• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2016.tde-04112016-141531
Documento
Autor
Nome completo
Mauro Cesar de Morais Filho
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2016
Orientador
Banca examinadora
Mattar Junior, Rames (Presidente)
Pedrinelli, André
Demange, Marco Kawamura
Pinto, José Antonio
Santili, Cláudio
Título em português
Estudo comparativo das técnicas de tratamento da deformidade em flexão do joelho nos pacientes com paralisia cerebral espástica: alongamento dos tendões dos músculos isquiotibiais mediais com ou sem transferência do semitendíneo para o tubérculo dos adutores
Palavras-chave em português
Contratura
Joelho
Marcha
Paralisia cerebral
Recidiva
Transferência tendinosa
Resumo em português
Introdução: O alongamento dos músculos isquiotibiais (ISQ) tem sido utilizado com frequência para a correção da contratura em flexão dos joelhos na paralisia cerebral (PC), porém o aumento da anteversão da pelve (AP) e a recidiva da deformidade podem ocorrer a longo prazo. Objetivos: O objetivo deste trabalho foi avaliar se a transferência do semitendíneo para o tubérculo dos adutores (TXST) está relacionada a uma menor taxa de recidiva e a um menor aumento da AP no período pós-operatório, quando comparada ao alongamento deste músculo. Métodos: Foi realizado um estudo tipo coorte retrospectivo. Pacientes com PC diparesia espástica, Gross Motor Function Classification System (GMFCS) I-III, sem cirurgias prévias nos joelhos, submetidos ao alongamento dos ISQ mediais ou à TXST, e com completa documentação no laboratório de marcha foram incluídos no estudo. Foram excluídos aqueles que receberam de forma concomitante a osteotomia extensora do fêmur distal e o encurtamento patelar. Trinta e nove pacientes preencheram os critérios de inclusão e foram divididos em dois grupos de acordo com os procedimentos cirúrgicos realizados: Grupo A (22 pacientes / 44 joelhos), composto por aqueles que receberam o alongamento dos ISQ mediais; Grupo B (17 pacientes / 34 joelhos), formado por aqueles que receberam a TXST ao invés do alongamento do semitendíneo (AST), em conjunto com o alongamento dos demais ISQ mediais. Parâmetros clínicos e de cinemática foram avaliados nos dois grupos antes e após as cirurgias. Resultados: Os grupos não exibiram diferença quanto à distribuição por gênero, idade na cirurgia e tempo de seguimento. A deformidade irredutível em flexão estava presente em 9,1% dos joelhos no Grupo A e em 50% no Grupo B (p < 0,001) antes do tratamento, e em 25% dos joelhos do Grupo A e 20,6% no Grupo B (p=0,647) após os procedimentos cirúrgicos. O número de joelhos com deformidade irredutível em flexão aumentou no Grupo A (p=0,047) e reduziu no Grupo B (p=0,011) após a intervenção. Houve redução significativa da deformidade média em flexão dos joelhos ao exame físico (de 7,3° para 4,4°, p= 0,04) e da flexão dos joelhos durante a fase de apoio da marcha (de 34,2° para 20,2°, p < 0,001) apenas no Grupo B. A AP aumentou nos Grupos A e B após a correção cirúrgica da deformidade em flexão dos joelhos. Conclusão: O aumento da AP foi observado nos dois grupos após o tratamento efetuado. A redução da deformidade em flexão dos joelhos ao exame físico e o aumento da extensão dos joelhos na fase de apoio foram observados apenas nos pacientes submetidos à TXST
Título em inglês
Comparative study of the techniques for treatment of knee flexion deformity in patients with spastic cerebral palsy: lengthening of the tendons of hamstrings muscles with or without the transfer of semitendinosus to adductors tubercle
Palavras-chave em inglês
Cerebral palsy
Contracture
Knee
Recurrence, Gait
Tendon transfer
Resumo em inglês
Introduction: Hamstrings surgical lengthening has been frequently used for the correction of knee flexion contracture in cerebral palsy (CP), however the increase of anterior pelvic tilt and the recurrence of the deformity can occur in a long-term follow-up. The aim of this study was to evaluate if semitendinosus transfer to distal femur (STTX) is related to less increase of anterior pelvic tilt and less recurrence of knee flexion deformity after treatment than semitendinosus surgical lengthening (STL). Methods: A retrospective cohort study was conducted. Patients with diplegic spastic CP, GMFCS levels I to III, without previous surgical procedures at knee, undergone to bilateral medial hamstrings surgical lengthening or STTX, and with complete documentation at gait laboratory were included in this study. Patients with concomitant distal femur extension osteotomy and patellar tendon shortening were excluded. Thirty-nine patients matched the inclusion criteria and they were divided in two groups according surgical procedures at knees: Group A (22 patients / 44 knees), including patients who received medial hamstrings surgical lengthening as part of multilevel approach; Group B (17 patients / 34 knees), represented by patients who underwent orthopedic surgery including a STTX instead of STL. Clinical and kinematic parameters were evaluated at baseline and at follow-up for all groups. Results: The two groups matched at gender distribution, age at surgery and follow-up time. Fixed knee flexion deformity (FKFD) before surgery was observed at 9.1% of knees in Group A and at 50% in Group B (p < 0.001). At final follow-up, 25% of knees in Group A and 20.6% in Group B shown FKFD (p=0.647). FKFD increased in Group A (p=0.047) and decreased in Group B (p=0.011) after treatment. The reduction of mean FKFD (from 7.3° to 4.4°, p= 0.04) and of knee flexion during gait stance phase (from 34.2° to 20.2°, p< 0.001) were observed only in Group B after surgical procedures. The anterior pelvic tilt increased at both groups after treatment. Conclusion: The increase of anterior pelvic tilt occurred at both groups after correction of knee flexion deformity. Patients who received STTX exhibited less fixed knee flexion deformity and better knee extension during stance phase after surgical treatment than those whom undergone to STL
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-11-07
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.