• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.44.1989.tde-23062015-144628
Documento
Autor
Nome completo
Sandra Maria de Arruda Furtado
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 1989
Orientador
Banca examinadora
Gomes, Celso de Barros (Presidente)
Ruberti, Excelso
Scheibe, Luiz Fernando
Ulbrich, Mabel Norma Costas
Valença, Joel Gomes
Título em português
Petrologia do maciço alcalino de Anitápolis, SC
Palavras-chave em português
Anitápolis (SC)
Petrologia
Resumo em português
O maciço alcalino de Anitápolis, cuja idade situa-se no limite Jurássico-Cretáceo, é intrusivo nas rochas granitóides do leste catarinense, originando uma depressão circular de 6 'Km POT. 2'. Devido à grande quantitade de material intemperizado o estudo do maciço foi realizado essencialmente através deamostras provenientes de testemunhos de sondagem. As rochas que formam o maciço são magnetita-biotita piroxenos e apatita-pirroxênio biotitos na porção central, envolvidas por ijolitos e nefelina sienitos. Nas bordas do maciço aparecem variedades leucocrácitas, mesocráticas e melanocráticas representando, respectivamente, grau baixo, médio e alto de fenitização. Quantidades menores de apatita piroxenitos formam faixas em meio a ijolitos, nefalina sienitos e rochas de borda. Foscoritos e carbonatitos estão presentes como veios e diques cortando as litologias silicáticas; os carbonatipos sovíticos, magnesianos e calcíticos tardios. Diques de fonolitos ocorrem penetrando as rochas granotóides encaixantes. Estudo por microssonda revela que os piroxênios compreendem diopsídios, salitas e soda-salitas, presentes nos magnetita-biotita piroxenitos e fonolitos, e egirina-augitas, com teores variáveis de sódio, para os demais tipos petrográficos; o conjunto dos dados aponta para pequena participação de 'Fe POT. 2+' np processo evolutivo desses minerais. À exceção dos termos mais ultrabásicos, fedspatos aparecem em todos os tipos petrográficos e possuem teores extremamente baixos de Na. Grãos mais límpidos fornecem composições no intervalo 'Or IND. 77' 'POT. - Or IND. 90', enquanto que os de aspecto turvo, com Or > 90, contêm exsolução de albita na forma de filmes ou gotículas. A composição das nefelinas indica valores de 700 a 775 'GRAUS'C para os fonolitos e nefelina sienitos; temperaturas em torno de 500 'GRAUS'C foram obtidas para os ijolitos e para um nefelina sienito rico em biotita. A grande diversidade de cores ) exibida pelas micas - predominantemente biotitas nas rochas silicáticas e flogopitas nos carbonatitos e foscoritos - acha-se relacionada à composição química, especialmente aos teores de 'Tio IND. 2', MgO e FeO; atenção especial é dada às variedades laranja e vermelha de flogopitas com grande participação de 'Fe POT. 3+'. A apatita, mineral de ampla ocorrência, mostra composição distinta em função do tipo de petrográfico em que se acha presente, particularmente quanto ao teor de Si e, de modo subordinado, ao de Sr. Os anfibólios ocorrem como minerais tardios, sendo representados por Mg-arfvedsonita e Fe-richterita nas rochas silicáticas e por richterita nos carbonaticos e foscoritos. Análises químicas mostram para as rochas silicáticas razões elevadas de 'Fe IND. 2''O IND. 3'/'Fe''O'; diminuição de 'Tio IND. 2', 'Fe IND. 2''O IND. 3''Fe''O' e aumento de 'Al IND. 2''O IND. 3+' para quantidades crescentes de 'Si''O IND. 2'; grande dispersão para os valores de 'Na IND. 2''O' e 'K IND. 2''O'. Concentrações mais elevadas em 'P IND. 2''O IND. 5' são encontradas nos doscoritos e no apatita-piroxênio biotitito. As terras raras mostram pequena variação para a grande maioria das rochas de Anitápolis: as silicáticas possuem em geral concentrações de 10 a 100 vezes superiores aos condritos e baixas razões La/Yb; os sovitos e fosforitos mostram valores levemente mais elevados, enquanto que nos carbonatitos mais tardios o aumento é mais evidente. A colocação do maciço está associada a grandes falhamentos de direção aproximada NS, resultando provavelmente do soerguimento do bloco crustal hospedeiro. A cristalização do magma ocorreu sob condições de alta 'FO IND. 2', como deduzido pela composição química dos minerais. O modelo petrogenético desenvolvido com base nos diagramas de subtração propõe uma magma parental formado no manto sujacente, submetido a processos metassomáticos com formação deanfibolitos, mica) e apatita. Deste líquido de composição nefelínica, a separação de frações imiscíveis daria origem aos carbonatitos, enquanto que os líquidos residuais evoluiriam por cristalização fracionada, originando as rochas mais leucocráticas. Soluções posteriores metassomatizantes ricas em sódio e potassio ocasionariam fenômenos de cristalização e recristalização responsáveis pela grande heterogeneidade constatada em alguns tipos petrográficos.
