• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.48.2007.tde-25072007-164949
Documento
Autor
Nome completo
Lilian Piorkowsky dos Santos
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2007
Orientador
Banca examinadora
Carvalho, Marilia Pinto de (Presidente)
Esposito, Marilia Pontes
Moreira, Maria de Fátima Salum
Título em português
Garotas indisciplinadas numa escola de ensino médio: um estudo sob o enfoque de gênero
Palavras-chave em português
Ensino Médio
Escola
Gênero
Indisciplina
Resumo em português
Esta pesquisa teve por objetivo compreender os significados da indisciplina escolar e das punições dela decorrentes sob a perspectiva de alunas consideradas indisciplinadas pelo(a)s profissionais, em uma escola pública de Ensino Médio do município de São Paulo. O estudo utilizou metodologia qualitativa e os seguintes instrumentos de pesquisa: análise dos documentos da escola, observações nos diferentes espaços escolares, entrevistas semiestruturadas com diversos profissionais da escola e com jovens. Partiu-se do pressuposto de que as muitas e distintas formas de disciplinamento eram uma das maneiras pelas quais a escola participava da construção das relações de gênero, ao mesmo tempo em que as relações de gênero eram constitutivas das concepções de disciplina e indisciplina ali dominantes. Como resultado, podemos apontar que havia uma multiplicidade de compreensões sobre a indisciplina escolar e sobre as regras que tinham validade efetiva: foi possível notar a presença de percepções diferenciadas entre educadores(as) e jovens no que tange à definição de quem seria indisciplinado ou não; as moças consideradas pelos profissionais como indisciplinadas nem sempre se viam dessa forma. Além disso, ao mesmo tempo em que os sujeitos naturalizavam os comportamentos atribuídos a rapazes e moças, estudantes e profissionais da escola também abordavam e avaliavam esses comportamentos de formas mais flexíveis e múltiplas, além de perceberem mudanças, procurando entendê-las. De forma específica, as jovens alunas apresentavam sentimentos ambíguos, marcados tanto pela percepção da escola como uma "prisão", como pela impressão de se sentirem mais livres na escola do que em casa. No último capítulo, as análises centraram-se nas percepções de injustiça das alunas consideradas indisciplinadas: havia tratamentos e punições diferenciados para elas e para os rapazes e também em relação a outras moças, em diferentes ambientes da escola, inclusive nas aulas de Educação Física. Esses tratamentos diferenciados ocorriam tanto pelo desconhecimento e confusão nas normas, como devido à visibilidade que adquiriam as moças tidas como indisciplinadas - já que não se adequavam a um modelo predominante de feminilidade aceito pelo(a)s profissionais e criavam diferentes formas de ser femininas na instituição escolar.
Título em inglês
Indisciplined girls in a highschool: a study under gender approach
Palavras-chave em inglês
Gender
High School
Indiscipline
School
Resumo em inglês
This research intended to comprehend both the meanings of indiscipline at school and the consequential punishments based on the students' perspective. It focuses on female students who were considered bad-behaved girls by the school staff, in a public high school in São Paulo. The study was based on a qualitative methodology and the following steps were taken: school documents analysis, observation of students in different places within the school, interviews with several school professionals and students. We believed that the many different ways of disciplining students at school worked as a form of building gender relations, while these gender relations were also part of the dominant conceptions of discipline and indiscipline. As a result, we found that there were multiple meanings of school indiscipline and of the rules that worked effectively: we could notice that teachers and students had different perceptions about the meaning of being badbehaved; girls who where considered bad-behaved were unlikely to define themselves the same way. Moreover, students and staff tended to consider boys' and girls' behaviors as natural attributions. However, they were also able to: evaluate these behaviors in more flexible and multiple ways, notice changes and try to understand them. Additionally, girls expressed ambiguous feelings about school, perceiving it as both a "prison" and a place where they were freer than at home. In the last chapter, the analyses were focused in the bad-behaved girls' perception of injustice: bad-behaved boys and girls received different punishments and were treated differently among themselves and also in relation to other girls, in different places within the school, even during Physical Education classes. These different treatments happened due to lack of knowledge and precise laws as well as to the attention bad-behaved girls would catch - not only did they not fit to the dominant female pattern accepted by the school professionals, but they also created different forms of being feminine at school.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
1partedoAnexoA.pdf (4.58 Kbytes)
1partedoAnexoC.pdf (5.13 Kbytes)
2partedoAnexoA.pdf (4.65 Kbytes)
2partedoAnexoC.pdf (4.84 Kbytes)
AnexoB.pdf (4.65 Kbytes)
AnexoD.pdf (4.13 Kbytes)
AnexoE.pdf (5.85 Kbytes)
AnexoF.pdf (17.11 Kbytes)
AnexoG.pdf (6.69 Kbytes)
DissertacaoLilian.pdf (702.88 Kbytes)
Data de Publicação
2007-07-26
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.