• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.41.2010.tde-07032010-134736
Documento
Autor
Nome completo
Lucia Chamlian Munari
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2010
Orientador
Banca examinadora
Murrieta, Rui Sergio Sereni (Presidente)
Adams, Cristina
Metzger, Jean Paul Walter
Título em português
Memória social e ecologia histórica: a agricultura de coivara das populações quilombolas do vale do Ribeira e sua relação com a formação da mata atlântica local
Palavras-chave em português
Agricultura de corte e queima
Coivara
Ecologia-história
Mata atlântica
Memória social
Paisagem
Quilombola
Vale do ribeira
Resumo em português
A Mata Atlântica é um dos biomas mais biodiverso e ameaçados do planeta. Grande parte de seus remanescentes está localizada no Vale do Ribeira (SP), onde se encontra a maioria das populações quilombolas do estado. Os quilombos do vale surgiram de povoados formados por escravos abandonados, fugidos e alforriados que vem ocupando o vale desde o início da colonização européia na região, no século XVI. A principal estratégia de subsistência destas populações ao longo dos séculos foi a coivara, sistema agrícola capaz de conferir grande heterogeneidade à paisagem florestal. Entretanto, nas últimas décadas, a coivara tem sofrido um processo de transformação, devido a fatores como: o aumento demográfico, o avanço da economia de mercado, a implantação de leis ambientais e políticas desenvolvimentistas. O objetivo deste estudo é compreender como a coivara contribuiu para a formação da paisagem florestal na comunidade de remanescente de quilombo de São Pedro, no vale do Ribeira. A construção de uma narrativa histórica dos processos que contribuíram para as transformações deste sistema auxilia na compreensão das mudanças nos padrões de subsistência locais e de que forma estas se refletem nessa paisagem. Para tanto, levantamos a memória social local, através de técnicas etnográficas e de história oral. Além disso, realizamos trilhas monitoradas para estudar a percepção ambiental das unidades paisagísticas, bem como a configuração espacial das roças e capoeiras. Com a aplicação de tais métodos, pudemos constatar que no passado, a abertura de clareiras para o cultivo dependia de uma série de fatores: a disponibilidade de capital social para o trabalho, a demanda familiar para a produção de alimento e as relações econômicas com o mercado regional. Ao mesmo tempo, a lógica de ocupação da paisagem era fruto da associação entre o conhecimento da dinâmica ecológica local e normas sociais estabelecidas. A unidade doméstica, composta pela casa de fora e pela capuova, foi a expressão material mais constante da agência humana na paisagem. Os processos de transformação da coivara se iniciaram na década de 1950, com a construção de rodovias e consequente diminuição do isolamento regional. A partir disso, a intensificação do corte de palmito e o estabelecimento da pecuária com a chegada dos grileiros, na década de 1970, levaram ao redirecionamento das atividades econômicas. Por consequência, ocorreu a diminuição da área das unidades agrícolas e do número de áreas sob cultivo. A partir da construção de uma escola no bairro, nos anos 70, ocorreu a concentração das residências em vila, que estimulou a concentração das unidades de cultivo ao redor. A intensificação da fiscalização ambiental na região, nos anos 80, passou a restringir as atividades locais de subsistência. Como resultado, observamos que duas tendências podem ser observadas atualmente: segmentação e homogeneização da paisagem em áreas destinadas ao manejo, por um lado, e o estabelecimento de uma formação de floresta madura, não mais passível de derrubada, por outro. Tal tendência pode resultar na diminuição da complexidade estrutural e da dinâmica ecológica da floresta local. Concluímos que, apesar da nova configuração espacial da coivara e da tendência à segmentação, a criação de pastagens e a extração de palmito parecem ser mais impactantes para a fragmentação da paisagem florestal. Por conta das mudanças levantadas, atualmente a população de São Pedro se depara com o desafio de combinar as restrições ambientais à necessidade de produzir itens com valor de mercado. Somado a isso, precisam reorganizar o trabalho coletivo e reformular a concepção local da paisagem e o seu uso para garantir, no futuro, sua permanência neste território.
Título em inglês
Social memory and historical ecology:slash and burn agriculture in the formation of an Atlantic rainforest area inhabited by quilombola communities, Ribeira Valley, Brazil
Palavras-chave em inglês
Atlantic rainforest
Coivara
Historical ecology
Landscape
Quilombola communities
Ribeira Valley
Slash and burn agriculture
Social memory
Resumo em inglês
The Atlantic Rainforest is one of the worlds most diverse and threatened biomes. The majority of its remnants are located at the Ribeira Valley (SP) where several of the States quilombola populations remain. The Valleys quilombos originated from a population of freed, abandoned or refugee slaves brought to the region in the beginning of the European colonization during the 16th century. The main subsistence strategy these populations have developed is the slash-and-burn agriculture (coivara), a system capable of proffering great heterogeneity to the forest landscape. However, the coivara system has been undergoing a transformation process in the last decades due to demographic increase, advance of the local economy and the implementation of environmental and political developmental legislation. The aim of this study is to understand how the coivara system has contributed to the forest landscape formation of the São Pedro quilombo community at the Ribeira Valley. A historic narrative of the processes that contributed to the systems transformation helps understand the changes in the local subsistence patterns and the way these changes reflect in the landscape. In order to do so, the local social memory was sought through ethnographic and oral history methods. Furthermore, monitored trails were carried out to study the environmental perception of landscape units and the spatial configuration of swidden and fallow plots. These methods allowed us to realize that, in the past, gap openings for crop cultures depended on a series of factors, such as: availability of social capital for labor, family demand on crop production, and economic ties with the regional market. Simultaneously, the landscape occupation was a product between the knowledge of the local ecological dynamics and the established social norms. The domestic unit, composed of the casa de fora and the capuova, was the most constant expression of human presence in the landscape. The coivara transformation processes began in the 1950s with road constructions decreasing the regions isolation. From then on, the intensification of palm-heart extraction and cattle ranching brought along with land grabbers in the 1970s, redirected the communities economic activities. As a consequence, both the number of cultivated areas and the area of each agricultural unit decreased. During the 70s, with the construction of a school in the region, the houses were displayed in a village form, which stimulated the concentration of cultivated units around it. Moreover, the intensification of environmental inspection in the region during the 80s restricted their local subsistence activities. As a result, two tendencies may be observed nowadays: segmentation and homogenization of the landscape into areas destined to management on one hand, and the establishment of a mature forest formation, unable to be cut down, on the other. This might result in a decrease of the structural complexity and ecological dynamics of the local forest. We conclude that, despite the new spatial configuration of the swidden plots and the tendency to segmentation, cattle grazing sites and palm-heart extraction seem to be most harmful, causing most of the forest landscape fragmentation. Due to these changes, the São Pedro community faces, nowadays, the challenge of combining their need to produce items with market value with the environmental restrictions brought upon them. Moreover, they must reorganize their collective labor activities and reformulate the local landscape conception and use to ensure, in the future, their permanence in that territory.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Munari.pdf (17.17 Mbytes)
Data de Publicação
2010-04-14
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.