• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.5.2009.tde-24092009-171538
Documento
Autor
Nome completo
André Andrade de Aguiar
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2009
Orientador
Banca examinadora
Grinberg, Max (Presidente)
Caramelli, Bruno
Niccoli Filho, Walter Domingos
Rodrigues, Jose Roberto
Strabelli, Tânia Mara Varejão
Título em português
Avaliação da microbiota bucal em pacientes sob uso crônico de penicilina G benzatina
Palavras-chave em português
Cardiopatia reumática
Endocardite bacteriana
Febre reumática
Penicilina G benzatina
Streptococci viridans
Resumo em português
A Febre Reumática, complicação tardia de uma infecção de orofaringe causada pelo Streptococcus pyogenes (estreptococo -hemolítico do grupo A de Lancefield), tem como conseqüência a Cardiopatia Reumática, explicada pelo mimetismo molecular entre proteínas cardíacas humanas e a associação de proteínas e carboidratos da membrana do S. pyogenes. A profilaxia secundária com a PGB 1.200.000 UI IM propõe-se a evitar novos surtos, sendo administrada em intervalos de vinte e um dias nos países com alto índice de estreptococcia. A lesão valvar predispõe à Endocardite Infecciosa, que resulta de bacteriemias causadas por focos infecciosos de origem bucal em cerca de 40% dos casos. Os Streptococcus Viridans constituem o grupo mais comumente encontrado nas Endocardites Infecciosas, em especial os Streptococcus sanguinis e Streptococcus oralis. O efeito do uso crônico da PGB não foi estudado com especificidade para essa microbiota. Assim, foi avaliada, qualitativa e quantitativamente, a microbiota bucal de 100 pacientes, aos 7 e 21 dias, após profilaxia secundária para a Febre Reumática com a PGB 1.200.000 UI IM e comparada com a de 100 pacientes portadores de doença arterial coronariana sem antecedentes de Febre Reumática. As espécies avaliadas foram divididas em S. sanguinis, S. oralis e outras espécies de Streptococcus Viridans Foram coletadas amostras de saliva pela mastigação de goma de parafina e transportadas em meio VMGA II S. As culturas foram semeadas em ágar Columbia CNA com 5% de sangue desfibrinado puro de carneiro com acréscimo de penicilina G. e incubadas a 35ºC em estufa de CO2 por 72 horas. As colônias sugestivas de Streptococcus foram submetidas a testes bioquímicos para confirmação de gênero e espécie. A concentração inibitória mínima foi determinada pelo método Etest e interpretada segundo os padrões do Clinical and Laboratory Standards Institute. Não houve diferença quanto à presença do S. sanguinis nos grupos estudados (P=0,40). O S. oralis prevaleceu aos 7 dias de PGB em relação ao grupo controle (P=0,01). Quanto à identificação de outras espécies, houve maior número de cepas nos pacientes do grupo controle quando comparados aos do grupo de estudo aos 7 e 21 dias de PGB (P<0,001). Os números de UFC/ml de S. sanguinis, S. oralis e de outras espécies foram comparados entre os grupos e não houve diferença entre eles (P=0,96; P=0,60 e P=0,77; respectivamente). Quanto às CIM do S. sanguinis e do S. oralis, não houve diferença entre os grupos (P=0,79 e P=0,13; respectivamente). Todos os testes estatísticos foram realizados em um nível de significância de 5%. Concluiu-se que o S. oralis prevaleceu aos 7 dias de PGB 1.200.000 UI IM; os Streptococcus Viridans de outras espécies prevaleceram no grupo controle; o número de UFC/mL de saliva não diferiu nos grupos estudados, a susceptibilidade dos S. sanguinis e S. oralis à penicilina G não foi alterada pela ação da PGB 1.200.000 UI IM a cada 21 dias e, por fim, a PGB não provocou reações de hipersensibilidade em nenhum paciente do estudo
Título em inglês
Evaluation of oral microbiota in patients on chronic use of benzathine penicillin
Palavras-chave em inglês
Endocarditis bacterial
Penicillin G benzathine
Rheumatic fever
Rheumatic heart disease
Viridans streptococci
Resumo em inglês
Rheumatic fever is the result of a Streptococcus pyogenes (group A -hemolytic Streptococcus) infection of the upper respiratory tract. Rheumatic heart disease is a rheumatic fever consequence and is elucidated by the molecular mimicry between human cardiac proteins and group A streptococcal proteins and carbohydrates association. The secondary prophylaxis with 1,200,000 U BPG every three weeks is used for prevention of recurrent rheumatic fever in developing countries. Valvar defects are a risk for infective endocarditis which is resulted of bacteriemia caused for oral infectious focuses in 40% of cases. Viridans streptococci are the predominant group recovered in infective endocarditis, specially Streptococcus sanguinis and Streptococcus oralis. The effect of chronic BPG wasnt studied with specificity to these pathogens yet. Therefore, the oral microbiota was evaluated, qualitatively and quantitatively, at 7 and 21 days after secondary prophylaxis with BPG to rheumatic fever (study group), in a hundred patients and in comparison to another hundred patients with coronary heart disease who never acquired rheumatic fever (control group). The species evaluated were divided in S. sanguinis, S. oralis and another Streptococcus species. It was collected samples of chewing-stimulated saliva (1ml) and transported in VMGA II S medium. The samples were cultured in pure and with penicillin G 5% sheep blood Columbia ágar (CNA), incubated for 72 hours in an atmosphere containing 5% CO2 at 35ºC. The strains that were suggestive to Streptococcus were identified by biochemical tests to confirm bacteria species and genus. Minimal inhibitory concentration was determined by Etest method and interpreted in accordance to Clinical and Laboratory Standards Institute. The results showed that there was no difference in S. sanguinis presence in all groups (P=0.40). S. oralis prevailed in 7 days BPG group in comparison to control group (P=0.01). The control group showed the highest number of others species in comparison to 7 and 21 days BPG (P<0.001). CFU/ml numbers of S. sanguinis, S. oralis and other species strains were compared in 7 and 21 days BPG to control group and there was no difference among themselves (P=0.96, P=0.60 and P=0.77; respectively). There was no difference in S. sanguinis and S. oralis MICs among the study and control groups (P=0.79 and P=0.13). All statistic tests were done at 5% significance level. It was concluded that S. oralis prevailed in 7 days BPG group in comparison to control group; other species of Viridans streptococci prevailed in control group. The number of CFU/mL did not differ in both studied groups; the penicillin susceptibility of S. sanguinis and S. oralis did not change by BPG every three weeks and, by the end, it was not observed hypersensitivity reactions to penicillin in neither of the patients of this study
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
AndreAAguiar.pdf (1.28 Mbytes)
Data de Publicação
2009-10-05
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.