• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2007.tde-19042007-133348
Documento
Autor
Nome completo
Georgia Sibele Nogueira da Silva
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2007
Orientador
Banca examinadora
Ayres, Jose Ricardo de Carvalho Mesquita (Presidente)
Kovacs, Maria Julia
Novaes, Hillegonda Maria Dutilh
Schraiber, Lilia Blima
Vieira, Joaquim Edson
Título em português
A construção do "ser médico" e a morte: significados e implicações para a humanização do cuidado
Palavras-chave em português
Estudantes de medicina
Formação médica
Humanização da assistência
Morte
Resumo em português
A partir da narrativa de médicos em processo de formação, buscou-se compreender o processo de construção do ser médico e sua relação com o fenômeno da morte, com a finalidade de investigar em que medida essa relação contribui para promover o distanciamento entre as tecnociências médicas e os processos dialógicos do cuidar no cotidiano da prática médica. Realizou-se uma pesquisa qualitativa com estudantes de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, escolhidos entre todos os períodos de formação (do primeiro ano à residência médica). A Fenomenologia Existencial, a Hermenêutica Gadameriana e a Teoria da Ação Comunicativa, de Habermas, constituem a base filosófica do trabalho de produção e interpretação das narrativas. Para a produção das narrativas foram combinadas duas estratégias tecno-metodológicas: entrevistas em profundidade com roteiro e oficinas com utilização de cenas projetivas, objetivando maior profundidade e segurança na análise interpretativa. Os resultados foram agrupados em sete categorias temáticas: 1) Concepções sobre ser médico; 2) Concepções sobre a Morte; 3) Concepções dos estudantes/residentes sobre o enfrentamento do processo de morte de um paciente; 4) Abordagem da morte; 5) Anatomia e a iniciação médica; 6) O encontro com a morte encenada; 7) Desejos de mudanças na educação médica. As análises e reflexões desenvolvidas apontam que o ser médico compreende o ideal de ser um bom médico, o que significa ser técnico e humano na doença e na morte. Apesar de inseridos em uma cultura social e institucional de negação da morte, os entrevistados demonstram sensibilidade à re-humanização do processo de morrer. Essas concepções também estão presentes na proposta do currículo novo, mas encontra tensões diante do modelo biomédico em que estão ancorados. A iniciação na Anatomia define um tipo de percurso a ser trilhado, baseado na expropriação da subjetividade, onde o distanciamento das emoções é a garantia do conhecimento objetivo. A prescrição do não envolvimento é adotada, e convive com sinais de relativização (não se envolver muito), quando o horizonte almejado é a humanização da prática médica, que, por sua vez, prescreve uma boa comunicação com o paciente à morte. Os estudantes e residentes transitam entre os dois cenários, com escassos modelos, poucas experiências para nominar e lidar com a morte, e muitos paradoxos. No seu encontro com o paciente à morte, esse cuidador se depara com as dificuldades para não promover a distância entre intenção e gesto em suas interações. Reclamam por uma formação médica capaz de 13 re-juntar razão e emoção; médico e paciente; técnica e cuidado; vida e morte. O trabalho sugere por fim, o aprofundamento na direção da Ontologia Existencial, da Hermenêutica Filosófica, e da Razão Comunicativa como caminhos para um adensamento conceitual capaz de contribuir para validar o desenvolvimento de um processo de formação médica capaz de transformar o encontro professor-aluno e, médico-paciente. Defende que a mesma medicina que se apoiou na morte biológica para fundamentar sua prática em conhecimentos científicos, pode se apoiar no enfrentamento dos conteúdos simbólicos existenciais da morte para se re-humanizar e recuperar a dimensão do cuidado em sua prática.
Título em inglês
The building of the ?doctor being? and the death: meanings and consequences to care humanization
Palavras-chave em inglês
Death
Humanization of assistance
Medical education
Medical students
Resumo em inglês
We have sought the understanding of the process for building a doctor being and its relation to the phenomenon of death, based on the narratives of students in the process of becoming doctors. A qualitative research took place with the medical school students from the Federal University of Rio Grande do Norte, chosen from all levels of the under-graduation (from the first year to medical residency), with the objective of investigating how this relation with death helps to promote the detachment among the medical scientific technologies and the dialogical processes of caring in the daily medical practice. The existential phenomenology, Gadamer´s Hermeneutics and the theory of communicative action, of Habermas, constitute the philosophical basis of the narratives production and interpretation work. To produce the narratives two techno-methodological strategies were combined: In depth interviews with scripts and workshops using projective role-play activities, seeking for a deeper and sufer in the interpretative analysis. The results were grouped in seven theme categories: 1) Concepts of a doctor being; 2) Concepts of death; 3) Concepts of the students/residents about facing the process of a patient´s death; 4) Death approaching; 5) The medical initiation; 6) Meeting death through a scene; 7) Desires of change in the medical education. The analysis and reflections developed point towards the idea that a doctor being is connected to the ideal of being a good doctor, which means being technical and human in the illness and death processes. Although part of a social and institutional culture of death denial, the interviewed students revealed sensibility to the re-humanization of the death process. These conceptions are also present in the new curriculum proposal, but they find tension facing the biomedical model which they are included. The anatomy initiation defines one type of path to be followed, based in the expropriation of subjectivity, where the detachment of emotions is the guarantee of objective knowledge. The prescription of a noninvolvement is adopted, coexists with signals of relativization (to not get too involved), when the aim is humanization in the medical practice, which prescribes a good communication with the patient about to die. The students move between these two scenarios, with rare role-models, few experiences to name and deal with death, and many paradoxes. In their meeting with the patient to die, the caretaker faces the difficulties of not promoting the distance between intention and gesture in their interactions. They reclaim a medical education able to re-gather sense and emotion; doctor and patient; technique and caring; life and death. The work suggests, at last, the advances towards existential ontology, from the philosophical-hermeneutics and the communicative reason as ways to a conceptual consolidation able to contribute to validate the development of a medical education process, able to transform the encounter pupil-instructor and doctor-patient. It defends that the same medicine which was based on the biological death to found its practice in scientific meetings, can be based on the confrontation of death existential symbolic contents to re-humanize itself and recover the dimension of care in its practice.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
georgiasndasilva.pdf (2.21 Mbytes)
Data de Publicação
2007-04-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.