• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
Documento
Autor
Nome completo
Everton Padilha Gomes
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Gowdak, Luís Henrique Wolff (Presidente)
Benseñor, Isabela Judith Martins
Molina, Maria Del Carmen Bisi
Santos Filho, Raul Dias dos
Silva, Natália Cristina de Oliveira Vargas e
Título em português
Análise da Associação entre Vegetarianismo e aterosclerose subclínica em população adulta no Estado de São Paulo
Palavras-chave em português
Aterosclerose
Comportamento alimentar
Dieta vegetariana
Doença das coronárias
Doenças cardiovasculares
Epidemiologia
Fatores de risco
Resumo em português
Introdução: Vários trabalhos prévios demonstraram o efeito protetor da dieta vegetariana na prevalência de DCV (doenças cardiovasculares). Entretanto ainda restam questionamentos sobre a reprodutibilidade desses estudos em grupos populacionais de países em desenvolvimento e de outros que relacionem diretamente dieta neste grupo com o uso de escore de cálcio coronário. Objetivos: 1) Analisar a relação entre dieta vegetariana e aterosclerose subclínica em uma população etnicamente diversa. 2) Observar a relação entre dieta vegetariana e o escore de cálcio coronário 3) Analisar outros fatores clínicos, laboratoriais, e de imagem na prevalência de aterosclerose subclínica. Métodos: Participantes foram incluídos consecutivamente entre março de 2013 e agosto de 2016, no Hospital Universitário da USP, adventistas do sétimo dia, entre 35 e 74 anos, residentes no estado de São Paulo. Realizada entrevista clínica, exames laboratoriais, determinação de variáveis nutricionais e exames de imagem e cardiológicos como escore de cálcio coronário, medida da íntima de carótida e bordo hepático e velocidade de onda de pulso. O padrão dietético foi avaliado através de questionário de frequência alimentar (QFA) validado para a dieta brasileira, com base em medidas e períodos padronizados. Resultados: Os 1404 participantes incluídos foram divididos em 3 grupos: 548 onívoros, 617 ovo-lacto-vegetarianos e 239 vegetarianos estritos. Não houve diferenças nos grupos em relação à idade, raça ou sexo. Foram observadas diferenças estatisticamente significativas entre os grupos onívoro, ovo-lactovegetariano, e vegetariano estrito favoráveis ao vegetarianismo em suas formas para várias medidas antropométricas (peso, índice de massa corporal, frequência cardíaca em repouso, pressão arterial sistólica, pressão arterial diastólica, percentual de gordura abdominal e circunferência abdominal), índice de gordura abdominal e membros, e à bioimpedância. Houveram diferenças significativas entre os grupos para fatores laboratoriais associados a aterosclerose subclínica (hemoglobina glicada, sódio urinário de 12h, cálcio urinário de 12h, creatinina sérica, alanina transaminase, gama GT, ácido úrico, colesterol total, LDL colesterol, não HDL colesterol, triglicérides, glicemia de jejum e após 2h de carga glicêmica, insulinemia de jejum e 2h após carga glicêmica, proteína C reativa ultrassensível, fósforo urinário e dosagem de 25-OH-Vitamina D). Dos exames complementares, foram observadas diferenças favoráveis aos grupos vegetarianos na ultrassonografia para espessura de íntima de carótidas, e do bordo hepático, Velocidade de Onda de Pulso (PWV) e Escore de Cálcio Coronário (CAC). Conclusão: No grupo estudado observou-se que a dieta vegetariana, dentro de suas variantes (vegetariana estrita e ovo-lacto-vegetariana) conferiram um menor risco cardiovascular associado a marcadores de aterosclerose subclínica dentro de uma população adulta na faixa de 35-74 anos residentes no estado de São Paulo
Título em inglês
Analysis of the association between vegetarianism and subclinical atherosclerosis in adult population in the State of São Paulo
Palavras-chave em inglês
Atherosclerosis
Cardiovascular diseases
Coronary disease
Diet vegetarian
Epidemiology
Feeding behavior
Risk factors
Resumo em inglês
Introduction: Previous studies have demonstrated the protective effect of the vegetarian diet on the prevalence of CVD (cardiovascular diseases). However, there are still questions about the reproducibility of these studies in populations from developing countries or regarding the association of diet and the coronary calcium score. Objectives: 1) To analyze the relationship between vegetarian diet and subclinical atherosclerosis in an ethnically diverse population from Brazil. 2) To describe the relationship between a vegetarian diet and coronary calcium score. 3) To analyze the association between diet and other clinical, laboratory, and imaging variables associated with the prevalence of subclinical atherosclerosis. Methods: Participants were consecutively included between March 2013 and August 2016 at the University Hospital of the University of Sao Paulo, seventhday adventists, aged 35-74 years, living in the state of São Paulo. Clinical interview, laboratory tests, determination of nutritional variables and imaging and cardiological exams such as coronary calcium score, measurement of the carotid intima and hepatic border, and pulse wave velocity were performed. The dietary pattern was evaluated through a validated food frequency questionnaire (FFQ) for the Brazilian diet, based on standardized measures and periods. Results: The 1,404 participants included were divided into 3 groups: 548 omnivores, 617 ovo-lacto-vegetarian and 239 strict vegetarians. There were no differences in the groups in relation to age, race and gender. Statistically significant differences were observed between the omnivore, ovo-lactovegetarian, and strict vegetarian groups favoring vegetarianism in their forms for various anthropometric measures (weight, body mass index, resting heart rate, systolic blood pressure, diastolic blood pressure, percentage of abdominal fat and abdominal circumference), abdominal fat index and limbs. There were significant differences between groups for laboratory factors associated with subclinical atherosclerosis (glycated hemoglobin, 12h urinary sodium, 12h urinary calcium, serum creatinine, alanine transaminase, GT range, uric acid, total cholesterol, LDL cholesterol , non-HDL cholesterol, triglycerides, fasting glycemia and insulinemia and after 2h of glycemic load, ultra-sensitive C-reactive protein, urinary phosphorus and 25-OH-Vitamin D dosage). From the complementary examinations, favorable differences were observed in the vegetarian groups on carotid and hepatic border ultrasound, pulse wave velocity (PWV) and Coronary Calcium Score (CAC). Conclusion: In the studied groups, it was observed that vegetarian diet, within its variants (strict vegetarian and ovo-lacto-vegetarian), was associated with a reduced odds of subclinical atherosclerosis and its risk markers within an adult population in the 35-74 age group living in the state of São Paulo, Brazil
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2019-07-01
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.