• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2014.tde-09022015-092532
Documento
Autor
Nome completo
Alberto Yoshikazu Okada
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Faria, José Carlos Marques de (Presidente)
Busnardo, Fabio de Freitas
Gemperli, Rolf
Jacomo, Alfredo Luiz
Sabino Neto, Miguel
Título em português
Estudo crítico da anatomia do retalho neurovascular do músculo oblíquo interno com análise histomorfométrica e da incidência de alterações degenerativas dos seus pedículos arteriais
Palavras-chave em português
Anatomia
Cirurgia plástica
Músculos abdominais/anatomia e histologia
Paralisia facial
Retalhos cirúrgicos
Transplante de tecidos
Resumo em português
Em 2002 foi descrito o retalho neurovascular de músculo oblíquo interno com um pedículo vascular e dois pedículos nervosos longos para tratamento em tempo único da paralisia facial, que permitiu a reanimação da região bucal e orbital, simultaneamente. Apesar das inúmeras vantagens teóricas deste retalho, há escassez de informações a respeito de suas características anatômicas. Neste estudo foi realizada dissecção em dezoito cadáveres frescos e não formolizados, num total de 36 retalhos retalhos neurovasculares do musculo oblíquo interno (MOI). Foram realizadas medidas diretas com o uso de paquímetro digital de alta precisão, onde foram analizados o comprimento dos pedículos vasculares, o comprimento dos pedículos nervosos e a espessura, área e volume do músculo. Um fragmento de 0,5 cm proximal dos pedículos vasculares foram coletados e enviados para análise histomorfométrica. Na histomorfometria foi mensurado o diâmetro externo dos pedículos arteriais e venosos. A incidência de alterações degenerativas das artérias foi estudada, analisando alterações da camada íntima e da camada média. A vascularização do retalho neurovascular do músculo oblíquo interno tem como pedículo dominante a circunflexa Iiaca profunda (CIP) e pedículos secundários oriundos da subcostal e 11ª intercostal posterior (11ª ITC). Os pedículos subcostal e 11ªITC tem origem no forâmen intervertebral de T11 e T12, e são pedículos neurovasculares. O comprimento médio dos pedículo CIP, subcostal e 11ªITC foi de, respectivamente, 10,8cm (± 2), 13,2cm (± 0,70) e 12,5cm (± 1,25). Houve diferença estatística no comparação entre as médias dos comprimentos (p < 0,001), sendo subcostal > 11ªITC > CIP. Os nervos subcostal e 11ªITC tiveram o mesmo comprimento do pedículo vascular, uma vez que foram seccionados no mesmo ponto, e mediram respectivamente, 13,2cm (± 0,70) e 12,5cm (± 1,25). O músculo do retalho teve espessura média de 0,8 m (±0,14), área média de 4,4cm² (± 1,55) e volume médio de 3,47cm3 (± 1,24). O diâmetro das artérias CIP, subcostal e 11ªITC foram respectivamente de 1,3mm (± 0,32), 0,74mm (± 0,24) e 0,71mm (± 0,23). A análise estatística demonstrou que CIP > subcostal = 11ªITC. As alterações degenerativas da parede da artéria foram analisadas nas camadas íntima e média. Alterações da camada íntima foram observados em 32,4% da CIP (grau I/leve= 20,6%, grau II/moderado=11,8%), 17,6% da subcostal (grau I/leve=11,8%, grau II/moderado=2,9% e grau III/grave=2,9%) e 25,8% da 11ªITC (grau I/leve=22,6% e grauII/moderado=3,2%). Não houve diferença estatística na incidência de alterações intimais entre as artérias (p=0,516). Em relação às alterações da camada média, observou-se a incidência de 23,5% na CIP (grau I= 17,6% e grau II= 5,9%), 32,4% na subcostal (grau I= 26,5% e grau II= 5,9%) e 19,4% na 11ªITC (grau I= 12,9% e grau II= 6,5%). Na análise comparando as incidências de alterações da camada média entre os vasos não houve diferença estatística (p=0,323). O comprimento do nervo subcostal é mais longo que o nervo 11ªITC e foram semelhantes aos relatados na literatura, o que possibilita a anastomose no nervo facial contralateral em tempo único. O músculo oblíquo interno permite a transferência de um retalho com volume bastante reduzido, que pode ser favorável no contorno facial. Quanto às alterações degenerativas, os três pedículos apresentam incidências semelhantes. O maior diâmetro dentre as artérias foi da CIP, em comparação com os demais pedículos. O pedículo vascular da CIP, apresenta um posicionamento mais superficial e sua dissecção é menos trabalhosa. Quando dissecado até sua origem, se torna mais longo e facilita o posicionamento do retalho. Com isso, atinge um maior número de vasos receptores, facilitando a anastomose microcirúrgica
