• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.25.2015.tde-03062015-082215
Documento
Autor
Nome completo
Janine Santos Ramos
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Bauru, 2015
Orientador
Banca examinadora
Feniman, Mariza Ribeiro (Presidente)
Gielow, Ingrid
Silverio, Kelly Cristina Alves
Título em português
Correlação entre voz e processamento auditivo
Palavras-chave em português
Disfonia
Percepção auditiva
Transtornos da percepção auditiva
Voz
Resumo em português
Introdução: A literatura revela que há uma possível relação entre processamento auditivo e as disfonias no que se refere principalmente a parâmetros acústicos da voz (frequência, intensidade e duração). Desta forma, um paciente que apresenta dificuldades auditivas para analisar e discriminar um desses parâmetros, provavelmente também apresente dificuldade para reproduzi-los vocalmente, o que justificaria a não evolução do processo terapêutico. Na clínica vocal, a avaliação da reprodução tonal vocal poderia auxiliar a identificação de dificuldades do paciente disfônico que pudessem estar relacionadas com alterações do processamento auditivo, contribuindo com o diagnóstico fonoaudiológico diferencial. Objetivo: Comparar o desempenho de mulheres disfônicas e sem alterações vocais em testes de processamento auditivo e teste de reprodução tonal vocal e correlacionar os testes de processamento auditivo utilizados com o teste de reprodução tonal vocal. Metodologia: Participaram do estudo 40 mulheres, na faixa etária de 18 a 44 anos, sendo subdivididas em dois grupos: Grupo Disfônico (20 Disfônicas) e Grupo Não Disfônico (20 Não Disfônicas). Após a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, as participantes do estudo passaram por entrevista, avaliação audiológica, otorrinolaringológica, vocal (registro da voz; avaliação da reprodução tonal vocal por meio da fonetografia) e avaliação do processamento auditivo - por meio dos testes de Padrão de Frequência (TPF) e Padrão de Duração (TPD) sonora, teste de Fala Comprimida-monossílabos e dissílabos (TFC-mono/TFC-di) e teste Dicótico Não Verbal (TDNV). A análise estatística foi realizada por meio dos seguintes testes: Mann-Whitney, Teste exato de Fisher e Correlação de Spearman. Resultados: Houve diferença estatisticamente significante na comparação do desempenho de disfônicas e não disfônicas nos testes TPF e TFC-monossílabos e no teste de reprodução tonal vocal, no qual as não disfônicas obtiveram melhor desempenho. Houve correlação positiva entre o TPF, TPD, TFC (monossílabos e dissílabos) com o teste de reprodução tonal vocal. Conclusões: Mulheres disfônicas apresentam alterações em algumas habilidades do processamento auditivo, como: discriminação de padrões de som relacionados à frequência sonora e habilidade de fechamento auditivo, revelando relação importante entre produção vocal e comprometimento de funções auditivas centrais. Essas alterações revelam a necessidade de um diagnóstico mais abrangente frente às disfonias, considerando-se o processamento auditivo. Mulheres disfônicas apresentaram desempenho inferior às mulheres não disfônicas na primeira tentativa e no total de tentativas do Teste de Reprodução Tonal Vocal. Desta forma, o fonoaudiólogo deve considerar na terapia vocal a importância da apresentação/repetição de pistas auditivas para facilitar a execução de alguns exercícios vocais, e favorecer um bom desempenho e o avanço na terapia de mulheres disfônicas. Quanto melhor o desempenho nos testes de processamento auditivo, melhor o desempenho de reprodução tonal vocal de disfônicas e não disfônicas. O teste de reprodução tonal vocal pode auxiliar fonoaudiólogos e preparadores vocais na verificação de possíveis dificuldades de percepção auditiva em mulheres disfônicas.
Título em inglês
Correlation between voice and auditory processing
Palavras-chave em inglês
Auditory perception
Auditory perceptual disorders
Dysphonia
Voice
Resumo em inglês
Introduction: The literature reveals a possible relationship between auditory processing and dysphonia particularly with regard to acoustic voice parameters (frequency, intensity and duration). Therefore, a patient who has hearing difficulties to analyze and discriminate one of these parameters, probably also present difficulty to reproduce them vocally, which could explain the lack of progress of the therapeutic process. In vocal practice, the evaluation of vocal tonal reproduction could help to identify dysphonic patient difficulties that could be related to auditory processing disorders, contributing to the speech differential diagnosis. Aim: To compare the performance of dysphonic women without vocal alterations in auditory processing tests and vocal tonal reproduction test and correlate the auditory processing tests used with the vocal tonal reproduction test. Methodology: The study included 40 women, aged 18-44 years, divided into two groups: Group Dysphonic (20 dysphonic) and Group not Dysphonic (20 not dysphonic). After signing the Free Informed Consent Form, the study participants underwent an interview, audiological evaluation, otorhinolaryngological, Vocal (voice record, assessment of vocal tonal reproduction through phonetography) and auditory processing evaluation - through sonorous test of Pitch Pattern Sequence (PPS) and Duration Pattern Sequence (DPS), Time-Compressed Speech test- monosyllabic and disyllabic lists (TCS- mono/TCS-di) and Non-Verbal Dichotic Test (NVDT). Statistical analysis was performed using the following tests: Mann-Whitney test, Fisher exact test and Spearman correlation. Results: There were significant differences in the comparison of performance of dysphonic and not dysphonic in PPS test and TCS-monosyllables test and vocal tonal reproduction test, in which the non-dysphonic performed better. There was a positive correlation between the PPS, DPS, TCS (monosyllabic and disyllabic) with the vocal tonal reproduction test. Conclusions: Women dysphonic present alterations in some auditory processing abilities, such as: discrimination of sound patterns related to sound frequency and auditory closure skill, revealing important relationship between vocal production and commitment of central auditory function. These alterations reveal the need for a more comprehensive diagnostic front to dysphonia, considering the auditory processing. Dysphonic women presented lower performance than non-dysphonic women on the first try and the total attempts reproduction Tonal Vocal Test. Thus, the speech pathologist should consider in voice therapy the importance of presentation/repeat auditory cues to facilitate the implementation of some vocal exercises, and encourage good performance and progress in the dysphonic women therapy. The better the performance in auditory processing tests, better the performance of vocal tonal reproduction of dysphonic and not dysphonic. The vocal tonal reproduction test can aid speech and vocal trainers to check possible difficulties in auditory perception in dysphonic women.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-06-08
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.