• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.47.2018.tde-14112018-184832
Documento
Autor
Nome completo
Clélia Rosane dos Santos Prestes
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Paiva, Vera Silvia Facciolla (Presidente)
Franca Junior, Ivan
Santos, Gislene Aparecida dos
Silva, Cristiane Gonçalves da
Smith, Christen Anne
Título em português
Estratégias de promoção da saúde de mulheres negras: interseccionalidade e bem viver
Palavras-chave em português
Feminismo negro
Mulheres
Promoção de saúde
Psicologia social (aspectos psicossociais)
Relações raciais
Resumo em português
Nosso objetivo foi descrever estratégias de promoção da saúde de mulheres negras, voltadas à potencialização de resiliência, agência, emancipação, autonomia ou empoderamento, e avaliar especificidades e complementaridades entre as reconhecidas no campo científico e as reconhecidas no campo do movimento negro e de mulheres negras. O texto tem início com uma apresentação, onde informamos meu percurso como pesquisadora, psicóloga e mulher negra, a maturação do tema e problema de pesquisa e o conteúdo de cada um dos capítulos. Na introdução, desenvolvemos uma reflexão teórica sobre (1) relações raciais e de gênero pelo prisma da psicologia, (2) promoção de saúde pela abordagem psicossocial e (3) saúde pela perspectiva de mulheres negras. No percurso metodológico, incluímos os procedimentos de descrição e avaliação, de acordo com os objetivos. A interseccionalidade justificou e orientou o resgate de diferentes fontes de conhecimento. Para a descrição, adotamos duas técnicas, que seguiram o mesmo roteiro semiestruturado. Para a coleta das experiências reconhecidas no campo científico, fizemos uma revisão sistemática de escopo. Foram incluídos 14 artigos publicados em revistas científicas, após análise e seleção dos 829 disponíveis nos bancos de dados adotados (ASSIA, BVS, ERIC, LILACS, MEDLINE, Psynet, Sociological Abstracts e Web of Science). Para a coleta de experiências reconhecidas no campo do movimento negro e de mulheres negras, realizamos entrevistas com 6 informanteschave, selecionadxs por suas experiências na realização de estratégias reconhecidas nesse campo. São integrantes desses movimentos, membros de práticas tradicionais de comunidades negras ou psicólogxs. Para o procedimento de avaliação dos resultados descritos, utilizamos a técnica de análise de conteúdo, organizada em categorias que discutem (1) os referenciais (epistemológicos, teóricos, técnicos, políticos) e os modos de fazer, (2) os pontos altos das estratégias e (3) o lugar das mulheres negras nas mesmas. A discussão foi orientada por uma abordagem psicossocial da saúde em diálogo com uma perspectiva feminista negra. Nas considerações finais, defendemos a tese de que a promoção da saúde de mulheres negras, pela perspectiva dos direitos humanos e do feminismo negro, demanda o uso da interseccionalidade como método de análise e de ação, orientada no sentido do bem viver. Ao pensarmos a interseccionalidade com foco para a saúde e o bem viver, a ferramenta analítica que, geralmente, é utilizada para a análise de eixos de opressão, foi adotada como referencial também para analisar eixos de potência. A interseccionalidade, como ferramenta de análise, permitiu-nos dispor da complexa concepção de que a saúde de mulheres negras tem relação direta com uma multidimensionalidade de forças, a partir de sua raça, gênero, classe, território, orientação sexual, geração, capacidades físicas e mentais, entre outros. Ainda como categoria analítica, a interseccionalidade e a noção de bem viver contribuíram para sofisticarmos a compreensão da saúde, concebendo-a como o equilíbrio harmonioso entre demandas e recursos, na encruzilhada entre aspectos pessoais (orgânicos, psíquicos, energéticos, interpessoais, entre outros), coletivos, sociais, ecológicos e espirituais, no sentido de uma saúde integral. Como método de intervenção, a interseccionalidade orienta para uma estratégia de promoção da saúde formada por uma encruzilhada onde se conectam diferentes fontes de conhecimento (como o campo científico, o campo do movimento negro e de mulheres negras, entre outros), com especial consideração pelas experiências pessoais e coletivas
Título em inglês
Strategies to promote the health of black women: intersectionality and well being
Palavras-chave em inglês
Black feminism
Health promotion
Racial relations
Social psychology (psychosocial aspects)
Women
Resumo em inglês
Our objective was to describe strategies to promote the health of black women, aimed at strengthening resilience, agency, emancipation, autonomy or empowerment, and to evaluate specificities and complementarities between those recognized in the scientific field and those recognized in the field of black and black women movement. The text begins with a presentation, where are described my path as a researcher, psychologist and black woman, the maturation of the theme and research problem and the content of each of the chapters. In the introduction, we develop a theoretical reflection on (1) racial and gender relations from the prism of psychology, (2) health promotion through the psychosocial approach and (3) health from the perspective of black women. In the methodology pathway, we include description and assessment, according to the objectives. Intersectionality justified and guided the search within different sources of knowledge. For the description, we adopted two research techniques, which followed the same themes and semi structured questions. To collect the recognized experiences in the scientific field we conducted a scope review. We included 14 articles published in scientific journals, after analyzing and selecting the 829 available in the adopted databases (ASSIA, VHL, ERIC, LILACS, MEDLINE, Psynet, Sociological Abstracts and Web of Science). To gather experiences about strategies recognized in the field of black and black women movement, we interviewed members of this field, members of traditional practices of black communities or psychologists. To assess specificities and complementarities of the data collected we use the technique of content analysis, organized into these categories (1) the references (epistemological, theoretical, technical, political) and ways of doing, (2) high points and (3) the position of black women in them. The discussion was guided by a psychosocial approach to health in dialogue with a black feminist perspective. In the final considerations, we defend the thesis that the promotion of the health of black women, from the perspective of human rights and black feminism, demands the use of intersectionality as a method of analysis and action, oriented towards the well being. Thinking of intersectionality focusing on health and well being, the analytical tool that is generally used for the analysis of oppression axes was also adopted as a reference for analyzing power axes. Intersectionality, as a mode of analysis, allowed us a more complex aproach to the health of black women directly related to a multidimensionality of forces, based on their race, gender, class, territory, sexual orientation, generation, physical and mental abilities, among others. Still as an analytical category, intersectionality and the notion of well being may enhance the understanding of health, conceiving it as the harmonious balance between demands and resources, at the crossroads between personal aspects (organic, psychic, energetic, interpersonal, among others), collective, social, ecological and spiritual, in the sense of integral health. As a method of interventions, intersectionality leads to a health promotion strategy formed by a crossroads where different sources of knowledge (such as the scientific field, the field of black and black women movement, among others) are connected, with special consideration of personal and collective experiences
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
prestes_corrigida.pdf (2.47 Mbytes)
Data de Publicação
2018-11-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.