• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.27.2018.tde-03102018-153222
Documento
Autor
Nome completo
Danielle Edite Ferreira Maciel
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Frederico, Celso (Presidente)
Arantes, Paulo Eduardo
Paulino, Roseli Aparecida Figaro
Rizek, Cibele Saliba
Rodrigues, Silvia Viana
Romancini, Richard
Título em português
A rebelião do público-alvo e a crise da tecnologia social de pacificação: luta no Programa Fábricas de Cultura.
Palavras-chave em português
Fábricas de Cultura
Identidade Periférica
Juventude
Pacificação
Política Cultural
Resumo em português
Esta tese examina o contexto e os sentidos políticos da implementação de um programa público cultural criado em 2004 como fruto de uma parceria entre a Secretaria Estadual de Cultura (SEC) do estado de São Paulo e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID): o Programa Fábricas de Cultura. A pesquisa procura demonstrar de que maneira a política pública dirigida para a juventude pobre das periferias pôde, desde sua concepção, operar enquanto uma 'tecnologia social de pacificação', com vistas a incrementar mecanismos de controle e antecipar-se a possíveis conflitos e insurgências dessas populações territorializadas. A análise é feita à luz de um processo de luta que aprendizes e arte-educadores vinculados às Fábricas de Cultura travaram em 2016, no curso da pesquisa, contra as diretrizes e os gestores da Organização Social responsável pela administração de cinco das dez unidades do programa. Dessa maneira, foi possível apreender as características e contradições do programa dentro de um quadro de modificações por que forçosamente passou aquilo que entendemos ser uma forma específica de gerenciamento dos conflitos de classe, a que chamamos de "consenso à base da pacificação dos conflitos sociais", que se consolidara na últimas décadas. Em torno de uma coalizão que unia organismos multilaterais, Estados e organizações da sociedade civil, esse consenso efetivou-se por meio de um conjunto de técnicas de gestão que acabou por embaralhar as diferenças entre direita e esquerda, difundindo-se por estratégias voltadas para "a redução da pobreza", "segurança", "oportunidades" e "inclusão social". Nesse sentido, o Programa Fábricas de Cultura se apresenta como resultado desse processo que transfigurou setores de classe em públicosalvo, esquadrinhados pelas políticas sociais focalizadas. A investigação observa, no entanto, que a efetividade de tal consenso pacificador sempre estivera lastreada por tecnologias de guerra, com as quais mantém relação de alternância e complementariedade. A tese então argumenta que a aposta na formação cultural, como maneira de apassivar a juventude e reforçar identidades culturais territorializadas, alimentou, em seu subterrâneo, uma rebelião que se voltou contra esse projeto, demonstrando seus limites e forçando um ponto de inflexão que parece apontar para a crise da tecnologia social de pacificação.
Título em inglês
The target audience´s rebelion and the crisis of the social technology of pacification: struggle on the Factories of Culture Program.
Palavras-chave em inglês
Cultural Policy
Factories of Culture
Pacification
Peripheral Identity
Youth
Resumo em inglês
This thesis examines the context and political meanings of the implementation of a public cultural program created in 2004 as a result of a partnership between the State Secretariat of Culture (SEC) of the state of São Paulo and the Inter-American Development Bank (IDB): Factories of Culture Program. The research seeks to demonstrate in which ways the public policy directed at the poor youth of the peripheries operated, from its conception, as a 'social technology for pacification', designed to increase mechanisms of control and anticipate possible conflicts and insurgencies arising from this population. In the course of research, apprentices and art educators from the Factories of Culture took part on a struggle against the guidelines and managers of the (private) Social Organization responsible for five out of the ten units of the program. This analysis is made in light of this conflict. In this way, it was possible to apprehend the characteristics and contradictions of the program within a framework of modifications it was forced to go through. This policy is here considered to be a specific form of management of class conflicts consolidated in the last decades, which we call "consensus based on the pacification of social conflicts". Around a coalition that united multilateral organizations, states and civil society organizations, this consensus was achieved through a set of management techniques that shuffled the differences between right and left, and spread through strategies aimed at "poverty reduction", "security", "opportunities" and "social inclusion". In this sense, the Factories of Culture Program presents itself as a result of a process that has transfigured class sectors into target audiences, scrutinized by focused social policies. The research, however, observes that the effectiveness of such a pacifying consensus had always been supported by war technologies, with which it maintains a conection of alternation and complementarity. The thesis then argues that the commitment to cultural formation, as a way to pacificate the youth and reinforce territorialized cultural identities, helped to feed a rebellion that turned against the project, demonstrating its limits and forcing a inflection point that seems to indicate a crisis of the social technology for pacification.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-10-03
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.