• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Doctoral Thesis
DOI
10.11606/T.47.2011.tde-20072011-155131
Document
Author
Full name
Juliana Maria Villela Davini
E-mail
Institute/School/College
Knowledge Area
Date of Defense
Published
São Paulo, 2011
Supervisor
Committee
Guirado, Marlene (President)
Lerner, Rogerio
Rios, Terezinha Azeredo
Souza, Marilene Proenca Rebello de
Valore, Luciana Albanese
Title in Portuguese
As forças em jogo na prática de um grupo de formadores de educadores no município de São Paulo: instituição, política e subjetividade
Keywords in Portuguese
Análise institucional
Discurso
Educação continuada
Formação de professores
Política educacional
Abstract in Portuguese
Esta pesquisa analisa o discurso de oito educadoras que têm experiências com formação continuada em serviço como membros de equipes técnicas da Secretaria da Educação da prefeitura de São Paulo e das escolas municipais. O método, compreendido como uma estratégia de pensamento, é o da Análise Institucional do Discurso (AID), proposto por Guirado (2010) e se constituiu como um operador da pesquisa, desde a elaboração do problema e da revisão bibliográfica até a produção, mediação e análise do material discursivo dos quatro encontros ocorridos entre as participantes e a pesquisadora. Foi uma experiência de trabalho com o método, em grupo e em ato, na dimensão institucional das relações, o que colocou a atual pesquisadora como coparticipante dos resultados. O objetivo da pesquisa foi analisar os movimentos ocorridos nas sessões de grupo e, neles, como se deram os processos de construção da subjetividade das formadoras, a partir das forças em jogo nas práticas de formação recebidas e oferecidas no contexto público que sofre alterações a cada mudança de ciclo político. Para chegar aos modos de subjetivação presentes no campo da formação partiuse dos lugares atribuídos aos educadores e a seus formadores, bem como à formação continuada em serviço no contexto público-municipal, definidos pela ordem institucional encontrada a partir da análise da revisão bibliográfica. Em seguida, estabelecem-se os lugares assumidos e construídos para si e para os demais atores institucionais, na perspectiva das histórias contadas pelas profissionais. Os resultados da análise dos textos teóricos mostram um discurso hegemônico a favor do professor pesquisador e reflexivo, do formador "profissional" (que toma a tarefa como o seu compromisso e a sua identidade) e da formação participativa, crítica e transformadora de si e da escola. Em contrapartida, os discursos das formadoras não caracterizam tais lugares para si e para o trabalho, o que evidencia um malestar e um choque de expectativas entre os lugares e perfis prescritos e desejados para fazer face aos problemas educacionais no país e os vivenciados por elas. A análise destes discursos aponta certos lugares ocupados de forma recorrente e circular, os quais caracterizam-se como formações subjetivas: recolhimento individual (vitimização, culpabilização, desqualificação), sujeição burocrática (passividade, apagamento de si, alienação), guerra (disputa, resistência, ataque e defesa), sobrevivência (aguardar, suportar, permanecer), amalgamento (parcerias, apoios e mitificação na busca de iguais). Mostrou-se, ao final, que cada uma ocupou tais lugares a seu modo e fez ensaios de diferença e liberdade em relação às pautas subjetivas construídas institucionalmente. Conclui-se que a atual pesquisa faz uma reflexão crítica sobre a prática de formação continuada em serviço e suas produções e mobiliza o regime de produção de verdades institucionais ao dar visibilidade aos modos de subjetivação produzidos e aos tipos de experiência de si vividas por um grupo de formadoras. O método provou-se fértil para mediação psicológica e análise de discurso em grupo
Title in English
The forces at stake in the practice of a group of teacher educators in Sao Paulo: development, politics and subjectivity
Keywords in English
Continuing Education
Discourse
Educational Policy
Institutional Analysis
Subjectivity
Teacher Education
Abstract in English
The method, understood as a thinking strategy, is the Institutional Discourse Analysis, as proposed by Guirado (2010). It took place throughout the entire research, from the beginning of the elaboration of the problem, to the bibliographic review and the production, mediation and analysis of the discursive material produced in four meetings between the participants and the researcher. It was a working experience with the method, in group and in act, in the institutional dimension of relations, which put the current researcher as a co-participant of the results. This research aims to analyze the movements in the group sessions and how the construction of subjective processes of the educators occurred, identifying the forces at stake in the education practices in the public context that undergoes changes every political cycle. In order to get to the modes of subjectivity present in the field of education, we started from the roles attributed to the teachers and their educators, as well as the role attributed to the in-service continuing education in the public-municipal context, defined by the institutional order found through the analysis of the bibliographic review. Then, we establish the roles assumed and built for themselves and the other institutional actors, in the perspective of the stories told by the eight professionals. The results of the theoretical texts analysis show a hegemonic discourse in favor of the researcher and reflective teacher, the professional educator (who takes the task as their commitment and their identity) and the participatory, transformative and critical education of themselves and of the school. In contrast, the educators discourses do not characterize such roles for themselves and for the work, revealing a malaise and a clash of expectations between the prescribed and wished roles and profiles to confront the educational problems in the country and experienced by them. The analysis of these discourses points out some roles occupied recursively and circularly by all of them, which we describe as subjective formations: individual gathering (victimization, culpability, disqualification), bureaucratic subjection (passivity, self-effacement, alienation), war (struggle, resistance, attack and defense), survival (wait, endure, remain), amalgamation (partnerships, support and myth in the search of equals). It was shown, in the end, that each participant occupied the roles in their own way and managed to build their subjectivity regarding the institutional issues. We conclude that the current research opens up possibilities for reflection and mobilization of the production system of institutional truths, by giving visibility to the produced modes of subjectivity and to the types of self experience lived by a group of educators. The method proved to be fertile for psychological mediation and for group discourse analysis
 
WARNING - Viewing this document is conditioned on your acceptance of the following terms of use:
This document is only for private use for research and teaching activities. Reproduction for commercial use is forbidden. This rights cover the whole data about this document as well as its contents. Any uses or copies of this document in whole or in part must include the author's name.
davini_do.pdf (2.50 Mbytes)
Publishing Date
2012-02-14
 
WARNING: Learn what derived works are clicking here.
All rights of the thesis/dissertation are from the authors
Centro de Informática de São Carlos
Digital Library of Theses and Dissertations of USP. Copyright © 2001-2019. All rights reserved.