• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2012.tde-01032013-110545
Documento
Autor
Nome completo
Denise Zakabi
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2012
Orientador
Banca examinadora
Oliveira, Ana Flavia Pires Lucas D (Presidente)
Sawaia, Bader Burihan
Schraiber, Lilia Blima
Título em português
Aconselhamento pré e pós-teste anti-HIV na atenção básica: a perspectiva dos profissionais de saúde
Palavras-chave em português
Acolhimento
Aconselhamento
Atenção primária à saúde
HIV
Síndrome de imunodeficiência adquirida
Resumo em português
Desde 1999, o Ministério da Saúde tem incentivado a ampliação da testagem anti-HIV para atenção básica, com a prática do aconselhamento, buscando, assim, efetivar os princípios de integralidade e descentralização do SUS. Este estudo teve como objetivo compreender a perspectiva dos profissionais de saúde da atenção básica em relação ao pedido e à comunicação do resultado de teste anti-HIV, em duas capitais de regiões brasileiras distintas, que se assemelham pela grande densidade populacional e desigualdade social: São Paulo e Fortaleza. Foram realizadas 21 entrevistas semiestruturadas com profissionais de saúde e gestores de duas UBS em cada cidade. Em São Paulo, foram realizadas entrevistas com 2 gestores e 9 profissionais de saúde, e em Fortaleza, com 2 gestores e 8 profissionais de saúde. Foi realizada uma análise temática, dialogando com os conceitos de vulnerabilidade, acolhimento, técnica e afetividade. Foi solicitado o consentimento livre e esclarecido de todos os participantes e suas identidades foram resguardadas. Os profissionais de saúde relataram não oferecer o teste anti-HIV para a população geral, com a justificativa de evitar estigma e discriminação. A existência de serviços especializados em DST/aids bem estruturados facilita o encaminhamento dos poucos casos de pedido de teste HIV por demanda espontânea do usuário. Os profissionais de saúde relataram pedir o teste anti-HIV rotineiramente, principalmente quando baseados em protocolos do Ministério da Saúde, relacionados aos programas de tuberculose e pré-natal. Alguns profissionais relataram coagir, em graus diversos, as gestantes a realizarem o teste anti-HIV, contrapondo normas do Ministério da Saúde. A análise das entrevistas sugere uma dificuldade em realizar o aconselhamento propriamente dito, restringindo-se apenas a um pedido de consentimento para a testagem, especialmente nos casos de testagem baseados em protocolo. Esta análise também sugere que há dificuldades em estimular que a testagem se torne uma necessidade de saúde do usuário, pela dificuldade em lidar com aspectos emocionais dos atendimentos, especialmente relacionados com a possibilidade do resultado positivo para HIV. Desta maneira, os profissionais buscam restringir o atendimento ao que eles imaginam ser o aspecto técnico do encontro, focando nas intervenções biomédicas e evitando conversar sobre temas relacionados a emoções e sentimentos. Por outro lado, esta análise indicou maior facilidade de os profissionais oferecerem o teste anti-HIV dirigidamente a alguns grupos, estabelecidos como prioritários: jovens, trabalhadores do sexo, homens homossexuais e pessoas com diagnóstico de DST. Algumas UBS apresentam programas que incluem grupos de discussão e questionários padrões sobre a sexualidade, que promovem a demanda pelo teste para população geral. Salientamos a necessidade de haver maior definição sobre o que é comum e o que é específico no trabalho de cada um dos profissionais da equipe, e espaços de supervisão e educação continuada, com a produção de material didático, para aprimorar o pedido e a comunicação de resultado da testagem anti-HIV
Título em inglês
Pre- and posttest counseling for HIV testing in health primary care units: health professionals point of view
Palavras-chave em inglês
Acquired immunodeficiency syndrome
Counseling
HIV
Primary health care
User embracement
Resumo em inglês
Since 1999 Brazilian Ministry of Health has recommended the expansion of HIV testing in Primary Health Care, with the practice of counseling so thus effect the principles of comprehensive care and decentralization. The objective of the present study was to understand HIV testing and counseling in Primary Health Care, based on the discourses of their professionals, in two different Brazilian cities, which resemble the high population density and social inequality: São Paulo and Fortaleza. Semi-structured interviews were conducted with 21 health professionals and managers of two Primary Health Care services in each city. In São Paulo, interviews were conducted with 2 managers and 9 health professionals, and in Fortaleza, with 2 managers and 8 health professionals. We conducted a thematic analysis, based on the theoretical framework concepts of vulnerability, embracement and affection. All participants informed consents were asked and their identities were held. Health professionals reported not offering HIV testing for general population, trying to avoid stigma and discrimination. Well-structured STD/AIDS services facilitate routing rare cases of user-initiated. Provider-initiated HIV testing is routinely based on Ministry of Health protocols, related to tuberculosis programs and prenatal care. Some professionals reported coercing, to varying degrees, pregnant women to accept HIV testing, in spite of their right to voluntary consent, as recommended by Ministry of Health. The data analysis suggests a difficulty in performing the counseling itself, restricted only to a standard requirement for consent, especially for protocols based testing. This analysis also suggests professionals' difficulties for stimulating HIV testing to become a users health need, because it deals with emotional aspects of care, particularly related to the possibility of a positive HIV test. Thus, practitioners try restricting care to what they imagine to be the aspect of technics, focusing on biomedical interventions and avoiding emotions and feelings. On the other hand, this analysis indicated professionals are more inclined for prioritizing some groups for HIV testing: young people, sex workers, men they suppose that are gay and people diagnosed with STDs. Some Primary Health Care Services promoted some HIV testing demand for general population including groups discussions and standard questionnaires about sexuality to women, men and elders. We recommend a better definition of what is common and what is specific in the work of each team professionals, and more opportunities for professionals continued education and support, with the production of teaching materials, for improving HIV testing and counseling
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
DeniseZakabi.pdf (2.93 Mbytes)
Data de Publicação
2013-03-12
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.