• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.25.2005.tde-11102007-150433
Documento
Autor
Nome completo
Érica Noce
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Bauru, 2005
Orientador
Banca examinadora
Rosa, Odila Pereira da Silva (Presidente)
Costa, Beatriz
Silva, Salete Moura Bonifacio da
Título em português
Aquisição de Estreptococos mutans e periodontopatógenos por primogênitos de 7-19 meses de idade: estudo longitudinal em famílias
Palavras-chave em português
Cárie dentária (microbiologia)
Doenças periodontais (microbiologia)
Estreptococos mutans
Resumo em português
A colonização bucal por patógenos, como os estreptococos mutans (EM) e Porphyromonas gingivalis, microrganismos associados respectivamente à cárie e à doença periodontal, é pré-requisito para o desenvolvimento dessas doenças multifatoriais. Este estudo longitudinal investigou o momento de aquisição e a estabilidade de colonização de EM e de periodontopatógenos BANA-positivos (P.gingivalis, T.denticola e T.forsythensis), bem como de fatores facilitadores, em 14 primogênitos que tinham no início do estudo (visita 1), 7-8 meses de idade. A amostra, selecionada com base na positividade das mães para EM, foi composta por 14 famílias, constituídas do pai, mãe, bebê e avó ou tia, quando presente na mesma residência. Na visita 1, nos adultos foram feitos exames clínico e radiográfico para cárie, determinação do índice de sangramento papilar (ISP), teste BANA em amostras subgengivais e língua, colheita de saliva estimulada para avaliar os níveis de EM e, aplicados questionários sobre hábitos de risco de transmissão, alimentação e higiene dos bebês e saúde, condições socioeconômicas e educacionais das famílias; na visita 2, foram repetidos nos adultos o exame clínico de cárie e a colheita de saliva para contagem de EM. O teste BANA foi reaplicado nas visitas 2 e 3 somente nas mães. Nos bebês foram investigadas a presença e porcentagem de EM na saliva não estimulada, a presença de dentes, e o teste BANA lingual nas 3 visitas. Com exceção de um pai, negativo para EM, todos os pais e mães apresentaram EM nas duas visitas. Não houve diferença nos índices CPOS, ISP e IG e total de testes BANA positivos entre mães e pais. Somente na visita 3, três das 14 crianças (21,4%) se tornaram EM-positivas, com contagens > 1.000.000/ml de saliva. Ficou evidenciado que a mãe é o membro da família a ser investigado, para avaliar a possibilidade de aquisição de EM pelo filho. As condições que pareceram mais associadas à positividade das crianças foram atividade de cárie recente e elevados níveis salivares de EM nas mães. Mesmo elas, porém, devem ser acompanhadas pela maior parte das seguintes condições: baixa condição sócio-econômica e educacional, muitos hábitos de risco para a transmissão, higiene bucal deficiente e uso desnecessário ou freqüente do açúcar, para garantir a associação. Nenhum bebê foi colonizado por periodontopatógenos BANA-positivos, visto que os resultados positivos, ocorridos nas 3 visitas, foram transitórios. As investigações sobre aquisição de patógenos bucais por bebês devem ser longitudinais.
Título em inglês
Acquisition of mutans streptococci and periodontal pathogens by firstlings aged 7-19 months longitudinal study in families
Resumo em inglês
Oral colonization by pathogens as mutans streptococci (MS) and Porphyromonas gingivalis, microorganisms associated with caries and periodontal disease, respectively, is a pre-requirement for development of these multifactorial diseases. This longitudinal study investigated the period of acquisition and stability of colonization of MS and BANA-positive periodontal pathogens (P. gingivalis, T. denticola and T. forsythensis), as well as facilitating factors, in 14 firstlings aged 7-8 months at onset of the study (visit 1). The sample, selected based on the positivity of mothers to MS, consisted of 14 families comprising father, mother, infant and grandmother or aunt, living at the same home. At visit 1, the adults were submitted to clinical and radiographic examination for dental caries, establishment of the papillary bleeding index (PBS), BANA test in subgingival samples and tongue, collection of stimulated saliva for evaluation of the MS levels, and application of a questionnaire on health, transmission risk habits, feeding, hygiene and socioeconomic and educational conditions; at visit 2, the adults were once again submitted to clinical examination for dental caries and saliva collection for MS counting. The BANA test was reapplied at visits 2 and 3 only in mothers. The infants were assessed as to the presence and percentage of MS in non-stimulated saliva, presence of teeth, and lingual BANA test at the 3 visits. Except for one father, negative for MS, all fathers and mothers presented MS at the two visits. There was no difference in the DMFS, PBS and GI indexes and total of positive BANA tests between mothers and fathers. Only at visit 3, three out of the 14 children (21.4%) were MS-positive, with counting > 1,000,000/ml of saliva. It was demonstrated that the mother is the family member that should be investigated, for evaluation of the possibility of acquisition of MS by the child. The conditions that seemed to be most associated with positivity of children were recent caries activity and high MS salivary levels in the mothers. However, even they should also present most of the following conditions: low socioeconomic and educational level, many transmission risk habits, poor oral hygiene and unnecessary or frequent utilization of sugar, to assure the association. No infant was colonized by BANA-positive periodontal pathogens, since the positive outcomes, observed in the 3 visits, were transitory. Investigations on the acquisition of oral pathogens by infants should be longitudinal.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
EricaNoce.pdf (1.25 Mbytes)
Data de Publicação
2007-10-11
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.