDI-II apresentou boa confiabilidade (alfa = 0,91). As mulheres apresentaram significativamente maior probabilidade de depressão (ponto de corte > 13) do que os homens. Em geral, os participantes endossaram mais facilmente itens cognitivo-somáticos do que itens afetivos da escala. "Sentimento de culpa", "ideias suicidas" e "perda de libido" foram os itens que mais provavelmente indicaram maior gravidade da depressão (b3 >= 3,60). No entanto, todos os itens da BDI-II mostraram de moderada a alta discriminação (a >= 1,32) para o estado depressivo. Enquanto um item foi sinalizado como apresentando DIF, "chorar", com maior probabilidade das mulheres endossarem esse sintoma, o peso global desse item no escore total foi insignificante. CONCLUSÕES: Embora o gênero dos entrevistados possa apresentar influência no padrão de resposta dos sintomas depressivos, as medidas dos sintomas autorreferidos não inflacionaram os escores de gravidade. Esses achados fornecem suporte adicional à validade do uso do BDI-II para avaliar a depressão em contextos acadêmicos e destacam o valor de se considerar sintomas comuns de depressão relacionados ao sexo
Título em inglês
Using item response theory to analyze gender difference in depressive symptoms in Brazilian college students
Palavras-chave em inglês
Beck depression inventory
Bias
Depression
Gender identity
Item response theory
Psychometrics
Resumo em inglês
INTRODUCTION: Although it is widely held that there are no significant differences between men and women in terms of the symptoms that they experience during depressive episodes, recent research suggests that subtle differences in symptom profile may exist and may point to fundamental gender differences in the pathophysiology of depressive states. Women are up to twice as likely as men to suffer from major depressive disorder during their lifetime and a number of studies have found that depressed females tend to exhibit more 'atypical' depressive symptoms and more anxiety and somatization symptoms compared to men. Some of the problems with the traditional approaches to measure change are due to the shortcomings of the underlying statistical theory of these approaches, which is classical test theory (CTT). In recent years, the use of item response theory (IRT) has started to replace CTT in test construction and test evaluation and some authors have called for the use of IRT based methods to study individual clinical significant change instead of traditional methods based on total scores. An often-used IRT model for polytomous item scores is the graded response model (GRM). The GRM is suitable for analyzing psychometric scales with ordered and growing response categories. Potential differential item functioning of the scale items of the Beck Depression Inventory-II (BDI-II) is investigated, by gender, to compare across sub-groups of students. METHODS: The 21-item BDI-II was cross-sectionally administered to a representative sample of 12,677 Brazilian college students. Reliability was evaluated based on Cronbach's alpha coefficient. Severity (bi) and discrimination (a) parameters of each BDI-II items were calculated through the GRM. The influence of gender and age were tested for differential item functioning (DIF) within the IRT-based approach. RESULTS: The BDI-II presented good reliability (alpha = 0.91). Women significantly presented a higher likelihood of depression (cut-off > 13) than men. In general, participants endorsed more easily cognitive-somatic items than affective items of the scale. "Guilty feelings", "suicidal thoughts", and "loss of interest in sex" were the items that most likely indicated depression severity (b3 >= 3.60). However, all BDI-II items showed moderate-to-high discrimination (a >= 1.32) for depressive state. While one item was flagged for DIF, "crying", for gender, with women more likely endorsed this symptom than men, the global weight of this item on the total score was negligible. CONCLUSIONS: Although respondents' gender might present influence on response pattern of depressive symptoms, the measures of self-reported symptoms have not inflated severity scores. These findings provide further support to the validity of using BDI-II for assessing depression in academic contexts and highlight the value of considering gender-related common symptoms of depression
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-07-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.