• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.47.2015.tde-29092015-172543
Documento
Autor
Nome completo
Paulo Emilio Pessoa Lustosa Cabral
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Loffredo, Ana Maria (Presidente)
Kupermann, Daniel
Saber, Tales Afonso Muxfeldt Ab'
Título em português
Ensaio sobre a preguiça
Palavras-chave em português
Fantasia
Polissemia
Preguiça
Psicanálise
Regressão
Resumo em português
O presente trabalho tem como objetivo a compreensão da temática polissêmica da preguiça a partir do referencial teórico da psicanálise. Com a articulação de algumas figuras específicas da preguiça a preguiça-tristeza, a preguiça-heroica e a preguiça-onírica busca-se identificar as relações e os elementos em comum desses fenômenos. Assim, nessa pesquisa confronta-se a preguiça com alguns temas que ajudam a compor o seu significado;a articulação dessa dinâmica em eixos específicos se constrói, ao mesmo tempo, sobre o fundo polissêmico da preguiça, de forma a compor o seu significado segundo as relações que podem ser verificadas da interação entre as figuras e o fundo. A preguiça-tristeza foi uma figura investigada em sua relação com o pecado capital do cristianismo denominado até pelo menos o século XIII como acídia e com a melancolia, tal como descrita na teoria freudiana. A preguiça-heroica, por sua vez, abre a articulação com o universo do trabalho e das utopias, na tentativa de mostrar a existência de uma noção de preguiça que não é avessa à criatividade e à vida, senão à servidão e ao trabalho forçado. Em ambas essas figuras, percebe-se a existência da repetição de dois elementos em comum na preguiça, identificados a partir do referencial teórico adotado, a saber, a fantasia e a regressão. No estudo desses recortes procura-se delimitar alguns conceitos psicanalíticos e a maneira que a psicanálise entende o desenvolvimento do sentido de realidade, de forma a tecer considerações metapsicológicas sobre o assunto. Nesse sentido, o estudo da fantasia e dos princípios do funcionamento psíquico se articulam com algumas considerações a respeito da noção de realidade e das maneiras pelas quais é possível alterá-la. Por último, observa-se a preguiça-onírica como a emergência do exagero cômico da ociosidade festiva, configurando-se como uma fantasia preguiçosa que só pode se formar em momentos de preguiça. Formulação esta, que, aproximada da articulação psicanalítica entre a necessidade do sono para a existência do sonho, possibilita a investigação a respeito do caráter regressivo da preguiça. Nesse último recorte, a regressão é discutida com um enfoque na sua aparição na clínica, no sentido de observar como a preguiça pode ser entendida e manejada nesse dispositivo. Apesar da tentativa de delimitação e do recorte do argumento, considerações pertinentes a uma figura ou eixo surgem nos demais e a forma ensaio é a tentativa de organizar, na forma de um texto, a variedade de significados que esse tema adquire
Título em inglês
Essay on laziness
Palavras-chave em inglês
Fantasy
Laziness
Polysemy
Psychoanalysis
Regression
Resumo em inglês
This work has the objective to understand the polysemy of laziness from the psychoanalytic theoretical framework. Through the observation and description of three specific figures of laziness sad-laziness, heroic-laziness and oniric-laziness are identified the common elements that are present in each of these forms, as well as the relations between them. Therefore, in the present work, the confrontation of laziness with other themes is essential to build its meaning. The articulation of this dynamic in specific axis is made over a more general comprehension of the polysemy of laziness, in order to compose its meaning according to the relations that can be verified from the interaction between the figures and the background. The sad-laziness is a figure investigated in relation with the capital sin of Christianity called until at least the end of the XIII centuryas acedia and with melancholy, as described by Freud. In turn, heroic-laziness opens the universe of articulation between laziness, work and utopia, in the attempt to demonstrate the existence of a certain sense of laziness that is not antagonistic to creativity or to life itself, but to servitude and forced labor. Two elements are present in each of these figures: fantasy and regression. There is an attempt to delimitate some psychoanalytic concepts and the way psychoanalysis understands the development of the sense of reality in order to construct some metapsychological comments on this subject. In this sense, the study of fantasy and of the principles of mental functioning makes it possible to consider the ways and means by which someone can alter reality. Finally, with the oniric-laziness we observe the emergence of a radical and comic form of festive idleness that shapes itself as a lazy fantasy, which can only gain shape from a moment of laziness. This formulation, that is analogically similar to the psychoanalytic assertion that sleep is the condition to dream, guides the investigation of the regressive nature of laziness. This happens with a scope aimed for the problem of clinical regression, in the sense to observe how one can understand and handle laziness in the psychoanalytic device. Despite the attempt to delimitate and to organize the argument in three distinct figures, some comments that are relevant to one axis or figure may appear in the others, and the essay is the form chosen as an attempt to arrange such variety of meanings that laziness can acquire
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
cabral_me.pdf (1.06 Mbytes)
Data de Publicação
2015-10-01
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.