• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2015.tde-14122015-124252
Documento
Autor
Nome completo
José Roberto Netto Soares
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Cernea, Claudio Roberto (Presidente)
Araujo Filho, Vergilius José Furtado de
Dedivitis, Rogério Aparecido
Dias, Fernando Luiz
Hojaij, Flavio Carneiro
Título em português
Avaliação da qualidade de vida em pacientes com tumores avançados de cavidade oral submetidos a cirurgias de grande porte
Palavras-chave em português
Carcinoma de células escamosas
Neoplasias bucais
Osteotomia mandibular
Qualidade de vida
Reconstrução mandibular
Transplante ósseo
Resumo em português
Desde os primórdios da Medicina, a grande preocupação do profissional era ser humanista, com conhecimento cultural, sociológico, familiar, psicológico e espiritual do seu paciente. Durante a primeira metade do século XX, houve uma verdadeira explosão de novas técnicas operatórias e de evoluções no campo tecnológico, principalmente durante e logo após as duas grandes guerras mundiais. Novas especialidades, dentre essas a Cancerologia e suas subdivisões, iniciaram técnicas próprias de tratamento cirúrgico. Desde então, os tratamentos impulsionaram a realização de novos métodos de reconstrução dos defeitos produzidos pelas cirurgias, cada vez mais invasivas e mutiladoras. Portanto, além do diagnóstico e tratamento das enfermidades, começou a existir a preocupação com o resultado destes, como o tipo de contribuição e resultados funcionais para o paciente. Nas últimas décadas, houve a necessidade de avaliar a Qualidade de Vida (QV) destes pacientes frente aos tratamentos realizados. As neoplasias malignas de cabeça e pescoço, pela própria localização anatômica, podem acarretar alterações significativas em funções vitais relacionadas à alimentação, comunicação e interação social dos indivíduos afetados. Objetivo: Avaliar a qualidade de vida dos pacientes com neoplasias malignas avançadas de cavidade oral submetidos a operações radicais com intenção curativa, comparando um grupo de pacientes submetidos à reconstrução funcional de mandíbula com um grupo de pacientes nos quais esta reconstrução não foi efetuada. Material e métodos: 47 pacientes matriculados na Seção de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital do Câncer (HCI-INCa), portadores de carcinoma espinocelular (CEC) de cavidade oral, em estádios III e IV, foram submetidos ao tratamento cirúrgico com mandibulectomia segmentar e radioterapia complementar. Todos foram submetidos ao teste de Qualidade de Vida após o tempo mínimo de seis meses do tratamento cirúrgico. A maioria tinha como sitio anatômico da lesão primária mucosa jugal (49%), seguido do rebordo gengival (33%). As avaliações dos dados colhidos foram analisadas utilizando valores médios, medianas, desvios padrões, frequências simples e percentuais. A avaliação foi feita comparando os tipos de reconstrução: pacientes submetidos a mandibulectomia sem reconstrução funcional da mandíbula (Grupo 1) e com reconstrução funcional da mandíbula (Grupo2). O teste aplicado foi o da Universidade de Washington (UW-QOL). Resultados: Inicialmente, foram selecionados 183 pacientes, contudo em apenas 47 (25,7%) pacientes foi possível a realização da entrevista, sendo estes a amostra para o estudo. A maioria dos pacientes do grupo selecionado era do sexo masculino, total de 39 homens (82,9%). A idade média foi de 64,4 anos (25-94 anos). A maioria dos pacientes apresentava estadiamento clínico IV (83%), foram submetidos à radioterapia adjuvante (95,4%). Treze (27,65%) pacientes receberam reconstrução funcional da mandíbula (grupo 2). A média do escore obtido após a avaliação dos questionários foi de 64,6 (50 a 86,83), a média do escore do Grupo 1 foi de 65 e do Grupo 2 foi de 63,1. Os piores escores foram encontrados nos quesitos deglutição ( Grupo 1 escore de 54,13 e Grupo 2 escore de 53,92) e mastigação (Grupo 1 escore de 25 e Grupo 2 escore de 23,08). Não houve diferenças estatisticamente significativas em nenhum quesito quando comparamos os dois grupos. Pacientes com estadiamento clínico III apresentaram a variável idade na data da entrevista mostrou significância clínica e estatística no domínio dor (p=0,049), evidenciando que pacientes com mais de 60 anos relatavam melhor escore do que os com idade inferior a 60 anos na data da entrevista. A situação conjugal foi estatisticamente associada à qualidade de vida no domínio saliva (p=0,045) e clinicamente, nos domínios aparência e ombro. Pacientes com estadiamento clínico III apresentaram clinicamente melhores escores do que os com estádio IV, evidenciando significância estatística no domínio recreação (p = 0,034). Os pacientes com mais de dois anos de tempo transcorrido entre a cirurgia e a entrevista apresentaram melhores escores de qualidade de vida dos que os com menos de dois anos, com significância estatística para os domínios dor (p=0,032), recreação (p=0,034), fala (p=0,046), paladar (p=0,009), ansiedade (p=0,011) e escore composto. Pacientes com menos de 2 anos de tratamento apresentaram pior escore composto, único quesito com significância estatística entre os grupos (p=0,023). Conclusão: Não houve diferenças estatisticamente significativas nos domínios de Qualidade de Vida entre os dois grupos estudados (com reconstrução óssea versus sem reconstrução óssea), pacientes entrevistados 2 anos ou mais após o tratamento apresentaram escores superiores (p=0,023), único dado com diferença estatisticamente significativa
