• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2009.tde-25062009-111549
Documento
Autor
Nome completo
Renata Teixeira Ladeira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2009
Orientador
Banca examinadora
Nicolau, José Carlos (Presidente)
Cesar, Luiz Antonio Machado
Gagliardi, Antonio Ricardo de Toledo
Markman Filho, Brivaldo
Timerman, Ari
Título em português
Hiperglicemia no infarto agudo do miocárdio: correlações fisiopatológicas
Palavras-chave em português
Hemoglobina A glicosilada
Hiperglicemia/fisiopatologia
Infarto do miocárdio
Resumo em português
Introdução- A hiperglicemia (HG), durante o infarto agudo do miocárdio (IAM), está associada com aumento de mortalidade hospitalar em pacientes diabéticos e não diabéticos. Entretanto, não é conhecido o mecanismo responsável por esta associação. Assim estudou-se, simultaneamente, a correlação entre a glicemia e marcadores bioquímicos relacionados ao sistema neuro-humoral de estresse, metabolismo glicídico e lipídico, sistema de coagulação e inflamatório. Métodos- 80 pacientes foram incluídos consecutiva e prospectivamente. Foram realizadas duas coletas de sangue, a primeira com 24h a 48h do início dos sintomas do IAM (fase aguda) e a segunda após 3 meses do IAM (fase crônica), sempre com 12h de jejum. Foram analisados os seguintes parâmetros: glicose, cortisol, noradrenalina, hemoglobina glicada (HbA1c), insulina, LDL minimamente modificada eletronegativa, ácidos graxos livres (AGL), adiponectina, factor VII da coagulação, fibrinogênio, inibidor do ativação do plasminogênio tipo 1, proteína C reativa ultra-sensível (PCRus), colesterol total (c) e frações e triglicérides. Nas correlações univariadas entre glicemia e as variáveis contínuas empregou-se o teste de correlação de Pearson. As análises multivariadas foram feitas através de regressão logística (variáveis qualitativas) e modelo linear generalizado (quando as variáveis independentes incluídas foram quantitativas e nominais). Resultados- Na fase aguda, a glicemia correlacionou-se significativamente com HbA1c (r=0,75, p<0,001), insulina (r=0,25, p<0,001), AGL (r=0,3, p=0,01), adiponectina (r=-0,22, p=0,05), LDL-c (r=-0,25, p=0,03), VLDL-c (r=0,24, p=0,03) e triglicérides (r=0,27, p=0,01). No modelo multivariado, as variáveis correlacionadas de forma independente com a glicemia, na fase aguda, foram: HbA1c (p<0,001), insulina (p<0,001), e AGL (p=0,013). Para analisar uma variável de confusão, a história de diabetes mellitus (DM), incluiu-se esta variável num modelo, juntamente com as variáveis acima e todas mostraram associação significativas com glicose: HbA1c (p<0,001), insulina (p=0,001), AGL (p=0,013) e história de DM (p=0,027). Na fase crônica, glicose correlacionou-se com: cortisol (r=0,31, p=0,01), noradrenalina (r=0,54, p<0,001), HbA1c (r=0,78, p<0,001) e PCRus (r=0,46, p<0,001). Na análise multivariada, somente HbA1c (p<0,001) e noradrenalina (p<0,001) mantiveram correlação independente. Conclusão- A HbA1c foi a única variável que correlacionou-se de forma significativa e independente com a glicemia, tanto na fase aguda, quanto na crônica, mostrando que a hiperglicemia, durante o IAM, pode representar uma alteração crônica, sub-diagnosticada, do metabolismo glicídico.
Título em inglês
Hyperglycemia during acute myocardial infarction: pathophysiology correlations
Palavras-chave em inglês
Acute myocardial infarction
Hemoglobin A glycosylated
Hyperglycemia/pathophysiology
Resumo em inglês
Introduction- Hyperglycemia (HG) is an important prognostic factor in acute myocardial infarction (AMI). However, the pathophysiology is poorly understood. So we proposed a simultaneous correlation between glycemia and biochemical markers of stress, glucose and lipid metabolism, coagulation and inflammation system. Methods- Eighty AMI patients were included prospectively. Blood were collected between 24h and 48h from the pain (acute phase), and 3 months post AMI (chronic phase), with 12-h fasting. These parameters were analyzed: glucose, cortisol, norepinephrine, hemoglobin glycated (HbA1c), insulin, minimally modified electronegative LDL, free fatty acids (FFA), adiponectin, factor VII coagulant, fibrinogen, plasminogen activator inhibitor-1, high sensitive C reaction protein (hsCRP), total cholesterol (c) and fractions and triglyceride. The relationships between glucose and continuous variables were assessed by Pearsons correlation coefficient (r) and multivariate analysis with linear regression. Results- At acute phase, glucose correlated significantly with HbA1c (r=0.75, p<0.001), insulin (r=0.25, p<0.001), FFA (r=0.3, p=0.01), adiponectin (r=-0.22, p=0.05), LDL-c (r=-0.25, p=0.03), VLDL-c (r=0.24, p=0.03) and triglyceride (r=0.27, p=0.01). In a multivariate model, variables correlated were: HbA1c (p<0.001), insulin (p<0.001), and FFA (p=0.013). At the chronic phase, glucose correlated significantly with cortisol (r=0.31, p=0.01), norepinephrine (r=0.54, p<0.001), HbA1c (r=0.78, p<0.001) and hsCRP (r=0.46, p<0,001). By multivariable analysis, only HbA1c (p<0.001) and norepinephrine (p<0.001) remained correlated. Conclusion- HbA1c was the main variable that correlated significantly and independently with glycemia at acute and chronic phases, suggesting that HG during AMI can represent an exacerbation of abnormal glucose metabolism previously not diagnosed.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
RenataTLadeira.pdf (1.48 Mbytes)
Data de Publicação
2009-06-29
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.