Título em inglês
Not available.
Palavras-chave em inglês
Not available.
Resumo em inglês
The Anitapolis alkaline massif is Jurassic-Cretacic in age and intrudes granitoid rocks in the eastern parto f Santa Catarina State, Southern Brazil. The investigated area comprises a circular depression of 6km2, covered by weathered materials. Therefore, this study was made possible by means of drill hole samples. The rock of the massif include magnetite-biotite pyroxenites and apatite-pyroxene biotites in the central portion, surrounded by ijolites and nepheline syenites, which are in turn enveloped by melanocratic, mesocratic and leucocratic rocks, corresponding to high, medium and low degrees of fenitization. Apatite pyroxenites occur inside ijolites, nepheline syenite and fenites. Phoscorites and carbonatites cut the silicate rocks as veins and dykes. Carbonatites, younger than phoscorites, comprise sovitic, magnesian and late-stage calcite-bearing types. Phonolitic dykes cut the granitoid country rocks. Clinopyroxenes from the magnetite-biotite pyroxenites and phonolites determined by electron microprobe analysis included diopsides, salites and soda-salites, and aegirine-augites with variable sodium contents in the other lithologies. The bulk of the mineralogical data reveals little contribution of 'Fe POT.2+' in the evolution of these minerals. Feldspars occur in most rock types, with very low An contents. Clear grains are 'Or IND.77-' 'Or IND.90' and turbid ones, with Or > 90, contain albite exsolution as drops or films. Nepheline composition give values of 700 to 775°C for phonolites and nepheline syenites, whereas temperatures of 500°C were obtained for ojolites and one biotite-rich nepheline syenite. Relationships were established between the great diversity of colours exhibit by micas - mostly biotites in silicate rocks and phlogopites in carbonatites and phoscorites - and TiO2, MgO and FeO contents. Special attention has been given to orange and red 'Fe POT.3+' - rich varieties. Apatite is widespread and shows distinct compositions according to rock type, especially regarding Si and, subordinately, Sr contents. Amphiboles are late forming minerals and comprise Mg-arfvesdsonite, arfvedsonite, Fe-richterite in silicate rocks, and richterite in carbonatites and phoscorites. Chemical analyses of the silicate rocks show: high Fe2O3/FeO ratios; decrease of TiO2, Fe2O3 and FeO and increase of Al2O3 with increasing SiO2 contents; great dispersion for Na2O and K2O data. Phoscorites and apatite-pyroxene-biotite rock present the highest P2O5 contents. REE are 10 to 100 times higher than chondritic values, with low La/Yb ratios in silicate rocks; sovites and phoscorite show higher levels, with contents in the latest formed carbonatites. The emplacement of the massif is related to great NS fault lineaments, and probably results from the uplift of the host crustal block. High fO2 conditions influenced the magma crystallization, as deduced from the chemical composition of the minerals. A petrogenetic model based on subtraction diagrams suggests that a possible parental magma of nephelinite composition formed in a metasomatic, subjacent mantle with formation of amphiboles, micas and apatite. Immiscible fractions of this nephelinitic material would generate carbonatites, whereas residual liquids would evolve by fractional crystallization to phonolitic residues. Late metasomatizing sodium and/or potassium rich solutions would be responsable for crystallization and recrystallization phenomena which caused the great heterogeneity observed in some rock types.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Furtado_Doutorado.pdf (12.37 Mbytes)
Data de Publicação
2015-06-23
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.