• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Jane Teresinha Domingues Cotrin
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Souza, Marilene Proenca Rebello de (Presidente)
Amaral, Tatiana Platzer do
Antunes, Mitsuko Aparecida Makino
Prieto, Rosangela Gavioli
Sekkel, Marie Claire
Título em português
Itinerários da psicologia na educação especial: uma leitura histórico-crítica em psicologia escolar
Palavras-chave em português
Educação especial
Educação especial (história)
História da psicologia
Psicologia educacional
Psicologia escolar
Retardo mental
Resumo em português
Esta tese tem como objeto de estudo as relações iniciais entre Psicologia e Educação Especial, na área específica da deficiência mental. As primeiras escolas de Educação Especial na área de deficiência mental nasceram, no Brasil, no final do século XIX, anexas aos hospitais psiquiátricos, por iniciativa de médicos que atuavam nesses hospitais. No início do século XX, com as reformas educacionais vinculadas ao avanço da Psicologia como campo de conhecimento científico, as práticas em Educação e Educação Especial, no que tange à deficiência mental, passaram a ser embasadas nessa Psicologia nascente. Com uma abordagem funcionalista, as diferentes teorias psicológicas foram utilizadas para instrumentalizar os professores na prática pedagógica e esses conhecimentos assumiram a primazia do saber educacional especializado. Os testes psicológicos tornaram-se os instrumentos mais utilizados para o reconhecimento da deficiência. Impulsionada pelo movimento escolanovista e da higiene mental, a Psicologia desponta como área de conhecimento necessária à compreensão do educando e ao estabelecimento de critérios de normalidade-patologia-deficiência. O objetivo do presente trabalho é compreender como se deu a inserção da Psicologia como área de estudo e atuação profissional na educação da criança com deficiência mental no Brasil, nas décadas de 1900 a 1930. Para isso, o trabalho foi dividido em três etapas. Na primeira, busca-se construir alguns itinerários históricos de uma Psicologia na Educação Especial e para isso foi utilizada bibliografia específica da história da Educação Especial e da história da Psicologia no Brasil. Essa construção histórica revelou personagens que contribuíram decisivamente para as práticas psicológicas na área, como Helena Antipoff. Dessa forma, na segunda etapa do trabalho são apresentadas as ideias, percursos e propostas de Helena Antipoff na área da deficiência mental, bem como uma pesquisa de campo realizada no Instituto Pestalozzi de Belo Horizonte, instituição fundada pela própria Antipoff, em 1935, e que se revelou como síntese das ideias de uma Psicologia na Educação Especial vigentes no país. Esta pesquisa, de caráter documental, teve por fonte de dados os prontuários de dez crianças, alunos da Instituição durante a década de 1930 (1935-1939), período de sua fundação e quando a própria Antipoff era sua diretora. O procedimento para a coleta de dados foi construído no decorrer da pesquisa e a partir da entrevista com os psicólogos que trabalham atualmente na Instituição, os quais indicaram os documentos que estavam disponíveis sobre o período estudado. Além da análise geral desses prontuários, a pesquisa contém uma análise mais aprofundada de um único prontuário. O objetivo desta pesquisa foi o de compreender como se efetivou a prática psicológica na Educação Especial no período estudado. A terceira etapa apresenta uma análise histórico-crítica do que foram os primeiros passos da Psicologia na Educação Especial. A história revelou que as principais práticas da Psicologia com crianças consideradas deficientes mentais se basearam na psicometria e na psicomotricidade. A psicometria teve a função de reconhecer as crianças com deficiência mental no universo escolar e, por isso, a Educação Especial confundiu-se com políticas para a redução do fracasso escolar, do qual a escola pública era vítima. A psicomotricidade foi amplamente utilizada para o tratamento da criança anormal, uma vez que se considerava que a maturidade física e mental precedia a aprendizagem e o desenvolvimento intelectual. Sendo assim, a Psicologia acabou reproduzindo a ideologia liberal que sustentava o pensamento educacional brasileiro, constituindo práticas que atualmente consideramos como segregadoras e que atingiram amplamente as crianças das classes populares, as quais foram encaminhadas para o atendimento educacional especializado
Título em inglês
The itineraries of psychology in special education: a historical-critical interpretation in school psychology
Palavras-chave em inglês
Educational psychology
History of psychology
Mental retardation
School psychology
Special education
Special education (history)
Resumo em inglês
This thesis aims to study the initial relations between psychology and special education in the specific area of mental retardation. The first special education schools in the area of mental retardation in Brazil began at the end of the 19th century, annexed to psychiatric hospitals as an initiative of doctors who worked in these hospitals. In the beginning of the 20th century, the educational reforms associated with the advance of psychology as a field of scientific knowledge, practices in education and special education, concerning mental retardation, became based on the emergent psychology. With a functionalist approach, different psychological approaches were used to instrumentalize the teachers in the pedagogic practice and this knowledge occupied the primacy of specialized educational knowledge. Psychological tests became the most utilized instruments for identification of retardation. Driven by the escolanovista and mental hygiene movements, psychology appears as an essential area of knowledge in order to comprehend the student and to establish normality-pathology-retardation criteria. The objective of this work is to understand how psychology became included as a study and professional area in educating children with mental retardation in Brazil between 1900 and 1930. Thus, the work was divided into three steps. The first step aims to construct some historical itineraries of psychology in special education and uses specific bibliographical material on the history of special education and psychology in Brazil. This historical construction revealed individuals who decisively contributed to psychological practice in this area, such as Helena Antipoff. In this way, in the second step, Helena Antipoff's ideas, trajectories and proposals in the area of mental retardation, as well as a field research conducted at the Pestalozzi Institute in Belo Horizonte, an institution founded by Antipoff in 1935, and which proved to be a synthesis of ideas of inclusion of psychology in special education in the country. This research was documental and the data source were the medical files of ten children who were students at the institute in the 1930s (1935-1940), its foundation period and when Antipoff herself was the director. The data gathering procedure was developed throughout the research and from the interviews with psychologists who currently work at the institute, and who indicated available documents about the studied period. Apart from the general analysis of these medical files, the research contains a more in-depth analysis of a single file. The objective of this research was to understand how psychological practice established itself in special education during the studied period. Finally, the work presents a historical-critical analysis of the initial stages of psychology in special education. History revealed that the main psychological practices with children considered to be mentally retarded were based on psychometry and psychomotricity. Psychometry had the role of identifying children with mental retardation in the school environment, thus special education was confused for policies to reduce failures in the school, and public schools were victims. Psychomotricity was widely used to treat abnormal children since physical and mental maturity was believed to precede learning and intellectual development. Therefore, psychology ended up reproducing a liberal ideology that supported the Brazilian educational vision, leading to practices that we currently consider to be segregationist and which caught up with children of the popular classes, who were referred for specialized education
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
cotrin_do.pdf (6.57 Mbytes)
Data de Publicação
2010-10-14
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.