• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.47.2014.tde-05032015-115420
Documento
Autor
Nome completo
Maria Manuela Assunção Moreno
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2014
Orientador
Banca examinadora
Coelho Junior, Nelson Ernesto (Presidente)
Alves, Mara Lurdes Dias Caffe
Figueiredo, Luiz Claudio Mendonca
Minerbo, Marion
Souza, Octavio Almeida de
Título em português
Trauma precoce e ligações psíquicas, um estudo psicanalítico
Palavras-chave em português
Cisão psíquica
Ligações estruturais
Psicanálise
Símbolo
Trauma emocional
Resumo em português
A presente tese se configura como uma interrogação à teoria psicanalítica acerca das ressonâncias do traumatismo precoce e das defesas por ele suscitadas no processo de simbolização primária, especialmente nas ligações psíquicas decorrentes e na construção de sentido inconsciente. Os conceitos de trauma precoce e simbolização primária se entrelaçam na trama complexa da constituição psíquica, que se suplementa, em tensão paradoxal, entre os pólos intersubjetivo e intrapsíquico. As discussões se articulam entre as proposições inaugurais de Freud e Ferenczi e seus desdobramentos na teoria psicanalítica pós-freudiana, particularmente nas obras de Donald Winnicott, André Green e René Roussillon. O primeiro eixo de discussão da tese enfoca a noção de simbolização primária em sua relação intrínseca com os processos de diferenciação psíquica entre os campos Eu/não-Eu e Isso-Eu, no tempo do narcisismo primário. Considero que a organização psíquica, tanto no nível do Eu como no das representações, constitui-se em simultaneidade ao processo de simbolização da alteridade (interna-externa). Problematizo a concepção de desamparo constituinte a partir do estudo dos efeitos da diferença na organização psíquica. Tenho por hipótese que a possibilidade interna de reconhecimento de diferenças depende de uma função de reconhecimento que é criada no espaço intersubjetivo a partir do investimento objetal. O modo como o objeto primário reconhece as experiências do infans e as reflete de volta, em uma experiência de compartilhamento de prazer, é constituinte de ligações psíquicas simbolizantes, necessárias para a instalação de um Eu diferenciado do que lhe exterior e da função de simbolização. As ligações simbolizantes remetem, assim, à construção de estruturas psíquicas terciárias que sustentam a associatividade psíquica. Associo o trauma precoce a uma falha objetal, em suas funções primárias de espelhamento, que se desdobra internamente em um sofrimento psíquico decorrente das perturbações nos processos de integração pulsional, de diferenciação psíquica e de internalização da função de simbolização. Outra hipótese da tese é que o sujeito se defenda da realidade traumática por meio de um conjunto de defesas, pautadas pela ação da pulsão de morte desintrincada (desligamento e cisão psíquica) que configuram um funcionamento transicional negativo segundo modalidades de ligação psíquica traumática. Tais ligações têm como objetivo impedir o (re)conhecimento da realidade traumática, condição de elaboração psíquica, ao interpor barreiras, por meio de mecanismos como a recusa e a alucinação negativa, entre os traços perceptivos do trauma e seu encadeamento em uma cadeia associativa significante. As articulações teóricas da pesquisa pretendem oferecer contribuições à metapsicologia dos processos psíquicos inaugurais, constitutivos e traumáticos, assim como subsídios ao pensamento clínico/psicopatológico em psicanálise
Título em inglês
Early trauma and psychic bindings, a psychoanalytic study
Palavras-chave em inglês
Emotional trauma
Psychic splitting
Psychoanalysis
Structural binding
Symbol
Resumo em inglês
The present work is designed as an interrogation to the psychoanalytic theory about the resonance of early trauma and the defenses caused by it during the primary symbolization process, specially on resulting psychic bindings and construction of unconscious sense. The concepts of early trauma and primary symbolization are interlinked in the psychic constitution, which is built through the tense, paradoxical and supplementary dynamics between intrapsychic and intersubjective poles. Discussions are made among inaugural propositions from Freud and Ferenczi and their consequences on the post-freudian psychoanalytic theory, particularly on the works of Donald Winnicott, André Green and René Roussillon. The first axis of the present discussion focuses on the notion of primary symbolization in its intrinsic relation with psychic differentiation processes between the fields I/not-I and Id-I, at the primary narcissism time. I consider that the psychic organization, not only at the level of I, but also at the level of representations, is constituted by simultaneousness to the alterity symbolization process (internal-external). I emphasize the problem on the conception of constituent helplessness from the study of the effects of difference in psychic organization. I hypothesize that the internal possibility of recognizing the differences depends on a recognition function that is created in the intersubjective space, from the objects investment. The way the primary object recognizes the infans experiences, and reflects them back, in an experience of sharing pleasure, constitutes the symbolizing psychic bindings, which are necessary for installing a differentiated I and the symbolization function. The symbolizing bindings reflect, therefore, the construction of tertiary psychic structures that support the psychic associativity. I associate the early trauma to a failure of the object on his primary mirror functions, which internally unfolds into a psychic suffering due to disturbances on the drives integration processes, of psychic differentiation and internalization of the symbolization function. Another hypothesis of the present thesis is that the subject fends off traumatic reality through several defenses, ruled by the action of desintricated death drive (disconnection and psychic splitting), which define a negative transitional function according to traumatic psychic binding modalities. Such bindings aim to avoid the recognition of traumatic reality, condition of psychic elaboration, by building barriers, through mechanisms such as disavowal and negative hallucination, between perceptive traces of trauma and its connection to a significant associative chain. Research theoretical articulations intend to offer contributions to the metapsycholgy of inaugural, constitutive and traumatic psychic processes, as well as subsides the clinical/psychopathological thought in psychoanalysis
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
moreno_corrigida.pdf (1.72 Mbytes)
Data de Liberação
2017-03-04
Data de Publicação
2015-03-05
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.