Título em inglês
Quality of life avaliation of pacientes with advanced tumors of oral cavity undergoing radical operations
Palavras-chave em inglês
Bone transplantation
Carcinoma squamous cell
Mandibular osteotomy
Mandibular reconstruction
Mouth neoplasms
Quality of life
Resumo em inglês
Since the beginning of Medicine, the major concern of the professional was to be humanist, having cultural, sociological, family-related, psychological and spiritual knowledge of his patient. During the first half of the twentieth century there was an explosion of new surgical techniques and developments in the technological field, especially during and after the two world wars. New specialties, among these the Oncology and their subdivisions initiated proper techniques of surgical treatment. Since then the treatments have boosted the implementation of new methods of reconstruction of defects produced by surgery, increasingly invasive and mutilating, therefore, in addition to the diagnosis and treatment of diseases, came into being the concern about the outcome of these, such as the type of contribution and functional results for the patient. Over the last decades there was a need to assess the Quality of Life (QL) of these patients compared to the treatments performed. Malignant neoplasms of the head and neck, by their own anatomical location, may entail significant changes in vital functions related to feeding, communication and social interaction of the affected individuals. Objective: Assessing the quality of life of patients with advanced malignant neoplasms of the oral cavity undergoing radical operations with curative interaction, comparing a group of patients undergoing functional reconstruction of the jaw with a group of patients in whom this reconstruction was not performed. Material and methods: A total of 47 patients enrolled in the Head and Neck Surgery Section of the Cancer Hospital (HCI-INCA). Carriers of squamous cell carcinoma (SCC/CEC) of the oral cavity, in stages III and IV., were submitted to surgical treatment with segmental mandibulectomy and complementary radiotherapy. All were submitted to the Quality of Life test after a minimum period of six months from the surgery. Most had the anatomical site of primary buccal mucosa (49%), followed by gingival border (33%). The assessment of the data collected was analyzed using averages, medians, standard deviations, simple frequencies and percentages. The evaluation was made by comparing the types of reconstruction: patients undergoing mandibulectomy without functional reconstruction of the jaw (Group 1) and functional reconstruction of the jaw (Group 2). The test used was the University of Washington (UW-QOL). Outcome: Initially, 183 patients were selected, but with only 47 (25.7%) patients the interview was possible, which are the sample for the study. Most of the selected group of patients were male, total 39 men (82.9%). The average age was 64.4 years (25-94 year-old). Most of the patients had clinical stage IV (83%), underwent adjuvant radiotherapy (95.4%). Thirteen (27.65%) patients had functional reconstruction of the mandible (Group 2). The mean score obtained after the evaluation of the questionnaires was 64.6 (50 to 86.83), Group 1's average score was 65 and Group 2 was 63.1. The worst scores were found in swallowing (Group 1 score of 54.13 and Group 2 score of 53.92) and chewing questions (Group 1 score of 25 and Group 2 score of 23.08). There were no statistically significant differences in any question when we compare the two groups. Patients with clinical stage III presented a variable age at the interview showed clinical and statistical significance in the pain domain (p = 0.049), showing that patients older than 60 years reported better score than under the age of 60 years at the interview. Marital status was statistically associated with quality of life in the saliva domain (p = 0.045) and clinically in the fields appearance and shoulder. Patients with clinical stage III showed clinically better scores than those with stage IV, showing statistical significance in the recreation area (p = 0.034). Patients with more than two years of time between surgery and the interview have better quality of life scores than those with less than two years, with statistical significance for the pain domain (p = 0.032), recreation (p = 0.034 ), speech (p = 0.046), taste (p = 0.009), anxiety (p = 0.011) and composite score. Patients younger than 2 years of treatment had worse composite score, only question statistically significant between groups (p = 0.023). Conclusion: There were no statistically significant differences in the areas of quality of life between the two groups (with bone reconstruction versus without bone reconstruction), patients interviewed two years or more after treatment had higher scores (p = 0.023), only data showing a statistically significant difference
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-12-15
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.