• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2018.tde-28092018-083224
Documento
Autor
Nome completo
Janaine Aline Camargo de Oliveira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Eluf Neto, Jose (Presidente)
Falcão, Marcia Thereza Couto
Lucchetti, Giancarlo
Nunes, Maria do Patrocinio Tenorio
Título em português
Desafios do cuidado integral em saúde: a dimensão espiritual do médico se relaciona com sua prática na abordagem espiritual do paciente?
Palavras-chave em português
Atenção primária à saúde
Comunicação em saúde
Espiritualidade
Estudos transversais
Integralidade em saúde
Medicina de família e comunidade
Resumo em português
A literatura demonstra que a dimensão espiritual tem impacto na saúde biopsicossocial, sendo associada à preservação da saúde mental, qualidade de vida e redução da mortalidade global e cardiovascular. Contudo, são descritas várias barreiras para a abordagem clínica da espiritualidade do paciente, como a falta de tempo ou treinamento sobre o assunto, além dos valores pessoais e religiosos do profissional. A abordagem da espiritualidade na prática clínica de médicos de família e comunidade (MFC) ainda é um desafio e, com isso, a presente dissertação descreve aspectos da dimensão espiritual e religiosa de MFC brasileiros, com residência médica na área, além de apresentar aspectos sobre a inserção do tema da espiritualidade/religiosidade (E/R) na prática clínica desse grupo de profissionais. Para tanto, foi realizado um estudo observacional transversal por meio de questionário online. Os dados foram analisados quantitativamente por meio de medidas de frequência numérica, percentual e de tendência central. A frequência e temática abordadas pelos MFC em relação à E/R foram aferidas por meio de constructo que agregou os questionários FICA, HOPE e SPIRITual History. Os escores de bem-estar espiritual e religiosidade dos médicos foram aferidos por meio de escalas bem avaliadas na literatura (respectivamente, FACIT-SpNI e DUREL-P). O inquérito online obteve taxa de resposta de 15,8%, sendo a amostra de maioria do sexo feminino (65,1%), com idade média de 35,8 anos e média de tempo de trabalho na área de 7,9 anos. A atuação profissional se dá em assistência clínica (87,7%) e ensino (67,1%). A maioria (78,4%) declara identificação com uma matriz religiosa, sendo 21,6% católicos, 13,7% espíritas e 11,3% evangélicos. Grande parte da amostra (21,6%) se identificou com mais de uma religião. Os MFC apresentam baixa religiosidade organizacional (49,3% raramente ou nunca frequentam instituições), porém, forte prática de religiosidade não organizacional (65,4% declaram práticas pessoais no mínimo semanais). O escore de religiosidade intrínseca médio foi de 10,6 (padrão: 3 a 15) e o de bem-estar espiritual foi de 35,7 (padrão: 0-48). Para a prática clínica, houve maior concordância com o conceito de espiritualidade de Puchalski, que apresenta amplitude moderada quando comparado aos conceitos de Anandarajah e Koenig. O grau de concordância apontou no sentido de diferenciação do conceito de espiritualidade em relação à definição de religiosidade. Embora a grande maioria acredite que a E/R influencie muito a saúde (88,4%) e que essa abordagem seja pertinente à prática clínica do MFC (81,2%), apenas 35,0% da amostra se sentia preparada para abordar o tema e a maioria o faz com frequência moderada (50,3%). As principais barreiras para essa abordagem seriam falta de tempo (53,4%), treinamento (39,7%) e valores pessoais, como medo de impor sua religião (27,7%) ou medo de ofender o paciente (23,6%). As áreas mais frequentemente discutidas pelos MFC com os pacientes tratam da rede de suporte social (discutido por 42,8% dos médicos) e resiliência (40,2%). Os temas menos discutidos seriam a relação médico-paciente (não discutido por 74,0%) e as implicações para o plano terapêutico (64,7%)
Título em inglês
Challenges of comprehensiveness health care: does the physician's spiritual dimension relate to the clinical practice in approaching patient's spirituality?
Palavras-chave em inglês
Cross-sectional studies
Family practice
Health communication
Integrality in health
Primary health care
Spirituality
Resumo em inglês
Researches show that the spiritual dimension influences the biopsychosocial health, being associated with the preservation of mental health, quality of life and reduction of global and cardiovascular mortality. However, there are several barriers for approaching patient's spirituality in clinical practice, such as the lack of time or training on this subject and personal values of the professionals, as religiosity. Approaching spirituality is still a challenge for Brazilian Family Physicians (BFP). Then, the present research describes aspects of the spiritual and religious dimensions of Brazilian Family Physicians who had completed medical residency programs in this area. It also shows aspects about the insertion of spirituality/religiosity (S/R) in the clinical practice of this group of professionals. For this reason, we carried out a cross-observational study by means an online questionnaire. We analyzed the data quantitatively by means of simple distribution and frequency measurements. The frequency and thematic discussed by BFP in relation to S/R were measured by an instrument developed using the questionnaires FICA, HOPE and SPIRITual History. We evaluated the doctors' scores of spiritual- wellbeing and religiosity by means of well-evaluated scales (respectively, FACIT-SpNI and Durel-P). The online survey obtained response rate of 15.8%. The sample had most female (65.1%), average age of 35.8 years-old and average working time in the area of 7.9 years. Most of the professionals works in clinical assistance (87.7%) and teaching (67.1%). The majority (78.4%) declares identification with one religion, being 21.6% Catholics, 13.7% Spiritists and 11.3% Protestants. A large portion of the sample (21.6%) identified itself with more than one religion. The BFP showed low organizational religiosity (49.3% rarely or never attend to institutions), but high practice of non-organizational religiosity (65.4% declare personal practices at least weekly). The average of intrinsic religiosity score was 10.6 (standard: 3-15) and the spiritual-wellbeing average score was 35.7 (standard: 0-48). About the clinical practice, there was greater agreement with the concept of spirituality carried out by Puchalski, which presents moderate amplitude when compared to Anandarajah's or Koenig's concepts. The concordance degree showed same tendency to the sense of differentiation of the concepts of spirituality and religiosity. While 88.4% of BFP believe that the S/R influences a lot the health and 81.2% believe that this approach is pertinent to their clinical practice, only 35.0% of the sample felt prepared to address this topic and most do it sometimes (50.3%). The main barriers to this approach were lack of time (53.4%), training (39.7%) and personal values, such as fear of imposing their religion (27.7%) or fear of offending the patient (23.6%). The themes most often discussed by BFP with patients deal with the social support network (discussed by 42.8% of doctors) and resilience (40.2%). The less discussed subjects were the doctor-patient relationship (not discussed by 74.0%) and the implications for the therapeutic plan (64.7%)
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-09-28
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.