• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.39.2015.tde-27112015-152350
Documento
Autor
Nome completo
Mayara Vieira Damasceno
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2015
Orientador
Banca examinadora
Bertuzzi, Rômulo Cássio de Moraes (Presidente)
Araujo, Gustavo Gomes de
Oliveira, Fernando Roberto de
Silva, Adriano Eduardo Lima da
Tricoli, Valmor Alberto Augusto
Título em português
Influência do treinamento de força sobre a estratégia de prova e o desempenho de corredores de longa distância em um teste contrarrelógio de 10 km
Palavras-chave em português
Corredores recreacionais; Desempenho; Economia de corrida; Força dinâmica máxima; Teste progressivo máximo
Resumo em português
O objetivo do presente estudo foi analisar o impacto de oito semanas de um programa de treinamento de força sobre a estratégia de prova e o desempenho de corredores de longa distância durante uma prova contrarrelógio de 10 km. Antes e após a fase de intervenção com o programa de treinamento de força, dezoito corredores recreacionais divididos nos grupos treinamento (GT) (n = 9) e controle (GC) (n = 9) foram submetidos aos seguintes testes: a) antropometria e teste progressivo até a exaustão voluntária, b) teste com velocidade submáxima constante, c) simulação de uma prova de 10 km para análise da estratégia de prova, d) teste de drop jump, e) teste de wingate, f) teste de uma repetição máxima (1RM) e g) teste de tempo limite. A atividade eletromiográfica dos músculos vasto medial e bíceps femoral foi medida durante o teste de 1RM. No GT, a magnitude de melhora para o 1RM (23,0 ± 4,2%, P = 0,001), drop jump (12,7 ± 4,6%, P = 0,039), e velocidade de pico na esteira (2,9 ± 0,8%, P = 0,013) foi significativamente maior em relação ao GC. Este aumento do 1RM para o GT foi acompanhado por uma tendência a uma maior atividade eletromiográfica (P = 0,080). A magnitude de melhora no desempenho na prova de 10 km foi maior (2,5%) no GT que no GC (-0,7%, P = 0,039). O desempenho foi melhorado principalmente devido a velocidades mais elevadas durante as últimas sete voltas (últimos 2800 m) da prova de 10 km. No entanto, não houve diferenças significativas antes e após o período de treinamento para o padrão de estratégia de prova utilizada, consumo máximo de oxigênio, ponto de compensação respiratória, economia de corrida e desempenho anaeróbio para ambos os grupos (P > 0,05). Em conclusão, estes resultados sugerem que, embora um programa de treinamento de força não altere a estratégia de prova adotada, ele oferece um potente estímulo para combater a fadiga durante as últimas partes de uma corrida de 10 km, resultando em um melhor desempenho total
Título em inglês
Influence of strength training on pacing strategy and performance in long distance runners in a 10-km running time trial
Palavras-chave em inglês
Maximal dynamic strength; Maximal incremental treadmill test; Performance; Recreational runners; Running economy
Resumo em inglês
The aim of the present study was to analyze the impact of an 8-week strength-training program on performance and pacing strategy adopted by runners during a self-paced endurance running. Eighteen endurance runners were allocated into either strength training group (STG, n = 9) or control group (CG, n = 9) and performed the following tests before and after the training period: a) anthropometric measures and maximal incremental treadmill test, b) running speed-constant test, c) 10-km running time trial, d) drop jump test, e) 30-s Wingate anaerobic test, f) maximum dynamic strength test (1RM), g) time to exhaustion test. Electromyographic activity of vastus medialis and biceps femoris was measured during 1RM test. In the STG, the magnitude of improvement for 1RM (23.0 ± 4.2%, P = 0.001), drop jump (12.7 ± 4.6%, P = 0.039), and peak treadmill speed (2.9 ± 0.8%, P = 0.013) was significantly higher compared to CG. This increase in the 1RM for STG was accompanied by a tendency to a higher electromyographic activity (P = 0.080). The magnitude of improvement for 10-km running performance was higher (2.5%) for STG than for CG (-0.7%, P = 0.039). Performance was improved mainly due higher speeds during the last seven laps (last 2800 m) of the 10-km running. Nevertheless, there were no significant differences between before and after training period for pacing strategy, maximal oxygen uptake, respiratory compensation point, running economy, and anaerobic performance for both groups (P > 0.05). In conclusion, these findings suggest that, although a strength-training program does not alter the pacing strategy, it offers a potent stimulus to counteract fatigue during the last parts of a 10-km running, resulting in an improved overall running performance
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-12-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.