• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.23.2007.tde-11042008-163900
Documento
Autor
Nome completo
Liane Marmo Gambirazi
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2007
Orientador
Banca examinadora
Sugaya, Norberto Nobuo (Presidente)
Azevedo, Luciane Hiramatsu
Magalhães, Marina Helena Cury Gallottini de
Título em português
Laser de baixa potência na prevenção de mucosite em pacientes submetidos à quimioterapia com fluorouracil e ácido folínico
Palavras-chave em português
Laser de baixa potência
Mucosite
Quimioterapia
Resumo em português
A mucosite oral constitui efeito colateral dose-limitante da quimioterapia, relativamente freqüente, desconfortável e potencialmente letal. O controle terapêutico é sintomático e ainda inexiste procedimento estabelecido para prevenir a sua manifestação. O objetivo deste estudo foi verificar a eficácia do laser de baixa potência na prevenção da mucosite oral e as influências de variáveis demográficas (idade e sexo), subjetivas (xerostomia e paladar) e objetivas (história médica), em pacientes portadores de adenocarcinoma de cólon, submetidos à quimioterapia com fluorouracil (5-FU) e ácido folínico (Leucovorin®). Quarenta e oito pacientes foram incluídos no estudo. 18 homens e 30 mulheres, na faixa etária dos 37 aos 78 anos com média de idade de 62,5 anos. Os pacientes foram endereçados, seqüencial e alternadamente, para dois grupos. Vinte e cinco pacientes compuseram o grupo submetido à aplicação preventiva de laser (grupo LP) e 23 pacientes receberam aplicação placebo (grupo C). A aplicação do laser, preventivo ou placebo, foi realizada na semana de infusão da quimioterapia, uma única vez, e os pacientes foram reavaliados após sete dias. O laser utilizado foi o AlGaInP, 660nm, fluência de 3J/cm2. Os graus de mucosite foram mensurados pela escala WHO, e a xerostomia e a dor por escala visual analógica (VAS). Os pacientes que desenvolveram mucosite receberam aplicação terapêutica de laser, independentemente a que grupo pertencesse. Vinte e um pacientes cumpriram os seis ciclos programados de quimioterapia (10 C e 11 LP), e 27 pacientes completaram apenas parte do protocolo (13 C e 14 LP). Houve ocorrência similar de mucosite oral entre os grupos, cuja freqüência variou em torno de 50% em cada ciclo, com a seguinte distribuição média: 22% de mucosite grau 1, 18% de grau 2, 10% de grau 3 e nenhum grau 4. Foram registrados 95 episódios de mucosite nos 188 ciclos de quimioterapia dos 48 pacientes incluídos no estudo. Nos 126 ciclos dos 21 pacientes que cumpriram todo o protocolo ocorreram 63 episódios de mucosite. A análise estatística não mostrou diferença significativa quanto à ocorrência de mucosite entre os grupos. Os pacientes do sexo feminino, pacientes acima de 60 anos de idade e a queixa de xerostomia prévia à quimioterapia, embora tenham mostrado tendência a diferença em alguns ciclos, não mantiveram essa característica na análise integral dos resultados. Pacientes com queixa de alteração de paladar prévio à quimioterapia e história de diabetes mellitus e gastrite manifestaram quadros mais graves de mucosite que a média geral da população estudada. O efeito benéfico do laser terapêutico foi altamente significante para os pacientes que desenvolveram mucosite oral. Concluiu-se que uma única aplicação de laser de baixa potência não foi efetiva para prevenir a mucosite oral na população estudada. Pacientes portadores de diabetes, gastrite, queixa de alteração de paladar e aqueles que manifestam graus mais severos de mucosite nos ciclos iniciais da quimioterapia merecem maior atenção no seguimento em função do pior prognóstico demonstrado neste estudo.
Título em inglês
Low level laser therapy in oral mucositis prevention on patients submitted to fluorouracil and folinic acid chemotherapy
Palavras-chave em inglês
Chemotherapy
Low level laser
Mucositis
Resumo em inglês
Oral mucositis is a debilitating, dose-limited complication of chemotherapy, fairly common, debilitating and potentially lethal. Its treatment is symptomatic and there are no preventive guidelines available yet. The purpose of this study was to evaluate the efficacy of low level laser therapy (LLLT) in oral mucositis prevention and the influence of demographic (age, gender), subjective (xerostomia, taste) and objective (medical history) factors as well. Forty-eight colorectal adenocarcinoma patients submitted to fluorouracil (5-FU) and folinic acid (Leucovorin®) chemotherapy protocol were enrolled in the trial, 18 men, 30 women, ranging from 37 to 78 y.o., mean 62,5 years. Two study groups were sequentially and alternately constituted. Twenty-five patients were submitted to a preventive laser treatment (LP group) and 23 received a placebo irradiation (C group). Laser treatment, effective or placebo, was delivered one time at the beginning of the chemotherapy infusion week. Every patient was reevaluated seven days after. An AlGaInP device, 660nm, was utilized with 3J/cm2 of fluency. Oral mucositis were graded according to WHO scale. Pain and xerostomia levels were evaluated through visual analogue scale (VAS). Patients who presented oral mucositis received therapeutic laser sessions, no matter to which group they were originally driven to. Twenty-one patients undergone all six cycles of the chemotherapy protocol planned (10C, 11LP) and 27 patients accomplished only partially the chemotherapy cycles (13C, 14LP). Oral mucositis were similarly distributed between the groups studied, around 50% in every cycle: 22% of grade 1 mucositis, 18% grade 2, 10% grade 3 and none grade 4. Ninety-five oral mucositis episodes were observed in the 188 cycles followed by the 48 patients in the study group; and 63 oral mucositis episodes were registered among the 21 patients followed through 126 chemotherapy cycles. Statistical analysis showed no difference between the groups on oral mucositis manifestation. The aspects of female gender, aged over 60 and xerostomia symptoms previous to chemotherapy, showed a slight difference in some cycles but no overall statistic significance was demonstrated. Patients with taste impairment previous to chemotherapy, history of diabetes and gastritis showed more severe pictures of mucositis than the overall population studied. Laser treatment was highly effective for patients who exhibited high grade oral mucositis. We concluded that a unique LLLT irradiation was ineffective as a preventive procedure for oral mucositis in the population evaluated. In addition, patients with diabetes, gastritis, taste impairment and patients who develop severe pictures of mucositis at the beginning of chemotherapy regimens should receive more attention since they exhibited poor prognosis in this research.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
LianeMarmoGambirazi.pdf (536.15 Kbytes)
Data de Publicação
2008-06-09
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.