• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.44.2015.tde-22042015-143918
Documento
Autor
Nome completo
Evelyn Aparecida Mecenero Sanchez
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Fairchild, Thomas Rich (Presidente)
Davies, Rosemarie Rohn
Fantinel, Lucia Maria
Sallun Filho, William
Vieira, Lucieth Cruz
Título em português
Microbialitos e microfósseis da Formação Sete Lagoas, Neoproterozoico, Brasil: implicações geomicrobiológicas em um contexto de mudanças climáticas e evolutivas
Palavras-chave em português
Estratigrafia
Formação Sete Lagoas
Grupo Bambuí
Microbialitos
Microfósseis silicificados
Neoproterozoico
Resumo em português
A Formação Sete Lagoas, base do Grupo Bambuí, tem sido alvo de constantes discussões sobre o contexto temporal e ambiental sob a qual esta unidade foi depositada. Sua idade tem sido atribuída a dois momentos distintos do Neoproterozoico, e ambas têm implicações evolutivas significativas. A primeira proposta, baseadas em dados geoquímicos e litoestratigráficos,relaciona a deposição da Formação Sete Lagoas após o fim da glaciação Marinoana (do modelo paleoclimático Snowball Earth), há cerca de 635 Ma, quando mudanças paleogeográficas e geoquímicas levaram a mudanças climáticas de escala global, o quepode ter impactado significativamente na bioprodutividade do Edicarano. O segundo modelo deposicional baseia-se na ocorrência de Cloudina sp., um fóssil-guia do Ediacarano final, em níveis estratigráficos próximos à base da Formação Sete Lagoas, apontando, portanto, para uma idade mais nova que a primeira hipótese. No entanto, ambos os modelos preveem um cenário de mudanças, ocorridas no Neoproterozoico tardio, enquanto a Formação Sete Lagoas estava sendo depositada. Tais mudanças foram de natureza climática, paleogeográfica e geoquímica, que influenciaram a composição da atmosfera e da hidrosfera, e culminaram em profundas mudanças na biosfera. Propôs-se aqui uma análise pormenorizada de microbialitos e microfósseis da Formação Sete Lagoas, visando compreender como os produtores, base dos ecossistemas, teriam respondido a tantas transformações ambientais e ecológicas, além de estabelecer a abrangência estratigráfica dos microbialitos e microfósseis desta unidade. Foram analisadas tramas de microbialitos carbonáticos e precocemente silicificados, amostras de mão para comparação e dados de afloramentos. Uma avaliação de materiais reportados em meados e na segunda metade do século passado também foi necessária, tendo em vista os avanços recentes no campo da Paleobiologia do Pré-Cambriano. Os dados demonstraram que a Formação Sete Lagoas conta com uma riqueza treze formasmicrobialíticas, sendo onze detalhadas neste trabalho e encontradas ao longo de toda a formação, tanto sobre o Cráton do São Francisco, quanto sobre a Faixa Brasília, porém em baixa quantidade. Estas formas são compostas por onze tipos de tramas, cujo conteúdo biogênico em última análise, remete, mesmo que de forma reliquiar, à formas cianobacterianas recentes reconhecidas como formadoras de estromatólitos. Por outro lado, microfósseis silicificados não são comuns, e foram observados apenas em três localidades, onde já tinham sido reportados. Porém, a re-análise deste material permitiu refinar os dados e identificar cinco táxons, quatro cianobacterianos - os gêneros Siphonophycus, Oscillatoriopsis e Eosynechococcus- e um Incertae sedis - o gêneroArchaeotrichion. A baixa diversidade de microfósseis, ou seja, baixa riqueza e baixa abundância, somada à baixa abundância e densidade de microbialitos nos afloramentos analisados foi interpretada como resultados de eventos diagenéticos e tectônicos que resultaram na perda de material. Outra vertente do  presente trabalho foi a re-avaliação de estruturas reportadas como fósseis há cerca de 50 anos, cuja interpretação à luz dos conhecimentos atuais, permitiram a identificação de alguns como pseudofósseis, a reclassificação deuma espécie de acritarco esferomórfico (Leiosphaeridia jacutica[Timofeev 1966]) e de outro espécime como provável Nemiana simplexPalij 1976. De um modo geral, pode-se perceber que, embora poucos espécimes tenham sido preservados, o registro fóssil da Formação Sete Lagoas é variado e inclui microbialitos, microfósseisbentônicos e planctônicos, identificados neste trabalho, além de icnofósseis, biomarcadores e metazoários reportados em trabalhos anteriores, mas que ainda demandam novas considerações. A ocorrência vertical de microbialitos ao longo de toda a unidade e a diversidade de tramas que os compõem demonstram que a bioprodutividade não sofreu declínio com as mudanças paleoambientais, seja por conta de mudanças climáticas, se considerarmos a Formação Sete Lagoas como capa carbonática, seja pelo estabelecimento de metazoários nos ecossistemas, se a considerarmos uma unidade depositada a partir do Ediacarano tardio.
