• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2018.tde-09052018-093931
Documento
Autor
Nome completo
Maurício Mandel Brigido
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Figueiredo, Eberval Gadelha (Presidente)
Chaddad Neto, Feres Eduardo Aparecido
Joaquim, Marcos Augusto Stavale
Pinto, Fernando Campos Gomes
Tzu, Wen Hung
Título em português
Emprego de técnicas de neurocirurgia minimamente invasiva para o tratamento de aneurismas  incidentais de circulação anterior
Palavras-chave em português
Aneurisma intracraniano
Craniotomia
Microcirurgia
Neurocirurgia
Neuroendoscopia
Procedimentos cirúrgicos minimamente invasivos
Qualidade de vida
Resumo em português
Introdução: A neurocirurgia minimamente invasiva já é uma realidade em muitos centros em todo o mundo. A aplicação de conceitos antigos com a incorporação de novas tecnologias permite o emprego de medidas menos invasivas, mas com a mesma eficácia e segurança. O real papel destas técnicas e o seu efeito sobre a evolução dos doentes ainda é nebuloso. Objetivos: avaliar a segurança e resultados da técnica minimamente invasiva na clipagem de aneurismas cerebrais de circulação anterior e determinar o momento seguro para alta hospitalar. Materiais: Cento e onze doentes adultos com diagnóstico de aneurismas não rotos de circulação anterior foram randomicamente distribuídos e submetidos a cirurgia por um acesso minimamente invasivo (grupo de estudo - 36 pelo acesso transpalpebral e 34 através de craniotomias minipterional reduzida) ou acesso pterional clássico (grupo controle - 41 doentes). O endoscópio acoplado a um telefone celular foi utilizado juntamente com o microscópio durante as cirurgias do grupo de estudo. Os doentes do grupo de estudo foram submetidos a um protocolo específico para avaliação da segurança da alta hospitalar precoce. Foram avaliados desfechos cirúrgicos, clínicos/funcionais, estéticos e sobre qualidade de vida. Resultados: Em ambos os grupos, os dados demográficos e as características dos aneurismas foram similares. O tempo médio das cirurgias foi menor no grupo de estudo (214 min. vs 292 min, p = 0,0008). A necessidade de transfusão sanguínea foi menor no grupo de estudo (1 doente vs 7 doentes, p = 0,018). O número de eventos isquêmicos foi menor no grupo de estudo (4 doentes vs 8 doentes, p = 0,07), mas os eventos com repercussão clínica foram semelhantes (2 doentes vs 3 doentes, p = 0,53). A presença de colo residual na angiografia controle foi menor no grupo de estudo (6 doentes vs 11, p = 0,021), mas foram todos colos pequenos, 1,75 ± 0,68 mm, sendo que apenas um doente do grupo controle foi reoperado. A paralisia do ramo frontal do nervo facial foi menor no grupo de estudo, tanto a temporária (3 vs 14, p = 0,008) quanto a definitiva (0 vs 4, p = 0,032). A atrofia do músculo temporal foi menos frequente e mais leve no grupo de estudo (9 vs 14, p = 0,012). No grupo de estudo, 91,4% dos doentes receberam alta precoce no dia seguinte da cirurgia e nenhum doente apresentou evento adverso por este motivo. Os doentes do grupo de estudo ficaram assintomáticos mais rapidamente no pós-operatório (pela avaliação da escala de Rankin, p = 0,0026), mas não houve diferença entre os grupos dentre as pontuações acima de 1 na escala de Rankin modificada. Um doente do grupo controle faleceu no pós-operatório (0,9%). Conclusões: Os resultados demonstraram que as alternativas minimamente invasivas propostas são seguras e tem resultados clínicos e cirúrgicos iguais ou superiores ao tratamento clássico em vários quesitos. A alta precoce nestes doentes é possível e segura. O acesso nanopterional ou transpalpebral é uma alternativa melhor em relação à craniotomia pterional clássica para tratar aneurismas não rotos da circulação anterior
Título em inglês
Employment of minimally invasive neurosurgical techniques for treatment of unruptured brain aneurysms of the anterior circulation
Palavras-chave em inglês
Craniotomy
Intracranial aneurysm, Neuroendoscopy
Minimally invasive surgical procedures
Neurosurgery
Quality of life, Microsurgery
Resumo em inglês
Introduction: Minimally invasive neurosurgery is already a reality in many centers across the world. The application of old concepts with the incorporation of new technologies allows the use of less invasive measures with the same effectiveness and safety. However, the real role of these techniques and their effect on the outcome of patients is still obscure. Objectives: To evaluate the safety and results of minimally invasive techniques in brain aneurysm clipping and determine the possibility of early hospital discharge. Methods: 111 adult patients with unruptured anterior circulation aneurysms were randomized and underwent a minimally invasive surgical approach, (36 by transpalpebral approach and 34 through a reduced minipterional craniotomy) or classical pterional approach (41 patients). The endoscope coupled to a smart phone was used along with the microscope during surgery (study group only). Patients in the study group were subjected to a specific protocol for assessment of early hospital discharge. Surgical, clinical/functional and aesthetic outcomes were evaluated along with long term quality of life. Results: In both groups, the demographics and characteristics of aneurysms were similar. The average time of surgery was lower in the study group (214 min. vs. 292 min, p = 0.0008). The need for blood transfusion was lower in the study group (1 patient vs 7 patients, p = 0.018). The number of ischemic events was lower in the study group (patients 4 patients vs. 8, p = 0.07), but events with clinical significance were similar (3 patients vs. 2 patients, p = 0.53). The presence of residual neck on control angiography was lower in the study group (6 patients vs 11, p = 0.021), but only small ones were found, 1.75 ± 0.68 mm, and only one control group patient required reoperation for this reason. The paralysis of the frontal branch of the facial nerve was lower in the study group, both temporary (3 vs 14, p = 0.008) and definitive (0 vs. 4, p = 0.032). The atrophy of the temporal muscle was less frequent and less severe in the study group (9 vs 14, p = 0.012). Most patients in the study group (91.4%), were discharged on the next day of the surgery and no patients had any related adverse events. Patients in the study group got asymptomatic faster (assessed by the Rankin scale, p = 0.26), but there was no difference between the groups among scores above 1 on the modified Rankin scale. One control group patient died postoperatively (0,9%). Conclusions: The results showed that the proposed minimally invasive alternatives are safe. Clinical and surgical results are equal or superior to conventional treatment in several topics. Early discharge in these patients is possible and safe. The described approaches (nanopterional or transpalpebral) are better alternatives to the classical pterional craniotomy to treat unruptured aneurysms of the anterior circulation
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-06-19
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.