• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Doctoral Thesis
DOI
10.11606/T.44.2016.tde-10082016-110932
Document
Author
Full name
Antonio Carlos Rocha Campos
E-mail
Institute/School/College
Knowledge Area
Date of Defense
Published
São Paulo, 1964
Supervisor
Title in Portuguese
Contribuição à estratigrafia da região de Taió, Santa Catarina
Keywords in Portuguese
Estratigrafia
Santa Catarina
Abstract in Portuguese
O presente trabalho contém os resultados de investigações estratigráficas e paleontológicas realizadas na região de Taió, Santa Catarina. Acompanha-se de um mapa geológico na escala de 1:27.000. O interesse geológico principal dessa região reside na ocorrência de fósseis marinhos descobertos por Annibal Alves Bastos, em 1929 e estudados sucessivamente por F. R. Cowper Reed (1930, 1935) e W. Kegel e M. T. da Costa (1951). A região é constituída, predominantemente, por sedimentos (Grupos Tubarão e Passa Dois) mas, também, por rochas ígneas (sills e diques de diabásio). O Grupo Tubarão é formado, na parte inferior, por sedimentos proglaciais "várvicos", de excepcional desenvolvimento na área, e, na parte superior, por rochas das Formações Bonito e Palermo. A Formação Bonito (230 m de espessura, aproximadamente), é constituída localmente, por arenitos finos a médios, geralmente feldspáticos, contendo pequenas espessuras de folhelhos, siltitos e carvão intercalados. O horizonte marinho é representado por alguns decímetros de arenito fino, situando-se, estratigraficamente, na parte média-superior local da Formação Bonito. Existe somente um nível de fósseis marinhos na região. A ingressão ocupou, provavelmente, parte da antiga bacia de deposição dos sedimentos glaciais e teve, aparentemente, caráter restrito. A Formação Palermo (cerca de 120 m de espessura), é constituída por siltitos compactos ou estratificados. O Grupo Passa Dois é representado na região por ocorrência restrita de calcários da Formação Irati. O tectonismo que afetou a área estudada parece não ter sido intenso; algumas falhas foram assinaladas com base nas fotografias e nas observações de campo. As primeiras descrições dos fósseis de Taió foram feitas por Cowper Reed (1930, 1935) que distinguiu as seguintes entidades: Aviculopecten (Deltopecten) catharinae, A. (Deltopecten) relegatus, A. (Deltopecten) unicus, A. (Deltopecten) miscellus, A.) (Deltopecten ?) crassicostatus, Pseudamusium ? sp., Stutchburia brasiliensis, Spathella tayoensis, Allorisma ? sp., Edmondia sp., Maeonia cf. cuneata, Solenopsis sp., Schizodus occidentalis, Schizodus ? sp., Bellerophon ? cf. micromphalus, Chonetes (ou Chonetella) ? e Discinesca tayoensis. Kegel e Costa (1951) referiram os pectidíneos a um novo gênero, Heteropecten, assinalando ainda duas novas espécies, H. plasticosta, H. bastosi e uma variedade, H. catharinae var. dyglipha. No presente trabalho, entretanto, concluímos que as diversas "espécies" de Heteropecten dos autores prévios, constituem, na realidade variantes morfológicas ligadas entre si por formas de transição. A maioria dos outros gêneros de lamelibrânquios assinalados por Reed, em face da presente revisão, foi atribuída a novas entidades genéricas. Desse modo, a lista faunística atual fica assim constituída: Lamellibranchia: Heteropecten catharinae (Reed), 1930; Tayoa erichseni Campos, 1964; Kegelia tayoensis (Reed), 1930; Schizodus occidentalis Reed, 1930; Cowperreedia brasiliensis (Reed), 1930; Bastosia Bastosia costata Campos, 1964; Gastropoda: Warthia sp.; Brachiopoda: Orbiculoidea tayoensis (Reed), 1935. Foi assinalada também a presença de equinodermas (ofiuróides e asteróides) associados aos fósseis de Taió. A assembléia fóssil parece constituir uma tanatocenose formada por conchas acumuladas por correntes ou ondas, em águas rasas, submetidas em alguns locais à exposição subaérea. O caráter endêmico da fauna não permite correlação segura com outras bacias nacionais, ou extra-nacionais. A vinculação anteriormente sugerida com achados de Nova Gales do Sul, Austrália, não se positivou através das investigações aqui contidas. A existência de fauna permo-carbonífera de caráter mais cosmopolita no Uruguai e Argentina, poderia sugerir uma origem meridional para as ocorrências da Bacia do Paraná.
Title in English
Not available.
Keywords in English
Not available.
Abstract in English
Not available.
 
WARNING - Viewing this document is conditioned on your acceptance of the following terms of use:
This document is only for private use for research and teaching activities. Reproduction for commercial use is forbidden. This rights cover the whole data about this document as well as its contents. Any uses or copies of this document in whole or in part must include the author's name.
RC_Doutorado.pdf (50.21 Mbytes)
Publishing Date
2016-08-10
 
WARNING: Learn what derived works are clicking here.
All rights of the thesis/dissertation are from the authors
CeTI-SC/STI
Digital Library of Theses and Dissertations of USP. Copyright © 2001-2019. All rights reserved.