Título em inglês
not available
Palavras-chave em inglês
Bambuí Group
Glaciation
Microbialites
Neoproterozoic
Sete Lagoas Formation
Silicified microfossils
Stratigraphy
Resumo em inglês
The Sete Lagoas Formation, base of BambuíGroup, has been under constant discussion about the temporal and environmental context under it was deposited. Its age has been attributed to two different moments ofNeoproterozoic, each one comprising significative evolutionay changes. The first one, based on geochemical and lithostratigraphic data, related the deposition of Sete Lagoas Formation to the end of Marinoan glacial episode (the Snowball Earthpaleoclimatic model), ca. 635 Ma, when pelogeographic and geochemical changes resulted in global climatic changes, that could result in significative impacts over the Ediacaran bioprodutivity. The second age model is based on the occurrence of Cloudinasp., an index fossil of Terminal Neoproterozoic, in stratigraphic levels near the base ofthe formation, pointing for a younger age that previously proposed. However, both modelspredict a scenario of environmental changes, occurred during the Late Ediacaran, while the Sete Lagoas Formation deposited. Such changes include climatic, paleogeographic and geochemical, that influenced the composition of atmosphere and hydrosphere, what resulted in profound changes in the biosphere. Here it was proposed a detailed study of microbialites and silicified microfossils of Sete Lagoas Formation, aiming to understand the responses of producers, the framework of any ecosystem, would reacted to suchpaleoenvironmental and ecological changes, as well also establish the stratigraphic occurrence of Sete Lagoas Formatiom microbialites and microfossils. Fabrics of carbonate and early silicified microbialites were analyzed, aswell hand samples for comparison and data acquired in the outcrops. Previous reported material, collect in the past half century was also re-evaluated due to new knowledge concerning the Paleobiology of Precambrian. The data showed that the Sete Lagoas Formation has a richness of thirteen microbialite forms, which eleven were detailed in this paper and found throughout the unit, on the São Francisco Craton, as well on the Brasília Fold Belt, but in low abundance. These forms are composed of eleven types of fabrics, which biogenic content ultimately refers, even if reliquiar preservation, to Recent cyanobacteria recognized as mat formers. Moreover, silicified microfossils are not common, and were only observed in three localities, where they had already been reported. However, re-analysis of this material allowed to refine the data and identify five taxa, four cyanobacteria - Siphonophycus, Oscillatoriopsis, Eosynechococcus- and one Incertae sedis - Archaeotrichion. The low diversity of microfossils, including low richness and low abundance, coupled with the low abundance and density of microbialites in outcrops were interpreted as a result of diagenetic and tectonic events that resulted in the loss of material. Another aspect of this work was the re-evaluation of structures reported as fossils for about 50 years, whose interpretation in the light of updated knowledge, allowed the identification of some pseudofossils as the reclassification ofa species of sphaeromorphic acritarch (Leiosphaeridia jacutica [Timofeev 1966]) and putative Nemiana simplexPalij 1976. In general, it can be seen that, although a few specimens have been preserved, the fossil record of the Sete Lagoas Formation is varied and includes microbialites, benthic and planktonic microfossils, identified in this work, as well as trace fossils, biomarkers and metazoan reported in previous works, which require new considerations. The vertical occurrence of microbialites throughout the unit and the variety of frames that make up demonstrate that bioproductivity did not declined due to paleoenvironmental changes, either due to climate change, considering the formation Sete Lagoas Formation as cap carbonate, or by establishment ofmetazoan ecosystems, if we consider a unit deposited during the Late Ediacaran.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-04-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.