• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.44.1997.tde-28092015-153117
Documento
Autor
Nome completo
Fátima Praxedes Rabelo Leite
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 1997
Orientador
Banca examinadora
Bernardes-de-Oliveira, Mary Elizabeth Cerruti (Presidente)
Oliveira, Paulo Eduardo de
Petri, Setembrino
Título em português
Palinofloras neógenas da Formação Pirabas e Grupo Barreiras, área litorânea nordeste do estado do Pará, Brasil
Palavras-chave em português
Paleontologia
Paleozoologia
Resumo em português
A Região Bragantina, onde se encontra a área de estudo, apresenta um dos mais completos registros da transgressão marinha miocena ocorrida no Brasil, representado principalmente pela Formação Pirabas, constituída por sedimentos marinhos e transicionais, ricos em fósseis de idade oligoceno/eomiocena. Sobreposto a ela encontra-se o Grupo Barreiras, composto por sedimentos continentais e transicionais, considerado mio-plioceno pelas suas características sedimentares e seu conteúdo fossilífero. Através de estudo palinológico procurou-se, no presente trabalho: reconstituir, na medida do possível, a paleoflora que recobria a região estudada durante o período de sedimentação; determinar uma idade provável para a Formação Pirabas e Grupo Barreiras, com base em zoneamentos palinoestratigráficos pré-estabelecidos; bem como compreender os eventos que tenham contribuído para a deposição dos sedimentos pelíticos dessas unidades. O material estudado consiste de treze amostras procedentes de nove níveis estratigráficos de fácies Baunilha Grande da Formação Pirabas (sensu Petri e Fúlfaro, 1983) e da associação C do Grupo Barreiras (sensu Góes et alii, 1990), aflorantes nas localidades de Outeiro, Mosqueiro, Atalaia e Capanema. Reconhecem-se 92 tipos polínicos (grãos de pólen de angiospermas e esporos de briófitas e pteridófitas), dentre os quais Zonocostites ramonae (Rhizophora sp.), representa 77% da soma de grãos de pólen. Os dados palinológicos da Formação Pirabas enquadram-se na Biozona Psiladiporites-Crototricolpites (Concurrent Range Zone, sensu Hoorn, 1993), de idade eo-mesomiocena, evidenciada pela presença de Crototricolpites annemariae, Echitricolporites maristellae,Polypodiaceoisporites cf. P. potoniei, Psilastephanocolporites tesseroporus e Crototricolpites americanus, e pela ausência de Crassoretitriletes vanraadshoovenii. Apesar de um pouco mais recente do que as datações estabelecidas com base em associações de foraminiferos (Oligoceno/Eomioceno), este novo dado não contraria os anteriores, por tratar-se, provavelmente, do registro da regressão que pôs fim à deposição dos sedimentos carbonáticos na região. O espectro polínico do Grupo Barreiras enquadra-se na Biozona Crassoretitriletes (Interval Zone, sensu Lorente, 1986), Mesomioceno, dadas a presença de Crassoretitriletes vanraadshoovenii, Ilexpollenites sp. e Bombacacidites baculatus e Thymelipollis retisculpturius, e a ausência de Grimsdalea magnaclavata. A determinação de uma idade mesomiocena para a base do Grupo Barreiras vem a corroborar a hipótese de uma passagem gradativa da Formação Pirabas para esta unidade litoestratigráfica (Rosseti et alii,1989;Góes et alii, 1990; Costa et alii, 1993). Os sedimentos das amostras analisadas foram depositados, possivelmente, em planície costeira, ocupada principalmente por manguezais e alguns elementos de vegetação de restinga. Rumo ao continente, predominariam os pântanos, florestas inundáveis das planícies fluviais (várzea e igapó) e floresta de terra firme. A influência do mar é marcada pela presença reduzida, mas constante, de elementos marinhos (dinoflagelados e microforaminíferos). De acordo com as curvas eustáticas propostas por Haq et alii (1987), o Mioceno foi um período de particular oscilação. Através da correlação dos dados palinológicos e estratigráficos com as variações do nível do mar ocorridas nessa época obtiveram-se resultados que parecem confirmar a conclusão de Costa et alii (1993), que afirmam que a Formação Pirabas e o Grupo Barreiras constituem uma única sequência deposicional decorrente da transgressão/regressão miocena registrada no litoral nordeste do Estado do Pará.
Título em inglês
Not available.
Palavras-chave em inglês
Not available.
Resumo em inglês
The Bragantina Region, where is located the studied area, has one of the most complete record of the marine transgression in Brazil during the Miocene. It's mainly represented by the Pirabas Formation, composed of marine and transitional sediments which are very rich in fossils. Over it lays the Barreiras Group, composed of transitional and continental sediments. It has been considered Pliocene by its sedimental characteristics and fossil content. In this work , through a palynological study, we tried to: reconstruct the paleoflora that occupied this region in the past, define an age to Pirabas Formation and Barreiras Group based on palynostratigraphic zonations and understand the depositional process of the clays from these units. Thirteen samples were analyzed from nine stratigraphic levels of Baunilha Grande Facies from Pirabas Formation (sensu Petri & Fúlfaro, 1983) and association C from Barreiras Group (sensu Góes et alii, 1990), that outcrop in the localities of Outeiro, Mosqueiro, Atalaia and Capanema. We recognized ninety-two palynomorphs (angiosperm pollen grains and pteridophyte spores), among those Zonocostites ramonae (Rhizophora sp.) represents 77% of the pollen sum. The palynological results from Pirabas Formation indicate Eo-Mesomiocene age, corresponding to the Biozone Psiladiporites-Crototricolpites (Concurrent Range Zone, sensu Hoorn, 1993), noticed by the presence of Crototricolpites annemariae, Echitricolporites maristellae, Polypodiaceoisporites cf. P. potoniei, Psilastephanocolporites tesseroporus and Crototricolpites americanus, and by the absence of Crassoretitriletes vanraadshoovenii. Although this age is more recent than that established by foraminifers (Oligocene/Eomiocene), this new datum doesn't contradict the other because it's probably the record of the final regression that ended with the deposition of the carbonates. The pollen content of Barreiras Group fits in the Crassoretitriletes Interval Zone (sensu Lorente, 1986), Mesomiocene, by the presence of Crassoretitriletes vanraadshoovenii, Ilexpollenites sp., Bombacacidites baculatus and Thymelipollis retisculpturius, and by the absence of Grimsdalea magnaclavata. The proposal of a Mesomiocene age for the bottom of Barreiras Group contributes to the hypothesis of gradual passage from Pirabas Formation to this lithostratigraphic unit. The sediments analyzed were deposited probably in coastal plain, occupied mainly by mangroves and some elements of beach ridge vegetation. Towards the continent prevailed swamps, floodplain forests (várzea and igapó) and terra firme forest. The influence of the sea is shown by the sparse but constant presence of marine elements (dinoflagelate and microforaminifers). According to the eustatic curves proposed by Haq et alii (1987), the Miocene was a specially oscillating period. Correlating the palynological and stratigraphic data with the variations of the sea level we could find results that confirm the conclusion of Costa et alii (1993), that affirm that the Pirabas Formation and Barreiras Group Constitute the same depositional sequence caused by the miocene transgression/regression recorded in northeastern littoral of the State of Pará.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Leite_Mestrado.pdf (30.71 Mbytes)
Data de Publicação
2015-09-29
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.