• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.25.2000.tde-19032005-102509
Documento
Autor
Nome completo
Karina Santana Cruz
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Bauru, 2000
Orientador
Banca examinadora
Janson, Guilherme dos Reis Pereira (Presidente)
Gondim, Pedro Paulo Costa
Henriques, Jose Fernando Castanha
Título em português
Avaliação das alterações dentoesqueléticas decorrentes do tratamento da má oclusão de classe II, subdivisão nas radiografias submentoniana e póstero-anterior
Palavras-chave em português
alterações dentoesqueléticas
maloclusão de angle classe II
oclusão dentária
ortodontia
radiografia submentoniana
Resumo em português
O objetivo deste trabalho foi avaliar as alterações dentoesqueléticas decorrentes do tratamento ortodôntico com extrações assimétricas de pacientes com má oclusão de Classe II, subdivisão de Angle, em relação a um grupo controle de oclusão normal. A amostra consistiu de três grupos, com 30 pacientes cada, apresentando as seguintes características: grupo 1 - jovens com Classe II, subdivisão, não tratados; grupo 2 - jovens com Classe II, subdivisão, tratados com extrações assimétricas; grupo 3 - jovens com oclusão normal. Todos apresentavam os dentes permanentes superiores e inferiores, em ambos os arcos dentários, até os primeiros molares, no início do tratamento. A idade média da amostra foi de 15,76, 18,57 e 22,42 anos nos grupos de Classe II, subdivisão não tratado, Classe II, subdivisão tratado e oclusão normal, respectivamente. Medidas de diferenças relativas da posição espacial de pontos dentários e esqueléticos bilaterais foram obtidas nas radiografias submentoniana e póstero-anterior. O teste t para amostras independentes foi utilizado para comparar os grupos 1 e 2 com o grupo 3, em tempos diferentes. Considerou-se que o grupo 2 tinha apresentado uma melhora se as variáveis do grupo 1, que tiveram uma diferença estatisticamente significante com o grupo 3, não fossem estatisticamente diferentes do grupo com oclusão normal. Os resultados nas radiografias submentonianas demonstraram que as extrações assimétricas nas más oclusões de Classe II, subdivisão acentuaram as diferenças nas posições ântero-posteriores direita e esquerda, dos primeiros molares superiores e inferiores, como esperado com estes protocolos de extrações. Não houve alterações esqueléticas significantes que pudessem ser atribuídas às formas de tratamento investigadas e nem efeitos colaterais transversais com as mecânicas assimétricas empregadas. Também foi demonstrado que o tratamento da Classe II subdivisão com extrações assimétricas normaliza o posicionamento das linhas médias superior e inferior sem causar inclinação do plano oclusal ou de qualquer outro plano horizontal pesquisado, na análise da radiografia póstero-anterior. Portanto, concluiu-se que o tratamento da Classe II, subdivisão com extrações assimétricas constitui uma modalidade terapêutica válida para a solução deste problema.
Título em inglês
“Evaluation of dentoskeletal treatment changes in Class II, subdivision malocclusion in the submentovertex and posteroanterior radiographs”
Resumo em inglês
The objective of this work was to evaluate the dentoskeletal changes consequent to orthodontic treatment in subjects with Angle's Class II subdivision malocclusions, treated with asymmetric extractions, as compared to a normal occlusion control group. The sample consisted of three groups, with 30 subjects in each: group 1 consisted of untreated Class II, subdivision subjects; group 2 had Class II, subdivision subjects after treatment with asymmetric extractions and group 3 consisted of normal occlusion subjects. All possessed a full complement of permanent teeth including first molars, at the beginning of treatment. The average age of subjects was 15.76, 18.57 and 22.42 years in the untreated, in the treated Class II, subdivision groups and in the normal occlusion group, respectively. Measurements of relative difference in spatial position of dental and skeletal bilateral landmarks were obtained from the submentovertex and posteroanterior cephalometric radiographs. The t test for independent samples was used to compare groups 1 and 2 with group 3 at different times. Group 2 was considered to have experienced an improvement if the variables of group 1 that had a statistically significant difference with group 3 were not statistically different from the normal occlusion control sample. Results in the submentovertex radiograph demonstrated that asymmetric extractions in Class II, subdivision malocclusions will accentuate the differences in the anteroposterior positions of right and le ft, upper and lower first molars, as would be expected with this treatment protocol. There were no significant skeletal changes that could be attributed to the treatment approaches investigated nor transversal colateral effects with the asymmetric mechanics employed. It was also demonstrated that treatment of Class II, subdivision malocclusions with asymmetric extractions produced corrections of upper and lower dental midline deviations with the midsaggital line, without canting the occlusal plane as well as any other investigated horizontal plane, in the PA radiograph. Therefore, it was concluded that treatment of Class II, subdivision malocclusions with asymmetric extractions constitute a beneficial approach to this problem.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
KarinaSantanaCruz.pdf (1.55 Mbytes)
Data de Publicação
2005-04-04
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.