• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Caio Parada Cabral
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Lomonaco, Jose Fernando Bitencourt (Presidente)
Machado, Nilson Jose
Mauro, Patricia Izar
Souza, Maria Thereza Costa Coelho de
Stella, Claudia
Título em português
A evolução das concepções de hereditariedade e ambiente de estudantes de psicologia
Palavras-chave em português
Ambiente
Epistemologia
Formação do psicólogo
Hereditariedade
Interação
Resumo em português
O objetivo deste trabalho foi avaliar se estudantes de graduação em Psicologia demonstram compreensão crítica em relação ao secular debate entre hereditariedade e ambiente, sobretudo a partir de temas que fazem parte do campo da Psicologia do Desenvolvimento. Para tanto foi elaborado um questionário com 12 situações-problema, com quatro opções de respostas, sendo três referentes às concepções de desenvolvimento inatista, ambientalista e interacionista e uma indicativa do desconhecimento da resposta (não sei ou não tenho ideia a respeito). Participaram do estudo 462 graduandos em Psicologia, de 1º e 5º anos, de quatro Instituições de Ensino Superior privadas, localizadas no Estado de São Paulo. Os resultados foram analisados em função das variáveis sexo, idade, fase do curso, outro curso superior, Psicologia no Ensino Médio e das interações entre as variáveis sexo x fase do curso, idade x fase do curso, fase do curso x IES e IES x fase do curso. A análise inferencial dos resultados foi realizada por meio da estatística não paramétrica, calculando-se o qui-quadrado e o coeficiente de contingência. Os dados sugerem que a variável idade foi a mais influente e as interações mais relevantes foram entre IES x Fase do curso; Fase do curso x IES e sexo x fase do curso. Os dados do coeficiente de contingência indicaram que o grau de associação entre as variáveis analisadas variou de fraco a moderado. A concepção interacionista predominou na maior parte dos resultados, mas nem sempre influenciada pela fase do curso, como era a hipótese inicial. Além disso, a depender do tema da questão, as respostas ambientalistas chegaram a superar as interacionistas e, em alguns casos, a concepção inatista também se mostrou relevante para os participantes. Ou seja, houve certa variabilidade nas escolhas das concepções em função dos problemas apresentados, sugerindo que o estudante de Psicologia provavelmente tende a escolher a explicação para o problema de acordo com o contexto e não com uma base epistemológica (ou paradigma) coerente. Sendo assim, pode-se concluir que o graduando ainda precisa aprimorar sua capacidade de transferir o conhecimento adquirido em um paradigma para outras situações que não são comumente associadas a ele, desenvolvendo maior flexibilidade de pensamento. A presença de resultados contraintuitivos em algumas questões também demonstra que existem fatores ideológicos que interagem com a aquisição do conhecimento científico pelo estudante. Finalmente, a pluralidade de epistemologias/paradigmas no campo da Psicologia, bem como a própria diversidade de concepções a respeito do conceito de interação, podem ser fatores que dificultam o posicionamento crítico do graduando, uma vez que a explicitação do conhecimento e a relação da teoria com a base epistemológica pode não estar clara. Concluise, portanto, que, na formação do psicólogo é preciso articular melhor a relação entre epistemologia, prática e pensamento crítico, nos cursos de graduação
Título em inglês
The evolution of the conceptions of heredity and the environment of psychology students
Palavras-chave em inglês
Environment
Epistemology
Heredity
Interaction
Psychologist education
Resumo em inglês
This thesis aims at assessing whether undergraduate Psychology students indicate critical thinking in relation to the continuous debate between heredity and environment, especially from the developmental psychology perspective. To that end, we devised a questionnaire with twelve problem situations and four possible answers each. Three of these answers referred to three distinct perspectives of development: innatism, environmentalism, and interactionism. A fourth answer indicated that the subject did not know how to respond the question. Four hundred and sixty-two undergraduate Psychology students participated, in their first to their fifth year in the course, from four private universities from the State of São Paulo. The results were analyzed based on a series of variables: gender, age, stage of the course, having other undergraduate degree, Psychology in high school, and on the interactions among the variables gender x stage of the course, age x stage of the course, stage of the course x university, and university x stage of the course. Inferential analysis of the results was conducted by means of non-parametric statistics, by calculating the chi-square and the contingency coefficient. Data suggest that the variable age was the most influential, and the most relevant interactions were among university x stage of the course, stage of the course x university, and gender x stage of the course. Contingency coefficient data indicate that the grade of interaction among the analyzed variables varied from weak to moderate. The interactionist conception predominated in most of the results, although not always influenced by the stage of the course, which was the initial hypothesis. Furthermore, depending on the topic of the question, the environmentalist answers outnumbered the interactionist ones and, in some cases, the innatist conception was also relevant to the participants. In other words, there was certain variability in the choices of conception according to the problems presented, suggesting that the Psychology student tends to choose the explanation of the problem according to the context and not under a coherent epistemology (or paradigm). Thus, it might be argued that the undergraduate student still needs to improve his capability of transferring knowledge acquired under a paradigm to other situations uncommonly associated to it, leading to the development of a more flexible reasoning. The presence of counterintuitive results in some of the questions also shows that there are ideological factors that interact with the students acquisition of scientific knowledge. Lastly, the plurality of epistemologies/paradigms in the field of psychology, as well as the very diversity of understandings of the concept of interaction might be factors that make the students critical positioning more challenging, since externalizing knowledge and the relation between theory and its epistemological grounds might not be clear. Therefore, the psychologist education, namely the undergraduate courses, should require a better relation between epistemology, practice, and critical thinking
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
cabral_do.pdf (1.60 Mbytes)
Data de Publicação
2017-11-22
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.