• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.5.2004.tde-10052005-150439
Documento
Autor
Nome completo
Margareth da Eira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2004
Orientador
Banca examinadora
Seguro, Antonio Carlos (Presidente)
Andrade, Lucia da Conceição
Nicodemo, Antonio Carlos
Título em português
"Alterações na função renal em pacientes HIV/AIDS tratados com esquemas terapêuticos incluindo indinavir"
Palavras-chave em português
Creatinina/análise
Estudos de avaliação
Grupos controle
Indinavir/toxicidade
Indinavir/uso terapêutico
Infecções por HIV/terapia
Inibidores da protease/toxicidade
Insuficiência renal/complicações
Taxa de depuração metabólica/efeitos de drogas
Testes de função renal/métodos
Resumo em português
Complicações renais e urológicas incluindo nefrolitíase, cristalúria, cólica renal e lombalgia, são eventos adversos bem conhecidos do indinavir (IDV), um inibidor de protease (IP) largamente utilizado no tratamento de pacientes infectados com o vírus da imunodeficiência humana (HIV). Prévios estudos em ratos demonstraram que o IDV, um potente IP capaz de provocar uma sustentada supressão da carga viral do HIV, induz vasoconstricção renal, diminui a filtração glomerular (RFG) e reduz a excreção urinária de nitrito (NO2-), sugerindo que a vasoconstricção causada pelo IDV deve ser mediada pelo óxido nítrico (NO). Os objetivos deste estudo foram investigar a ocorrência de insuficiência renal (clearance de creatinina < 80ml/min) em pacientes com infecção pelo HIV tratados com terapia anti-retroviral altamente potente incluindo o inibidor de protease IDV, e mensurar a excreção urinária de nitrato (NO3-) nestes pacientes, comparando-os com outro grupo de pacientes tratados com efavirenz (EFV), um inibidor de transcriptase reversa não-análogo de nucleosídeo (NNRTI). No período compreendido entre março de 2000 e outubro de 2003, estudamos 36 pacientes infectados pelo HIV que estavam em terapia com IDV na dose de 800 mg de 8/8 horas por pelo menos 12 meses. Os pacientes foram avaliados para uma variedade de parâmetros clínicos e laboratoriais: idade, peso, tempo de infecção, tempo de uso de IDV, uso de sulfametoxazol-trimetoprim (SMX-TMP) ou sulfadiazina, exames bioquímicos (colesterol total, triglicérides, magnésio, sódio, potássio e creatinina), exame do sedimento urinário, clearance de creatinina, osmolaridade urinária, volume urinário de 24 h, fração de excreção de sódio (FENa), fração de excreção de potássio (FEK) e fração de excreção de água (FEH2O). NO3 urinário foi mensurado em 18 pacientes recebendo terapia anti-retroviral com IDV e 8 pacientes recebendo terapia com EFV. Leucocitúria ocorreu em 78.8% dos pacientes tratados com IDV. Clearance de creatinina diminuído foi observado em 21 pacientes e foi associado com menor peso e uso de derivados de sulfa. Nestes pacientes com diminuição da função renal, também detectamos menor osmolaridade urinária e uma FEH2O mais alta. A excreção urinária de NO3- foi significativamente menor nos pacientes tratados com IDV (908 ± 181) quando comparados aos pacientes do grupo EFV (2247 ± 648, p<0.01). Nossos resultados mostram que insuficiência renal ocorreu em 58% dos pacientes tratados com IDV e foi associada com menor peso corpóreo e uso de derivados de sulfa. A menor excreção urinária de NO3- e as alterações na osmolaridade e FEH2O sugerem que o IDV diminui a produção de óxido nítrico e causa dano tubular, respectivamente. Sugerimos então que os pacientes em uso de IDV sejam monitorados routineiramente para função renal através do clearance de creatinina.
Título em inglês
Alterations in renal function in HIV/AIDS patients treated with therapeutic regimens including indinavir
Palavras-chave em inglês
Control groups
Creatinine/analysis
Evaluation studies
HIV infections/therapy
Indinavir/therapeutic use
Indinavir/toxicity
Kidney failure/complications
Kidney function tests/methods
Metabolic clearance rate/drug effects
Protease inhibitors/toxicity
Resumo em inglês
Renal and urological complications including nephrolithiasis, crystalluria, renal colic and flank pain are significant side effects of the HIV protease inhibitor indinavir (IDV), and IDV has been widely used in the treatment of human immunodeficiency virus (HIV) infection. Previous studies in rats demonstrated that IDV, a potent protease inhibitor that causes profound and sustained supression of HIV replication, also induces renal vasoconstriction, decreases glomerular filtration rate (GFR) and reduces urinary excretion of nitrite (NO2-), suggesting that IDV-vasoconstriction may be mediated by nitric oxide (NO). The objectives of this study were to investigate the occurrence of renal failure (creatinine clearance <80ml/min) in human HIV patients treated with highy active antiretroviral therapy (HAART), including IDV, and to measure urinary excretion of nitrate (NO3-) in those patients, comparing it with that of another group of patients treated with the non-nucleoside reverse-transcriptase inhibitor efavirenz (EFV). From March 2000 through October 2003, we evaluated 36 patients infected with HIV who was receiving IDV 800 mg q8h for at least 12 months. The patients were assessed for a variety of clinical and laboratory parameters including age, body weight, duration of infection, time of IDV treatment, trimethoprim/sulfamethoxazole (TMP/SMX) or sulfadiazine use, biochemistry (total cholesterol, triglycerides, magnesium, sodium, potassium and creatinine), urinalysis, creatinine clearance, urine osmolality, 24-hour urine volume, fractional excretion of sodium (FENa), potassium (FEK) and water (FEH2O). Urinary NO3 was measured in 18 IDV-treated patients and compared with that of 8 EFV-treated patients. Leukocyturia occurred in 78.8% of the IDV-treated patients. Reduced creatinine clearance was observed in 21 patients and was associated with lower body weight and sulfa-derivated use. In these renal failure patients, we also detected a lower osmolality and a higher FEH2O. Excretion of NO3- was significantly lower in IDV-treated patients (908 ± 181) than in EFV-treated patients (2247 ± 648, p<0.01). Our data show that renal failure occurred in 58% of IDV-treated patients and was associated with lower body weight and sulfa administration. The lower NO3- excretion suggests that this drug decreases nitric oxide production, and the alterations in osmolality and FEH2O indicate that it also causes tubular damage. Based on our findings, we suggest that the renal function of patients under IDV treatment should be closely monitored with creatinine clearance.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
MargarethdaEira.pdf (464.79 Kbytes)
Data de Publicação
2005-08-03
 
AVISO: O material descrito abaixo refere-se a trabalhos decorrentes desta tese ou dissertação. O conteúdo desses trabalhos é de inteira responsabilidade do autor da tese ou dissertação.
  • EIRA, M., ARAUJO, M., and SEGURO, A.C.. Urinary NO3 excretion and renal failure in indinavir-treated patients [doi:10.1590/S0100-879X2006000800009]. Brazilian Journal of Medical and Biological Research [online], 2006, vol. 39, n. 8, p. 1065-1070.
  • EIRA, Margareth, ARAúJO, Magali, e SEGURO, Antonio Carlos. Urinary Nitrate Excretion and Renal Fairure in Indinavir-treated Patients. In , , .
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.