• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2014.tde-27082014-101734
Documento
Autor
Nome completo
Sebastião Francisco Miranda Corrêa
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Teixeira, Manoel Jacobsen (Presidente)
Souza, Evandro César de
Lepski, Guilherme Alves
Otoch, Jose Pinhata
Veiga, José Carlos Esteves
Título em português
Radiocirurgia e radioterapia estereotática no tratamento de meningeomas sintomáticos do seio cavernoso
Palavras-chave em português
Fracionamento de dose
Meningioma
Neoplasias meníngeas/radioterapia
Neurocirurgia
Neuroimagem
Radiocirurgia/efeitos adversos
Radiocirurgia/normas
Seio cavernoso
Resumo em português
Introdução: Radiocirurgia estereotática (RCE) e radioterapia estereotática fracionada (RCEF) são inovações modernas de procedimentos radioterápicos, de alta precisão que modelam o feixe de radiação para coincidir com o contorno da lesão, por meio de um sistema de imobilização exata do paciente ao aparelho, com definição do alvo através da fusão de imagens de RM, TC, Angiografia e PET/CT; em que pelas coordenadas de referência estereotática, determina-se que a dose de radiação de alta energia prescrita pelo médico seja depositada somente no volume-alvo, com preservação dos tecidos sadios, órgãos ou estruturas localizadas em suas adjacências. Meningeomas do seio cavernoso (MSCs) representam um problema especial porque podem evoluir comprimindo ou infiltrando estruturas neurovasculares presentes no seio cavernoso. Há evidências de que a RCE e a RCEF proporcionam controle satisfatório do crescimento dos meningeomas do seio cavernoso (MSCs) com efeitos adversos reduzidos. Objetivo: Avaliar resultados da avaliação clínica e da neuroimagem de doentes sintomáticos com MSCs tratados com RCEF ou RCE exclusivamente ou de modo adjuvante à neurocirurgia. Casuística e métodos: Estudo tipo coorte e retrospectivo sobre a avaliação de 89 doentes com MSC sintomático tratados com RCE (36%) ou RCEF (64%) entre janeiro de 1994 e março de 2009 e acompanhados até o final de 2012. Haviam sido submetidos à ressecação neurocirúrgica parcial (Simpson IV) ou à biopsia (Simpson V) previamente à radioterapia 29,2% dos doentes. A dose média de RCE foi de 14Gy, e a dose total de RCEF variou entre 50,4 e 54Gy, sendo fracionada em 1,8-2Gy/dose/dia. Resultados: O período de acompanhamento variou entre 36 e 180 meses (mediana de 73 meses). A percentagem de melhora dos sintomas neuroclínicos individuais e de melhora clínica e radiológica (p > 0,05) apresentou valores semelhantes nos doentes tratados com RCE ou RCEF, sendo respectivamente de 41,6% e 48,3%. Em 37% dos doentes, houve manutenção de, pelo menos, uma queixa neurológica apresentada antes do tratamento e, em 43,8%, a imagem do MSC manteve-se inalterada. O período livre de progressão do MSC em 5, 10 e 15 anos foi de 98,8%, 92,3% e 92,3%, respectivamente. Houve progressão da doença em quatro doentes (4,5%). A melhora dos sintomas neurológicos em doentes submetidos previamente à neurocirurgia ocorreu de maneira mais lenta em relação aos não operados, em razão de manipulação de nervos cranianos. Alguns sintomas pós-operatórios, como a ptose palpebral unilateral, persistiram permanentemente. Nenhuma complicação grave foi observada. Sete doentes apresentaram neuropatia óptica transitória durante 3 meses que melhorou com o uso de corticoides, dois neuropatia trigeminal que melhorou com uso de esteroides e um doente apresentou obstrução total da artéria carótida interna sem repercussão neurológica. Letargia e cefaléia foram os sintomas temporários imediatos mais frequentes. Conclusões: A RCEF e a RCE são métodos seguros e eficazes para tratar doentes com MSC sintomático. Proporcionam melhora ou estabilização da sintomatologia na maioria dos casos, e estabilização ou regressão do tumor demonstrado pela neuroimagem em mais de 90% deles. Ocorreu recuperação dos sintomas neurológicos preexistentes mais rapidamente em doentes não submetidos previamente à neurocirurgia. Houve recorrência do tumor em 4,5% dos doentes. Em até 15 anos de acompanhamento, não se evidenciou indução tumoral com o tratamento
Título em inglês
Radiosurgery and stereotactic radiotherapy in the treatment of symptomatic cavernous sinus meningiomas
Palavras-chave em inglês
Cavernous sinus
Dose fractionation
Meningeal neoplasms/radiotherapy
Meningioma
Neuroimaging
Neurosurgery
Radiosurgery/adverse effects
Radiosurgery/standards
Resumo em inglês
Introduction: Stereotactic radiosurgery (SRS) and fractionated stereotactic radiotherapy (FSRS) are modern innovations in radiotherapy procedures, precision shaping the radiation beam to match the contour of the lesion, through a system of accurate patient immobilization to the device, defining target through the fusion of MRI, CT, angiography and PET / CT, which is determined by reference to stereotactic coordinates. The radiation dose of high energy prescribed by the doctor to be delivery only in the target interest, with preservation of healthy tissues, organs or structures located in their vicinity. Cavernous sinus meningiomas (CSMs) pose a special problem because they can evolve compressing or infiltrating the neurovascular structures present of the cavernous sinus. There are evidences that SRS and FRS are efficient in the treatment of CSMs. Objectives: The evaluation of the long-term clinical results and neuroimaging findings in patients with symptomatic CSM treated with FSRT or SRS as single therapy or after a previous neurosurgical treatment. Patients and methods: Retrospective cohort study involving 89 patients with symptomatic CSMs treated with SRS (36%) or FSRS (64%) from January 1994 to March 2009, and followed until the end of 2012. Previous neurosurgical partial resection (Simpson IV) or biopsies (Simpson V) had been performed in 29.2% of the patients. The median dose of SRS was 14Gy and the total dose of FSRT ranged from 50.4 to 54Gy, fractionated in 1.8 to 2Gy/dose/day. Results: The follow-up period ranged from 36 to 180 months (median= 73months). There was improvement in the individual symptoms and in the clinical and radiological findings regardless the radiotherapeutic method in 41.6% and 48.3% of the patients treated with SRS or FSRT, respectively (p > 0,05). In 37% of the patients, at least one neurological complaint present before the treatment did not change and in 43.8% patients, the image of the tumor remained stable. The progression-free survival in 5, 10 and 15 years was 98.8%, 92.3% and 92.3%, respectively. The improvement of neurological symptoms in patients previously treated with neurosurgery was slower or did not occur as in nonpreviously operated patients. Lethargy and headache were the most frequent transient immediate post-radiotherapy symptoms. Seven patients presented transient optic neuropathy during 3 months and improved with corticosteroids, 2 presented trigeminal neuropathy that remitted rapidly with steroids, and one, had total occlusion of the internal carotid artery without neurological consequences. Conclusions: Both FSRT and SRS were equally safe and effective in the management of symptomatic CSMs. There was improvement or stabilization of the neurological symptoms in the majority ofthe patients and stabilization or regression of the neuroimaging of the lesion in more them 90% of them. The recovery of preexisting cranial neuropathies occurred faster and was more frequent in patients not previously treated with surgical procedure. There was recurrence in 4.5% of the patients. No radiation-induced tumor was observed term during the longest 15 years follow-up
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2014-08-27
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.