• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.47.2012.tde-04102012-163223
Documento
Autor
Nome completo
Carla Alessandra Barbosa Goncalves
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2012
Orientador
Banca examinadora
Antúnez, Andrés Eduardo Aguirre (Presidente)
Barretto, Kleber Duarte
Kupermann, Daniel
Título em português
A contratransferência na clínica contemporânea: abertura para o inédito
Palavras-chave em português
Acompanhamento terapêutico
Contratransferência
Psicanálise
Saúde mental
Resumo em português
Este estudo investiga experiências clínicas da pesquisadora em diferentes modalidades de atendimento: clínica privada, clínica em instituições de saúde mental e no acompanhamento terapêutico. O contato com pacientes difíceis levaram a pesquisadora a identificar que a contratransferência é um instrumental clínico privilegiado para compreender e intervir com esses pacientes. O objetivo deste trabalho é problematizar a contratransferência nas diversas atividades clínicas. Freud, Heimann, Ferenczi e Winnicott são discutidos em companhia de psicanalistas brasileiros Barretto, Gondar, Kupermann e Safra que debatem a contratransferência no psicanalisar da atualidade. Foram reproduzidos recortes clínicos da literatura científica e apresentadas vinhetas clínicas dos atendimentos realizados pela pesquisadora, com o intuito de examinar o uso da contratransferência na contemporaneidade. Para Freud, a contratransferência era um obstáculo à análise; para Heimann, os afetos do analista eram reativos e indicavam uma compreensão da transferência em jogo; Ferenczi abarcou os afetos do analista como possibilidade de comunicação inconsciente e um recurso interventivo, formulando as noções de tato e empatia; Winnicott também defendia a positividade dos afetos do terapeuta, instrumentalizando o uso da contratransferência e do manejo clínico e fundamentando o processo analítico no espaço transicional, o que permitiu criatividade e ineditismo no processo terapêutico. Conclui-se que a possibilidade do terapeuta utilizar a contratransferência como recurso favoreceu o tratamento de pacientes difíceis na clínica privada, nas instituições e no acompanhamento terapêutico. A contratransferência implica transformações técnicas, teóricas e éticas, bem como articula-se ao campo estético, pois amplia a possibilidade de comunicação e compreensão ao levar em conta os recursos afetivos do terapeuta nos cuidados dos pacientes difíceis
Título em inglês
Countertransference in contemporary clinic: opening to the originality
Palavras-chave em inglês
Countertransference
Mental health
Psychoanalysis
Therapeutic accompaniment
Resumo em inglês
This study investigates the researcher's clinical experiences in different modes of treatment: private clinic, clinical mental health institutions and in the therapeutic accompaniment. The contact with hard cases patients led the researcher to identify that countertransference is a privileged clinical instrument for understanding and intervening with these patients. The objective of this work is to complexify the countertransference in multiple clinical activities. Freud, Heimann, Ferenczi and Winnicott are discussed in the company of Brazilian psychoanalysts - Barretto, Gondar, Kupermann and Safra - debating countertransference in the present psychoanalysis practice. It was reproduced excerpts from scientific literature and clinical vignettes provided by the researcher from their treatment in order to examine the use of countertransference in contemporary times. For Freud, countertransference was an obstacle to the analysis; for Heimann, the emotions of the analyst were reactive and showed an understanding of the transference in the analitic process; Ferenczi embraced the affections of the analyst as the possibility of unconscious communication and an intervening resource by establishing the notion of tact and empathy; Winnicott also supported the positivity of the affects from the therapist, providing tools for the use of the countertransference and the clinical management, grounding the analytic process in the transitional space, which allowed the creativity and originality in the therapeutic process. It was concluded that the possibility of to use the countertransference buy the therapist as a resource contributed the treatment of hard cases patients in private clinics, institutions and therapeutic accompaniment. The countertransference involves technical theoretical and ethical changes and articulates the aesthetic field, because it enhances the possibility of communication and understanding considering the emotional resources of the therapist in the care of hard cases patients
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
goncalves_mestrado.pdf (411.45 Kbytes)
Data de Publicação
2012-10-10
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.