• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.41.2000.tde-21022002-114235
Documento
Autor
Nome completo
Andréa Ramirez
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2000
Orientador
Banca examinadora
Saldanha, Pedro Henrique (Presidente)
Gattas, Gilka Jorge Figaro
Otto, Paulo Alberto
Título em português
Análise de células metanucleadas de alcoólicos portadores de carcinomas orais.
Palavras-chave em português
álcool
carcinoma oral
micronúcleos
Resumo em português
O teste do micronúcleo (MN) vem sendo utilizado omo indicador de exposição genotóxica uma vez que sua ocorrência está associada às aberrações cromossômicas. Comparou-se a frequência de MN de 30 pacientes alcoólicos crônicos portadores de carcinomas orais e orofaríngeos, nos quais o consumo de álcool variou de quatro à 59 anos, com a de 30 indivíduos abstinentes de semelhante nível sócio-econômico. A diferença (14,5 anos) entre a média da idade dos pacientes (52,9 ± 1,6) e a dos controles (38,4 ± 1,5) foi estatisticamente significante (P< 0,0001). A pesquisa consiste na análise de 2000 células de escamação da mucosa oral de três regiões distintas da boca de pacientes e controles: ao redor da lesão (B), na região contra-lateral à lesão (A) e na região fundo de saco gengivo-labial superior (C), previamente considerada controle devido à baixa incidência de tumores. As células foram fixadas, coradas e analisadas em "teste cego" através de técnica modificada e adaptada aos requisitos específicos da pesquisa. O número de MN por 2000 células por indivíduo nos pacientes, assim como nos controles mostrou uma distribuição de Poisson com dispersão assimetricamente positiva, e aumento da variância nos pacientes. A distribuição de anomalias metanucleares também exibiu desvios significantes da dispersão normal. A heterogeneidade da frequência de MN nas três regiões orais dos pacientes, avaliada através do teste de Kruskal-Wallis, mostrou-se extremamente significante (P = 0,005). Enquanto a comparação entre as regiões B vs C foi estatisticamente significante (P < 0,01), as comparações entre as regiões A vs B ou A vs C (P > 0,05) não revelaram diferenças estatisticamente significante através do teste de comparação múltipla de Dunn. As comparações das diferençasnas frequências de MN resultantes do emparelhamento entre as três regiões orais (A-B, A-C, BC), aumentou o nível de significância dos resultados quanto à heterogeneidade regional (P = 0,0003) e tornou a comparação A vs C estatisticamente significante. Entretanto, a análise da variância não paramétrica da distribuição de MN nas três regiões orais dos controles não indicou heterogeneidade (P = 0,943). As frequências de MN e de células metanucleadas nas regiões orais dos pacientes também foram comparadas à dos controles através do teste de Mann-Whitney. A diferença na região tumoral foi extremamente significante (P < 0,001) e, significante na região oposta à lesão (P = 0,03) porém não significante na região fundo de saco gengivo-labial superior (P = 0,44). Esses resultados indicam um aumento de sete vezes na frequência de MN ao redor da lesão, três vezes na região oposta à lesão e duas vezes, embora não estatisticamente significante, na região fundo de saco gengivo-labial superior, revelando um gradiente na frequência de MN no sentido C -> A -> B. Comparações das frequências de células metanucleadas: binucleadas (BI), cariorréxes (CR), cariólises (CL) e broken egg (BE) nas três regiões orais de pacientes e controles, revelaram diferenças extremamente significantes, com exceção apenas de BE, em todas as regiões orais e de CR na região fundo de saco gengivo-labial superior. As comparações dicotômicas das variáveis independentes não paramétricas com a frequência de MN através dos testes de contingência e Mann-Whitney, não foram estatisticamente significantes ao nível de 5% de probabilidade, com exceção de uma única questão do questionário de diagnóstico do alcoolismo CAGE, que confirmou o efeito do álcool. Ao contrário dos resultados esperados, as frequências de MN e anomalias metanucleares não mostraram associações significantes com a idade tanto nos pacientes como nos controles. Ainda mais, a análise de regressão múltipla escalonada da frequência de células com MN ou anomalias metanucleares sobre fatores intervenientes, como idade, fim e tempo de consumo de álcool e tempo de uso de tabaco, nos pacientes, revelou coeficientes de regressão pequenos e negativos, mas significantes. Já os coeficientes de regressão da variável CL sobre o consumo de álcool foi significantemente pequeno, mas positivo, com ou sem transformação das frequências das variáveis dependentes através da raiz quadrada. Entretanto, os resultados da análise de regressão dos pacientes, aparentemente contraditórios, podem ser explicados supondo-se que as frequências de MN, durante a exposição crônica ao álcool, teriam um forte aumento inicial, diminuindo posteriormente até um nível significantemente maior que aquele no início do consumo de álcool; por outro lado, a frequência de CL aumentaria inversamente como resultado da transformação de MN durante o processo de reparo. Pode-se deduzir a partir resultados da presente pesquisa que a análise de células com MN e anomalias metanucleares devem levar em consideração critérios de padronização citológicos rígidos. O número de células a ser contado deve ser fixo e superior a 2000 de modo que inclua a variabilidade normal (espontânea) da distribuição de MN e, ainda, eliminar viéses estatísticos na estimativa de suas frequências. Ainda, o tamanho da amostra deve ser superior à 30 indivíduos, a fim de assegurar a representatividade estatística. A significância das diferenças inter-grupais deve ser estimada através de testes não paramétricos. Além disso, análises intra-individuais (ou inter-regionais) bem como a utilização de controles específicos inter-individuais pareados quanto aos fatores intervenientes (sexo, idade, grupo étnico, nível sócio-econômico, etc.) deveriam ser práticas metodológicas usuais. Como conclusão, o teste do MN deve ser considerado como uma técnica de triagem simples, prática, econômica e não invasiva para a prevenção e monitoramento clínicos de indivíduos sob risco carcinogênico, após exposição à agentes ou situações genotóxicas, como consumo crônico e abusivo de álcool, tabaco e/ou outras drogas mutagênicas, ou ainda, manipulação profissional de derivados de petróleo e outras substâncias tóxicas industriais. No contexto da presente investigação, o teste do MN deve ser particularmente indicado para monitoramento da evolução clínica de indivíduos com tumores ou lesões leucoplásicas curadas ou removidas cirurgicamente ou após tratamentos quimo ou radioterápicos, através de comparações intra e interindividuais.
