• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2008.tde-08072008-144738
Documento
Autor
Nome completo
Alexandre Rodrigues da Silva
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2008
Orientador
Banca examinadora
Machado, Clarisse Martins (Presidente)
Arruda Neto, Eurico de
Carvalho, Carlos Roberto Ribeiro de
Machado, Flavia Ribeiro
Vieira, Sandra Elisabete
Título em português
Análise prospectiva das infecções por vírus respiratórios em adultos internados em unidade de terapia intensiva
Palavras-chave em português
Adulto
Fatores de risco
Infecções respiratórias
Prevalência
Unidades de terapia intensiva
Resumo em português
INTRODUÇÃO: As infecções respiratórias agudas de etiologia viral são um fator de morbimortalidade em todo o mundo. Devido a novas epidemias por vírus respiratórios e avanços no diagnóstico, em especial, com técnicas moleculares, novos agentes têm sido identificados nos últimos anos. Os vírus respiratórios (VR) são responsáveis por cerca de 5% das infecções nosocomiais. Em adultos internados em Unidade de Terapia Intensiva a presença de infecção por vírus respiratórios é reportada em poucas publicações. Os objetivos deste estudo foram avaliar a prevalência de infecções por vírus respiratórios em pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva, a freqüência de infecções virais de origem nosocomial, os fatores de risco associados e seu impacto na morbimortalidade destes pacientes. MÉTODOS: No período de maio de 2003 a junho de 2004, amostras de lavado de nasofaringe foram coletadas de pacientes internados em unidade de terapia intensiva do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, independentemente de sintomas respiratórios. O diagnóstico de vírus respiratórios (Vírus Respiratório Sincicial, vírus da Influenza A e B, parainfluenza, adenovírus, rinovírus, coronavírus e metapneumovírus) foi feito pelas técnicas de imunofluorescência direta e reação em cadeia pela polimerase. Dados clínico-epidemiológicos foram prospectivamente coletados em ficha específica. RESULTADOS: Foram avaliados pacientes em 228 internações, sendo o diagnóstico de 57 infecções por vírus respiratórios estabelecido em cinqüenta e duas admissões (23%). Rinovírus foi diagnosticado em 22 casos, coronavírus em 15, adenovirus em sete, influenza A em seis, vírus sincicial respiratório em cinco, Parainfluenza em um e metapneumovirus em um caso. Trinta e quatro episódios (59,6%) de infecções virais foram considerados de origem nosocomial. Foram investigados os fatores de risco associados à ocorrência de infecções por VR, à necessidade de ventilação mecânica e ao óbito na UTI. Na análise univariada a ocorrência de infecção por vírus respiratório associou-se à presença de quadro respiratório à admissão na UTI, à presença de co-morbidades (hipertensão arterial sistêmica e AIDS), à gravidade do quadro clínico admissional definido pelo valor de APACHE e ao uso de ventilação mecânica invasiva. Na análise multivariada, através de regressão logística, as variáveis que permaneceram significantemente associadas a ocorrência de infecção por VR foram a idade (OR 0,96), a hipertensão arterial (OR 3,95), a presença de quadros respiratórios à admissão na UTI (OR 2,22) e o valor de APACHE (OR 1,06). Os fatores de risco associados à necessidade de ventilação mecânica invasiva foram as infecções por vírus respiratórios (OR 1,98), o tempo de internação na UTI (OR 1,16), e valor do APACHE (OR 1,07). Os fatores de risco para óbito nesta série foram doença cardíaca ou neoplasia, infecções fúngicas, uso de ventilação mecânica, e o valor de APACHE na admissão. Não houve associação entre o diagnóstico de infecção por vírus respiratórios e a ocorrência de óbito (p=0,118). CONCLUSÃO: As infecções virais respiratórias foram freqüentes em pacientes adultos internados em Unidade de Terapia Intensiva, sendo a maioria de origem nosocomial. Os pacientes com diagnóstico de infecção por vírus respiratórios tiveram maior necessidade de ventilação mecânica nesta série. O diagnóstico das viroses respiratórias deveria ser insistentemente buscado em pacientes com quadros respiratórios à admissão para que medidas de controle da transmissão nosocomial fossem implementadas. A associação com hipertensão arterial mereceria ser objeto de novos estudos.
Título em inglês
Prospective analysis of respiratory virus infections in adult ICU patients
Palavras-chave em inglês
Adult
Intensive care units
Prevalence
Respiratory infections
Risk factors
Resumo em inglês
INTRODUCTION: Acute respiratory infections of viral etiology are a factor of morbidity and mortality in the all world. Advances in the diagnosis, in special, with molecular techniques, new agents have been identified in the last years. Respiratory viruses (RV) are responsible for about 5% of the nosocomial infections. Few studies have addressed the incidence, morbidity and mortality of viral respiratory infection in adults admitted in Intensive Care Units (ICU). We evaluated the prevalence of viral respiratory infections in ICU adult patients, the ratio of these infections that were of nosocomial origin, the risk factors and the impact of viral respiratory infections in the morbidity and mortality of these patients. METHODS: From May 2003 to June 2004, nasopharyngeal aspirates were taken twice a week, irrespective of respiratory symptoms, from 228 patients admitted at the ICU of the Hospital of Clinics, Faculty of Medical Sciences, University of São Paulo. Respiratory viruses (Respiratory Syncytial Virus, influenza virus, parainfluenza virus, adenovirus, rhinovirus, coronaviruses and metapneumovirus) were diagnosed by direct immunofluorescent assay (DFA) or polymerase chain reaction. (PCR). Medical and epidemiological data were prospectively collected. RESULTS: Fifty seven RV was diagnosed in 52 of the 228 ICU admissions (23%). Rhinovirus was the RV more frequently diagnosed (22 cases), followed by Coronaviruses (15 cases), Adenoviruses (7 cases), Influenza A viruses (6 cases), Respiratory Syncytial Virus (5 cases), Parainfluenza virus (one case) and Metapneumovirus (one case). Thirty and four episodes (59.6%) were considered of nosocomial origin. We evaluated the risk factors associated with the occurrence of RV infections, the need of invasive mechanical ventilation and death at the ICU. Univariate analysis showed that RV infections were associated with respiratory tract involvement at admission, some comorbidities (arterial hypertension and AIDS), to APACHE score at admission, and to the need of invasive mechanical ventilation. In multivariate analysis, age (OR 0.96), arterial hypertension (OR 3.95), respiratory tract involvement at admission (OR 2.22) and APACHE value (OR 1.06) were significantly associated with the occurrence of RV infection. Risk factors associated with the need of invasive mechanical ventilation were RV infections (OR 1.98), longer time at the ICU (OR 1.16) and APACHE value (OR 1.07). Death at the ICU was significantly associated with heart disease or neoplasia, fungal infection, mechanical ventilation and APACHE value. RV infection was not associated with ICU death (p=0.118). CONCLUSIONS: Respiratory Virus infections were frequent in adult ICU patients in the present series; the majority of them were of nosocomial origin. Patients with RV infections were more likely to need mechanical ventilation during ICU admission. Diagnosis of RV infections should be included in the diagnostic assessment of ICU patients, especially those with respiratory tract involvement at admission. This policy will certainly favor the implementation of preventive measures to control nosocomial transmission. The association with arterial hypertension deserves further studies.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
AlexandreRdaSilva.pdf (645.21 Kbytes)
Data de Publicação
2008-08-05
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.