• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2018.tde-28032018-101026
Documento
Autor
Nome completo
Angela Esposito Ferronato
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Vieira, Sandra Elisabete (Presidente)
Adde, Fabiola Villac
Durigon, Edison Luiz
Safadi, Marco Aurelio Palazzi
Título em português
Identificação de vírus respiratórios em lactentes internados com suspeita clínica de coqueluche
Palavras-chave em português
Bordetella pertussis
Codetecção
Coqueluche
Sinais e sintomas
Vírus
Resumo em português
Introdução: a coqueluche é uma doença causada pela Bordetella pertussis (BP), sendo mais frequente e grave em lactentes menores de um ano de idade. Com a introdução da vacina, houve redução na incidência mundial da doença, porém nos últimos 10 anos observa-se uma recrudescência. Pode apresentar-se de forma menos característica em lactentes, especialmente antes do final do esquema vacinal para o primeiro ano de vida. O quadro clínico, nesses pacientes, pode ser semelhante ao das infecções por vírus respiratórios (VR) que são os agentes etiológicos mais frequentes nas infecções de vias aéreas, nessa faixa etária. São necessários estudos que avaliem a importância da pesquisa de VR em lactentes com suspeita clínica de coqueluche. Objetivos: em lactentes com suspeita de coqueluche: identificar as prevalências de BP, VR e codetecções; analisar e comparar as características clínicas e a evolução, segundo a etiologia identificada e analisar o impacto do diagnóstico etiológico sobre o uso de macrolídeos. Métodos: estudo de coorte prospectivo, com crianças menores de um ano de idade, hospitalizadas com suspeita clínica de coqueluche entre junho de 2014 e junho de 2016 e submetidas à pesquisa etiológica para identificação de BP ("swab" de nasofaringe para cultura e/ou PCR) e pesquisa de VR (aspirado de nasofaringe para imunofluorescência indireta). Dados clínicos, demográficos e evolutivos foram coletados com o preenchimento de protocolo clínico-laboratorial padronizado. Resultados: no período de estudo foram analisados 59 lactentes. Em 18 (30,5%) houve identificação de BP, em 23 (39%) de algum vírus respiratório. Em quatro (7%), houve codetecção de BP e algum VR. O vírus mais frequentemente identificado foi o VSR (73%). As características com maior sensibilidade para o diagnóstico de infecção por BP foram tosse seguida de cianose e ser filho de mãe não vacinada com dTpa. Sibilos e desconforto respiratório apresentaram alta sensibilidade para a identificação de VR. Na análise bivariada apresentaram maior chance de infecção por BP: menor idade (OR = 1,86), ausência de febre (OR = 4,9), não ser vacinado para coqueluche (OR = 4,4), leucocitose superior a 20.000/mm3 (OR = 5,4), linfocitose superior a 10.000/mm3 (OR = 4,0) e de infecção por VR: sibilos (OR = 4,33). Após o ajuste para confundidores, os maiores preditores para BP de forma independente foram: ausência de sibilos (OR =5,7) e leucocitose superior a 20.000/mm3 (OR = 5,38). O número de pacientes com codetecção não permitiu a análise comparativa de gravidade com aqueles com agente único. Em apenas um paciente o resultado da pesquisa viral positiva resultou em suspensão de macrolídeo. Conclusão: além da BP, os VR também foram etiologias frequentes nos lactentes com suspeita clínica de coqueluche, além de casos de codetecção de BP e VR. Foram identificadas características clínicas/laboratoriais sugestivas, porém não patognomônicas das etiologias identificadas o que corrobora a necessidade da pesquisa etiológica para VR, nessa situação clínica
Título em inglês
Identification of respiratory viruses in hospitalized infants with suspected clinical pertussis
Palavras-chave em inglês
Bordetella pertussis
Codetection
Signs and symptoms
Virus
Whooping cough
Resumo em inglês
Introduction: Pertussis is a disease caused by Bordetella pertussis (BP), being more frequent and severe in infants less than one year old. After vaccine introduction, there was a reduction in the global incidence of the disease, but in the last ten years there was a resurgence. It may present less characteristically in infants, especially before the end of the vaccine scheme for the first year of life. The clinical picture in these patients may be similar to that of respiratory virus infections (VR), which are the most frequent etiologic agents in airway infections in this age group. Studies is necessary to evaluate the importance of RV research in infants with clinical suspicion of pertussis. Objectives: In infants with suspected pertussis: identify the prevalence of BP, VR and codetections; analyze and compare the clinical characteristics and evolution according to the identified etiology and analyze the impact of the etiological diagnosis on the use of macrolides. Methods: A prospective cohort study with children under one year of age hospitalized with suspected clinical pertussis between June 2014 and June 2016 and submitted to etiological research to identify BP (nasopharynx swab for culture and/or PCR) and VR (nasopharyngeal aspirate for indirect immunofluorescence). Clinical, demographic and evolution data were collected with the completion of a standardized clinical-laboratory protocol. Results: During the study period, 59 infants were analyzed. In 18 (30.5%) there was identification of BP, in 23 (39%) of some respiratory virus. In four (7%), there was BP detection and some RV. The virus most frequently identified was RSV (73%). The characteristics with greater sensitivity for the diagnosis of BP infection were cough followed by cyanosis and the mother's non-vaccinated dTpa. Wheezing and respiratory distress presented high sensitivity for RV identification. In the bivariate analysis they presented a greater chance of BP infection: lower age (OR = 1.86), absence of fever (OR = 4.9), not being vaccinated for pertussis (OR = 4.4), leukocytosis higher than 20,000/mm3 (OR = 5.4), lymphocytosis greater than 10,000/mm3 (OR = 4.0) and RV infection: wheezing (OR = 4.33). After adjustment for confounders, the largest predictors for BP independently were: no wheezing (OR = 5.7) and leukocytosis higher than 20,000/mm3 (OR = 5.38). The number of patients with codetection did not allow the comparative analysis of severity with those with single agent. In only one patient, the result of positive viral research resulted in macrolide suspension. Conclusion: In addition to BP, RVs were also frequent etiologies in infants with clinical suspicion of whooping cough, as well as cases of BP and VR codetection. Clinical/laboratory characteristics suggestive, but not pathognomonic, of the identified etiologies have been identified, which corroborates the need for etiological research for RV in this clinical situation
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-03-29
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.