Título em inglês
Critical study of the anatomy of the neurovascular flap of the internal oblique muscle with histomorphometric analysis and incidence of degenerative changes of its arterial pedicles
Palavras-chave em inglês
Abdominal muscles/anatomy and histology
Anatomy
Facial paralysis
Surgery plastic
Tissue transplantation, Surgical flaps
Resumo em inglês
In 2002, the neurovascular internal oblique muscle flap, with one vascular pedicle and two long nerve pedicles, was described for single stage treatment of facial paralysis, allowing the simultaneous reanimation of the oral and orbital regions. Despite the numerous theoretical advantages of this flap, limited information is available regarding its anatomical features. Eighteen fresh, nonembalmed cadavers were dissected, providing a total of 36 flaps. The lengths of the vascular and nerve pedicles and the thickness, area, and volume of the muscle were analyzed. A 0.5-cm proximal fragment of the vascular pedicles was collected and subjected to histomorphometric analysis. The outer diameter of the arterial and venous pedicles and degenerative changes in the intima and medial layers were measured by histomorphometry. The dominant vascular pedicle of the neurovascular internal oblique muscle flap is the deep circumflex iliac (DCI), and secondary neurovascular pedicles arise from the subcostal and 11th posterior intercostal (11th ITC). The mean lengths of the DCI, subcostal and 11th ITC pedicles were 10.8 ± 2 cm, 13.2 ± 0.70 cm and 12.5 ± 1.25 cm, respectively. A significant difference was observed in the mean lengths of the pedicles (p < 0.001), with the length of the subcostal being greater than that of the 11th ITC, which was in turn greater than that of the DCI. The subcostal and 11th ITC nerves were of the same length as the vascular pedicle because they were sectioned at the same point. The muscle had a thickness of 0.8 ± 0.14 cm, an area of 4.4 ± 1.55 cm2 and a volume of 3.47 ± 1.24 cm3. The diameters of the DCI, subcostal and 11th ITC arteries were 1.3 ± 0.32 mm, 0.74 ± 0.24 mm and 0.71 ± 0.23 mm, respectively. Statistical analysis showed that DCI diameter > subcostal diameter = 11th ITC diameter. Degenerative changes of the artery wall in the intima and medial layers were analyzed. Changes in the intima were observed in 32.4% of the DCI, 17.6% of the subcostal and 25.8% of the 11th ITC. In the medial layer, there was an incidence of 23.5% in the DCI, 32.4% in the subcostal and 19.4% in the 11th ITC.The length of the subcostal nerve was longer than the 11th ITC nerve and was similar to the length reported in the literature, it allows single-stage anastomosis in the contralateral facial nerve. The internal oblique muscle provides a flap with a reduced volume to be transferred to the face, which may result in fewer changes in facial contour. The three pedicles display similar incidences of degenerative changes. The diameter of the DCI artery is greater than those of the other pedicles, its vascular pedicle has a more superficial position, and its dissection is less laborious. When dissected to its origin, it becomes longer and facilitates positioning of the flap. Being longer, reaches a greater number of receptor vessels and facilitates microsurgical anastomosis
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-02-09
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.