• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.48.2015.tde-14092015-142810
Documento
Autor
Nome completo
Graciela da Silva Oliveira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Bizzo, Nelio Marco Vincenzo (Presidente)
Cuvi, José Nicólas
Moreira, Ildeu de Castro
Prestes, Maria Elice de Brzezinski
Tidon, Rosana
Título em português
Estudantes e a evolução biológica: conhecimento e aceitação no Brasil e Itália
Palavras-chave em português
Aceitação
Conhecimento
Ensino médio
Evolução biológica
Resumo em português
As salas de aula reúnem uma multiplicidade de subgrupos, uma vez que estudantes e professores, sejam quais forem suas origens, trazem para a escola uma visão de mundo produzida mediante o contato com suas interações sociais e culturais. Estas, por sua vez, podem de alguma maneira influenciar a aprendizagem ou as atitudes e os valores atribuídos à ciência. Nesse sentido, o presente estudo tem como enfoque ampliar e aprofundar discussões sobre as opiniões dos jovens brasileiros acerca da teoria da evolução biológica, bem como caracterizar possíveis relações entre o conhecimento e a aceitação dos estudantes sobre a teoria evolutiva, em particular a evolução humana, com aspectos socioculturais e com a ciência. Além da pesquisa desenvolvida no Brasil, o mesmo conjunto de itens foi aplicado no contexto italiano. Mais do que um estudo comparativo, da construção de valores atribuídos à ciência por jovens, oriundos de contextos socioculturais distintos, vislumbrou-se como esses diferentes contextos influenciam a construção de indicadores da percepção pública acerca de temas científicos. Participaram da pesquisa estudantes do Ensino Médio (amostras de representação nacional), matriculados em escolas de todas as regiões do Brasil e da Itália, e os dados foram coletados por meio de questionário elaborado em conjunto pelos pesquisadores dos dois países. As análises dos dados foram realizadas com auxílio do Software Statistical Package for Social Science (SPSS) Pacote Estatístico para as Ciências Sociais , versão 18.0. Os resultados encontrados no Brasil, estudados, detalhados e analisados em maior profundidade, apontam que os termos conhecimento e aceitação apresentam uma forma muito próxima e inter-relacionada. Além disso, de maneira geral, diante das afirmações do questionário, os estudantes pareceram avaliar a validade das informações, influenciados por suas experiências socioculturais e com a ciência. Para determinar as variações dentro dos diferentes grupos de estudantes brasileiros, analisaram-se as relações entre as suas respostas e as seguintes variáveis: sexo, idade, região do país em que reside, aspectos socioeconômicos, religião (grupos religiosos e proximidade com a religião) e ciência (atitudes em relação à ciência escolar e busca de experiências com a ciência fora da escola). Tanto o conhecimento de tópicos evolutivos como as opiniões sobre a origem do homem foram influenciados pelas variáveis testadas. Contudo, cada conjunto de relações aconteceu de maneira diversificada, o que evidencia que algumas variáveis influenciaram as respostas dos estudantes, em menor ou maior intensidade, conforme o contexto estudado. O estudo comparativo dos dados encontrados no Brasil e na Itália sugere que estudantes italianos apresentam maior conhecimento sobre a teoria evolutiva, reconhecendo a validade de uma maior variedade de temas relacionados à teoria e à evolução humana. Os resultados italianos apontam para a intervenção de ideias teístas nas opiniões dos jovens, enquanto que, para os brasileiros, é possível verificar algumas lacunas conceituais acerca da teoria evolutiva, o que possibilita mais interferências de ideias culturais nos posicionamentos sobre fenômenos da natureza ou sua própria origem.
Título em inglês
Students and biological evolution: knowledge and acceptance in Brazil and Italy
Palavras-chave em inglês
Acceptance
Biological evolution
High school
Knowledge
Resumo em inglês
Classrooms are places where multiple subgroups such as students and teachers get together; each of these subgroups have different origins and bring to school their world views that are constructed based on their social and cultural contact and interactions, which in turn, somehow can influence learning or the attitudes and values given to science. From this perspective, the present study attempts to raise the level and deepen the discussions about the opinions of Brazilian teenagers about the theory of biological evolution as well as characterize possible relations between knowledge and acceptance of students about the evolutionary theory, in particular, human evolution and sociocultural aspects and science. In addition to the research carried out in Brazil, the same set of items have been analyzed and interpreted in the Italian context. More than a comparative study and of the construction of values attributed to science by young adults from diverse sociocultural contexts, the study investigated how these different contexts influence the construction of public perception about scientific themes. In the Brazilian sample, high school students enrolled in schools from all Brazilian regions participated of the study and students from all regions of Italy. The data was obtained by means of questionnaires elaborated by researchers from both countries. The data analysis was done with the aid of SPSS (Statistical Package for Social Science) software version 18.0. In Brazil the results which were studied, detailed and analyzed in great depth point out that the terms knowledge and acceptance are very close and interrelated. In addition to this, based on the answers given in the questionnaire, it seems that in general students assess the validity of information influenced by their sociocultural experiences as well as by science. In order to determine the variations in the different groups of Brazilian students, the relation between their answers and the following variables were analyzed: sex, age, place of residence in the country, socioeconomic aspects, religion (religious groups and proximity with religions) in addition to science (attitudes in relation to school science and the search of experiences outside the school). Knowledge about evolutionary topics as well as the opinions about the origin of men have been influenced by the variables tested. Nonetheless, each set of relations occurred in a different way, a fact that highlights that some variables influenced students´ answers more or less according to the context studied. The comparative study of the data in Brazil and in Italy suggests that Italian students present a broader knowledge of the evolutionary theory, recognizing the validity of a bigger variety of themes related to the theory and to human evolution. The results of the Italian sample point to an intervention of theist ideas in students opinions, whereas concerning Brazilian students, it is possible to notice some conceptual gaps about the evolutionary theory, which allows for more interference of cultural ideas in their position about natural phenomena or about their own origin.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-11-10
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.