• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2014.tde-26022015-115757
Documento
Autor
Nome completo
Eduardo Gomes Lima
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Hueb, Whady Armindo (Presidente)
Gowdak, Luís Henrique Wolff
Buffolo, Enio
Chacra, Antonio Roberto
Garcia, Rosa Maria Rahmi
Título em português
Avaliação prognóstica em longo prazo de pacientes diabéticos portadores de insuficiência renal crônica leve a moderada e doença coronária multiarterial submetidos aos tratamentos clínico, cirúrgico ou angioplastia
Palavras-chave em português
Angioplastia
Diabetes mellitus
Doença das coronárias
Insuficiência renal crônica
Revascularização miocárdica
Resumo em português
Introdução: Entre pacientes portadores de doença arterial coronária (DAC), o Diabetes mellitus indica um pior prognóstico. A associação com doença renal crônica parece conferir risco cardiovascular adicional a essa população. Há poucos estudos comparando os diferentes tratamentos para DAC na população de diabéticos com insuficiência renal crônica (IRC). Objetivo: Comparar diferentes tratamentos para DAC em uma população portadora de diabetes tipo 2 estratificada por níveis de função renal. Métodos: Estudo observacional, prospectivo do tipo registro, selecionou do Registro Geral do Grupo MASS pacientes portadores de Diabetes tipo 2 com doença coronariana crônica submetidos aos tratamentos medicamentoso exclusivo (TM), cirúrgico (CRM) ou percutâneo (ICP). Todos os pacientes eram portadores de doença coronária multiarterial, função ventricular preservada, sendo a função renal estimada pelo método de Cockroft-Gault e grupada em três estratos: 1) função renal preservada (clearance de creatinina > 90 mL/min), 2) IRC discreta (60-89 mL/min) e 3) IRC moderada (30-59 mL/min). Os desfechos primários foram uma combinação de morte, infarto do miocárdio não fatal ou necessidade de intervenções adicionais. Resultados: Foram selecionados em um período entre 1995 e 2010, 763 pacientes, com seguimento médio de 5,4 anos e alocados em três estratos: estrato 1 (N=270) foi formado por 122 pacientes submetidos à CRM, 72 submetidos à ICP e 76 submetidos ao TM; estrato 2 (N=367), composto por 167 pacientes submetidos à CRM, 92 submetidos à ICP e 108 submetidos ao TM; estrato 3 (N=126), composto por 46 pacientes submetidos à CRM, 40 pacientes submetidos à ICP e 40 pacientes submetidos ao TM. As taxas de sobrevivência livres de eventos foram 80,4%, 75,7% e 67,5% para os estratos 1, 2 e 3 respectivamente (P=0,037). As taxas de sobrevivência entre os pacientes dos estratos 1, 2 e 3 foram 91,1%, 89,6% e 76,2%, respectivamente (P=0,001) (HR:0,69; 0,51-0,95; P=0,024 para estrato 1 versus 3). Comparando-se as estratégias terapêuticas dentro de cada estrato, observou-se similaridade nas taxas de morte ou infarto em todos os estratos. Por outro lado, observou-se uma menor taxa de revascularização adicional em indivíduos submetidos a CRM (P < 0,001, P < 0,001 e P=0,029 para os estratos 1, 2 e 3, respectivamente). Uma maior mortalidade foi encontrada entre os estratos 3 e 2 no grupo CRM (HR: 0,42; 0,18-0,99; P=0,04). Conclusão: Comparados com pacientes com função renal preservada, pacientes portadores de IRC evoluem com maior incidência de mortalidade independente da estratégia terapêutica. Por outro lado, o tratamento medicamentoso alcançou os mesmos índices de eventos cardiovasculares quando comparados com a intervenção cirúrgica ou percutânea. Em contrapartida, a intervenção cirúrgica conferiu menor incidência de reintervenção, independente da condição renal
Título em inglês
Long-term outcomes of patients with coronary artery disease and type 2 diabetes mellitus with chronic kidney disease undergoing surgery, angioplasty, or medical treatment
Palavras-chave em inglês
Angioplasty
Coronary disease
Diabetes mellitus
Myocardial revascularization
Renal insufficiency chronic
Resumo em inglês
Introduction: Diabetes Mellitus is a risk factor associated with worse prognosis in patients with croronary artery disease (CAD). Some studies have demonstrated that this prognosis has additional risk when associated with chronic kidney disease. There are few data available comparing different therapies for multivessel CAD among patients with diabetes and CKD in a long-term follow-up. Objective: To compare three different therapeutic strategies for CAD among diabetic patients stratified by renal function. Methods: This is a prospective, registry-based and single center study that enrolled patients from the MASS Group Registry. Type 2 diabetic patients with multivessel CAD were allocated to three different treatment strategies: coronary artery bypass graft (CABG), angioplasty (PCI), and optimized medical therapy alone (MT). Data were analyzed according to estimated glomerular filtration rate in 3 strata: normal (> 90mL/min), mild CKD (60- 89mL/min), and moderate CKD (30-59mL/min). Primary endpoint was combined of overall mortality, acute myocardial infarction (AMI) and need for additional revascularization. Multivariate Cox proportional hazard survival analysis was performed to assess whether the associations of groups with all-cause mortality and other end points considered was independent of potential confounders. Demographic and clinical variables, as well as treatment applied were included in the analysis. Results: From 1995 to 2010, patients enrolled (N=763) were followed for a mean time of 5.4 years. Among normal renal function patients (N=270), 122 underwent CABG, 72 PCI, and 76 MT; among mild CKD patients (N=367), 167 underwent CABG, 92 PCI, an d108 MT; and for moderate CKD patients (N=126), 46 underwent CABG, 40 PCI, and 40 MT. Survival free of events were 80.4%, 75.7% e 67.5% for strata 1, 2 and 3 respectively (P=0.037). Survival rates among patients with no, mild, and moderate CKD are respectively 91.1%, 89.6%, and 76.2% (P=0.001) (HR:0.69; 0.51-0.95; P=0.024 for stratum 1 versus 3). Comparing treatment strategies in patients according to the renal function strata, we found no differences regarding overall mortality or AMI irrespective of strata. On the other hand, the need of additional revascularization was different in all strata, favoring CABG group (P < 0.001, P < 0.001, and P=0.029 for no, mild, and moderate CKD respectively). Comparing different strata of renal function among treatments we found a higher risk of death among moderate CKD subjects compared to mild CKD (HR:0.42; 0.18-0.99; P=0.04) in CABG group. Conclusion: Among diabetic patients with CAD, mortality rates were higher among patients with CKD. Nevertheless, revascularization procedures groups had similar rates of cardiovascular events compared to MT alone, except for less need of additional revascularization in CABG group in all renal function strata
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
EduardoGomesLima.pdf (962.51 Kbytes)
Data de Publicação
2015-03-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.