• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2018.tde-05062018-153436
Documento
Autor
Nome completo
Elder Al Kondari Messora
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Mota, Andre (Presidente)
Barbosa, Rosana Machin
Ferla, Luis Antonio Coelho
Teixeira, Luiz Antonio da Silva
Título em português
A construção de um novo mal: representações do câncer em São Paulo, 1892-1953
Palavras-chave em português
Estigma social
História da medicina
Hospitais filantrópicos
Institutos de câncer
Neoplasias
Oncologia
Representação
Resumo em português
Em 1904, o médico Alcindo de Azevedo Sodré publicava no periódico nacional Brazil Médico as dificuldades de se conseguir dados epidemiológicos sobre tumores malignos na população, enquanto o cirurgião paulista Arnaldo Viera de Carvalho, no mesmo ano, dissertava sobre as definições das formações cancerosas. Iniciava-se em São Paulo, nesse período, um processo de construção de representações sobre o câncer, a partir da imprensa jornalística, dos anuários estatísticos, dos boletins médicos e de teses doutorais. Carentes de uma especialidade médica voltada para o tratamento exclusivo desse flagelo, restavam aos órgãos públicos registrar o vertiginoso crescimento da mortalidade; paralelamente, os anseios da comunidade hipocrática, na busca de patrocínios para pesquisas e instituições, tal como da população, que queria a cura, ganhavam tonalidade frente a insidiosidade do então chamado "mal da civilização". Não demoraria para que os paulistas, prescindindo da ajuda federal, organizassem uma maneira de enfrentar a doença. Em 1934 seria fundada a Associação Paulista de Combate ao Câncer, uma entidade filantrópica com o propósito de facilitar o diagnóstico precoce, possibilitar sua profilaxia, realizar assistência hospitalar, social e moral, e elaborar pesquisas nos diversos ramos da "cancerologia". Seu fundador, o médico Antonio Prudente, escreveria no ano seguinte o livro "O câncer precisa ser combatido", consolidando um corpo material para essa nova questão de Saúde Pública. Assim, entre 1892, que marca a origem de instituições que transformam o câncer em um problema, e 1953, quando o Hospital A. C. Camargo foi construído e celebrado nos jornais como um grande trunfo contra esse mal, se compõe essa narrativa com o propósito de trazer à tona a história social do câncer em São Paulo
Título em inglês
The construction of a new evil: representations of cancer in Sao Paulo, 1892-1953
Palavras-chave em inglês
Cancer facilites
History of medicine
Hospital voluntary
Neoplasms
Oncology
Representation
Social stigma
Resumo em inglês
In 1904, doctor Alcindo de Azevedo Sodré published an article in the national medical journal Brazil Médico, regarding the difficulties of obtaining epidemiological data about malignant tumors. In that same year, surgeon Arnaldo Vieira de Carvalho gave lectures about the definitions of cancerous formations. Those facts were the inception of the construction of representations about cancer in São Paulo, prompted by the journalistic press, statistical yearbooks, doctor's newsletters and doctoral thesis. Lacking a medical specialty concerned exclusively with the treatment of this disease, all that was left to public services was to register the vertiginous growth of the mortality rates; at the same time, the aspirations of the hippocratic community, in search of sponsors for research and institutions, as well as the population that wanted healing, gained tonality in the face of the insidiousness of the so-called "evil of the civilization". It would not take long for paulistas, regardless of federal aid, to find a manner of dealing with the disease. In 1934 the Associação Paulista de Combate ao Câncer was founded as a philanthropic entity, whose purpose was to facilitate early diagnosis, enable its prophylaxis, provide hospital, social and moral assistance, as well as to research the various branches of "cancerology". Its founder, doctor Antonio Prudente, would write in the next year the book "Cancer needs to be fought", consolidating a material body for this new issue of Public Health. Thus, between 1892, which marks the origin of institutions that transform cancer into a problem, and 1953, when the Hospital A. C. Camargo was constructed and celebrated in the newspapers as a great asset against this evil, this narrative is composed, with the aim of elaborating a social history of cancer in São Paulo
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-06-05
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.