• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.48.2015.tde-18122015-093137
Documento
Autor
Nome completo
Vanessa Cardoso Cezário
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Voltolini, Rinaldo (Presidente)
Bernardino, Leda Mariza Fischer
Lajonquière, Leandro de
Título em português
A autoridade na família democrática: crianças, "sujeitos políticos"?
Palavras-chave em português
Autoridade
Contemporaneidade
Democracia
Educação
Família
Psicanálise
Resumo em português
Este trabalho trata das transformações que permitiram a família assumir uma configuração democrática e as consequências para a autoridade dos pais com os filhos. O conceito de social arendtiano define, em vários níveis, os fundamentos dessas mudanças, assim como a época que chamamos de contemporaneidade para fazer referência, principalmente, à segunda metade do século XX. Essa família, mais privada na conjugalidade e mais pública na parentalidade, embora de certa forma desvinculada das instituições que antes a definia, pretende funcionar como uma pequena democracia e a autoridade dos pais não é mais um aspecto evidente da educação. A partir desse contexto lançamos as seguintes questões: Quais podem ser as consequências para a educação quando um conceito do âmbito político e público é transportado para o privado? O que muda no laço de filiação quando a autoridade é preterida em favor de uma suposta igualdade ou democracia? As crianças podem sustentar uma posição política, ainda que no privado? A nossa hipótese é que a ideia de igualdade, presente sob várias formas entre os adultos, estendeu-se para as relações de filiação, e, em seu viés mais radical, desconsiderou a especificidade da educação causando dificuldades nessa área. Nosso objetivo foi verificar como as transformações das esferas pública e privada interferiram na dinâmica familiar, caracterizar a família democrática e demonstrar que a autoridade não tem somente o viés negativo que se quer combater na educação atual. Concluímos que, embora atualmente as crianças sejam sujeitos de direitos e a família funcione como uma pequena democracia, elas não são sujeitos políticos. Em sua perspectiva infantil, as crianças não têm condições de sustentar a ação e o discurso em seu nome como membro da polis. Diante delas, ainda é preciso que o adulto tenha a posição de autoridade que não cabe à política.
Título em inglês
Authority in the democratic family: children, political subjects?
Palavras-chave em inglês
Authority
Contemporaneity
Democracy
Education
Family
Psychoanalysis
Resumo em inglês
This article discusses the transformations that allowed the modern family to assume a democratic setting and the consequences for the parental authority from parents to the children. The arendtian concept of social defines, in several levels, the foundations of these changes, as well as the time we call contemporaneity, to refer, mainly, to the second half of the 20th century. This kind of family, private in conjugality and public in parenting, although detached from institutions that defined it before, intends to function like a small democracy and the parental authority is no longer more an evident aspect in education. Based on this context we asked the following questions: which may be the consequences for education when a concept of the political and public scope is transported to a private scope? What changes in the affiliation bond when authority is deprecated in favor of a supposed equality or democracy? Can children support a political view, even in private life? Our hypothesis is that the idea of equality is extended to the filiation bonds, and in its most radical side, disregards the specificity of the education causing difficulties in this area. Our objective was to verify how transformations in the public and private spheres interfere at the familiar dynamics, characterize the democratic family and demonstrate that authority doesnt have only the negative bias that many people want to fight against. Wed concluded that, although in nowadays kids are holders of rights and that family works as a small democracy, they are not political subject. Under their infant perspective, children are unable to sustain the action and the speech on their behalf as a member of the polis. Before them, it is still necessary that an adult person has the authority position that does not belongs to politics.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-12-22
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.