• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.25.2014.tde-11042015-085359
Documento
Autor
Nome completo
Carolina Carmo de Menezes
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Bauru, 2014
Orientador
Banca examinadora
Janson, Guilherme dos Reis Pereira (Presidente)
Carreira, Daniela Gamba Garib
Lauris, Rita de Cássia Moura Carvalho
Poleti, Thais Maria Freire Fernandes
Vedovello, Silvia Amelia Scudeler
Título em português
Relação entre o movimento ortodôntico vestibular dos incisivos inferiores e características do osso alveolar vestibular e lingual: avaliação por meio da tomografia computadorizada cone-beam
Palavras-chave em português
Movimentação dentária
Periodonto e tomografia computadorizada de feixe cônico
Resumo em português
Introdução: O objetivo principal desta pesquisa foi avaliar as características do osso alveolar vestibular e lingual, na região ântero-inferior, em pacientes que realizaram tratamento ortodôntico corretivo não cirúrgico da má oclusão de Classe II. Material e Métodos: A amostra foi constituída de 32 pacientes divididos de acordo com a inclinação vestibular dos incisivos inferiores em dois grupos: Grupo Experimental que protruíram ou inclinaram os incisivos para vestibular em 1,5 mm e/ou 10o ou mais e Grupo Controle que protruíram ou inclinaram os incisivos para vestibular menos de 1,5 mm e/ou 10o. Estes grupos foram compatibilizados de acordo com a idade, sexo e padrão facial. O nível da crista óssea alveolar vestibular e lingual, a espessura da tábua óssea vestibular e lingual na metade e no ápice radicular, assim como a presença ou ausência de deiscências e fenestrações foram avaliados nos cortes parassagitais em imagens de tomografia computadorizada cone-beam, realizadas após um ano da remoção do aparelho fixo, na região dos seis dentes anteriores inferiores. A comparação intergrupos foi realizada por meio do teste t e o teste de Mann-Whitney para as avaliações quantitativas e pelo teste Exato de Fisher para as avaliações qualitativas (p<0,05). Verificou-se a correlação entre as medidas quantitativas e a quantidade de protrusão/inclinação vestibular dos incisivos inferiores por meio dos testes de Pearson e de Spearman. Resultados: O grupo experimental demonstrou espessura da tábua óssea vestibular no nível apical maior para os incisivos centrais, e espessura da tábua óssea lingual no nível apical menor para os incisivos centrais, laterais e caninos, em relação ao grupo controle. Maior número de deiscências na lingual dos incisivos centrais e fenestrações na vestibular dos incisivos laterais foi encontrado para o grupo experimental em comparação ao grupo controle. No nível apical dos incisivos centrais e caninos, quanto maior a quantidade de inclinação vestibular e protrusão dos incisivos inferiores durante o tratamento, menor espessura da tábua óssea lingual e maior espessura da tábua óssea vestibular. Conclusões: O grau de protrusão dos incisivos inferiores apresentou influência sobre a espessura da tábua óssea ao nível do ápice radicular dos dentes anteriores. Somente deiscências linguais e fenestrações ósseas vestibulares foram observadas com mais frequência no grupo tratado com significante protrusão dos incisivos.
Título em inglês
Labial movement of the mandibular incisors and tomographic characteristics of the labial and lingual alveolar bone
Palavras-chave em inglês
Periodontium and cone-beam computed tomography
Tooth movement
Resumo em inglês
The aim of this study was to assess the morphology of the mandibular incisors labial and lingual alveolar bone in patients who underwent Class II nonsurgical orthodontic treatment. The sample comprised 32 patients who were divided into two groups according to the amount of labial protrusion of the mandibular incisors: the experimental group (EG) - which protruded or labially tipped the incisors 1.5 mm and/or 10o or more; and the control group (CG) - which protruded or labially tipped the incisors less than 1.5 mm and/or 10o. These groups were matched according to age, sex and facial pattern. Measurements of the vertical alveolar bone level and alveolar bone thickness of the labial and lingual plate, as well as the presence and absence of dehiscences and fenestrations were evaluated in cone-beam computed tomography cross-sectional images of the six mandibular anterior teeth, taken one year after appliance removal. Intergroup comparisons were performed using Mann-Whitney and t tests for quantitative assessments and Fisher Exact Test for qualitative assessments. Correlation between quantitative measures and the amount of protrusion/labial inclination of the mandibular incisors was evaluated with Pearson and Spearman tests. The experimental group showed significant greater thickness of the apical buccal bone plate of the central incisors and smaller thickness of the apical lingual bone plate of the central incisors, lateral incisors and canines. Greater number of lingual dehiscences in the central incisors and labial fenestrations in the lateral incisors was found for the experimental group. At the apical level of the central incisors and canines, the greater the amount of labial inclination and protrusion of the mandibular incisors during treatment, the smaller was the lingual bone plate thickness and greater was the thickness of the labial bone plate. The protrusion degree of the mandibular incisors influenced the apical bone plate thickness of the anterior teeth. Only lingual dehiscences and labial bone fenestrations were more frequently observed in the group treated with significant protrusion of the incisors.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-04-15
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.