Título em inglês
Analysis of metanucleated cells from alcoholics bearing oral carcinomas.
Palavras-chave em inglês
alcohol
micronuclei
oral carcinoma
Resumo em inglês
Micronucleus (MN) test has been used as an indicator of genotoxic exposition since it is associated with the occurrence of chromosomal aberrations. The frequency of MN among 30 subjects with oral and oropharyngeal carcinomas, whose alcohol consumption varied from four to 59 years, was compared to that of 30 healthy control individuals, abstinent for alcohol and matched for social-economic status. Difference (14.5 years)between average age of patients (52.9 ± 1.6) and that of controls (38.4 ± 1.5) was statistically significant (P <0.0001). The investigation includes the examination of 2000 cells per individual from each of three distinct areas in the mouth of patients and controls: around the lesion (B), opposite to the lesion (A) and in the upper gengivo-labial gutter (C) taken as control site because of its low tumour occurrence. The cells were fixed, dried and analyzed under "blind test", according to the technique of Sarto, modified and fitted strictly to the requirements of the research. The number of MN per 2000 cells per individual among patients as well as controls showed a Poisson distribution with a positively asymmetric dispersion and an increased variance among patients. Distribution of metanucleated cells also departed significantly from normal dispersion. The heterogeneity of MN in the three oral regions of patients, evaluated through Kruskal-Wallis test, was highly significant (P = 0.005) and pairwise comparison B vs C was statistically significant (P < 0.01) but not comparisons between A vs B or A vs C (P > 0.05), through Dunn´s multiple comparison test. Comparisons of pairwise inter-regional oral differences of MN frequencies (A-B, A-C, B-C), increased the significance levels of the results for regional heterogeneity (P =0.0003) becoming also the comparison A vs C statistically significant. Otherwise, non parametric analysis of variance of the MN distribution in the three oral regions of the controls indicated great statistical homogeneity (P = 0.943). Frequencies of MN and metanucleated cells in the oral regions of patients were also compared to those of controls, through Mann-Whitney test. Differences were highly significant (P< 0.001) for tumoral region and significant for the region opposite to the lesion (P = 0.03) but not for the upper gengivo-labial gutter (P = 0.44). These results indicated a seven-time increase in the frequency of MN in the region around the lesion, a three-time increase in the opposite region and a two-time but non significant increase in the upper gengivo-labial gutter, revealing a gradient frequency in the way C -> A -> B. Comparisons of frequencies of metanucleated cells: binucleated (BI), cariorrhexis (CR), cariolisis (CL) and broken egg (BE) in the three oral regions, between patients and controls, showed highly significant differences, except for BE frequencies in all oral regions and for CR frequency in the upper gengivo-labial gutter. Dichotomous comparisons of non parametric independent variables, with MN frequencies, through contingency and Mann-Whitney tests, were not significant at 5% level of probability, except for CAGE diagnosis of alcoholism, which confirmed the alcohol effect. Contrary to the expected results, sistematically frequencies of MN and metanucleated cells were not significantly correlated to age among patients as well as controls. Moreover, stepwise multiple regression analysis of MN and metanucleated cells in the patients revealed small negative,but significant, regression coefficients upon intervinient factors such age, end and time of alcohol consumption and time of tobacco usage, but regression coefficients of CL, upon alcohol consumption, were significantly small, but positive, before or after square root transformation of dependent variables. However, the apparently contradictory results from analysis of regression among patients could be explained by the assumption that frequencies of MN, under alcohol exposure, had a early strong increase, but decreased, afterwards, to a level significantly greater than that before alcohol consumption, while CL frequency conversely increased significantly as a result from MN transformation, during the repair process. It could be stated from the results of the present research that examination of cells with MN and metanucleated anomalies should follow critical and strict cytological criteria of standardization. The number of cell counts should be fixed and above 2000 in order to include normal (spontaneous) variability in the distribution of MN and, therefore, to prevent biases in the estimation of its frequencies. Also, sample size should be above 30 individuals, so that the statistical representativity be assured and significance of intergroup differences, could be estimated through non parametric tests. Moreover, intra-individual (or intra-regional) examinations and specific interindividual controls matched for intervinient factors (sex, age, etnic group, socio-economic level,etc.) should be an usual methodological practice. As a conclusion, it must to be considered that MN test is a simple, practical, non-expensive and non-invasive screening technique of diagnosis for clinical prevention and management of subjects under carcinogenic risks, after exposition to genotoxical agents or situations, such as abusive and chronical consumption of alcohol, tobacco and/or other mutagenic drugs or professional manipulation of derivatives of petroleum and other toxical industrial substances. In the context of the present investigation, the MN test must particularly be indicated for monitoring the clinical evolution of subjects with healed or surgically removed tumours or leukoplasic lesions, after chemio or radiotherapic treatments, by means of intra and inter-individual cellular comparisons.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
01tde.pdf (269.59 Kbytes)
02tde.pdf (1.57 Mbytes)
Data de Publicação
2002-04-26
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.