• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
Documento
Autor
Nome completo
Aloisio de Melo Farias Neto
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2017
Orientador
Banca examinadora
Matos, Adriana Bona (Presidente)
Calabria, Marcela Pagani
Sobral, Maria Angela Pita
Wang, Linda
Título em português
Resistência de união à dentina erodida em função da aplicação de um agente antiproteolítico para prevenção/controle do desgaste
Palavras-chave em português
Adesivos
Clorexidina
Dentina
Erosão Dentária
MMP
Resistência de União
Resumo em português
Ainda que quando aplicada como primer antiproteolítico a clorexidina (CHX) minimize, embora não indefinidamente, a degradação de interfaces adesivas, parece não ser capaz de tornar os valores de resistência de união (RU) à dentina erodida equivalentes àqueles à dentina normal. Talvez seja possível, porém, que sua aplicação como agente para prevenção/controle do desgaste erosivo influencie o estabelecimento de tais interfaces, já que pode inibir completamente o processo. Este estudo in vitro avaliou, pois, o papel da aplicação da CHX como agente antiproteolítico para prevenção/controle do desgaste, ou seja, da condição do substrato dentinário no tocante à erosão, ou como parte do tratamento adesivo (primer antiproteolítico), na RU do conjunto sistema adesivo condicione e lave simplificado-resina composta à dentina. Para se determinar os diferentes níveis do fator substrato dentinário, a dentina superficial oclusal de terceiros molares (n=48) foi submetida exclusivamente à ação de uma lixa de SiC (#600; 1 min), configurando-se o que se denominou dentina normal - N, ou subsequentemente tratada com solução de digluconato de CHX a 2% (60 s) e erodida por um refrigerante à base de cola, determinando-se a dentina tratada com CHX para prevenção/controle do desgaste e então erodida - CHX.E, ou apenas erodida pelo refrigerante, estabelecendo-se a dentina erodida - E. Já para se determinar os diferentes níveis do fator CHX como parte do tratamento adesivo, a dentina dos grupos N, CHX.E e E foi, então, condicionada, lavada, seca e reidratada com 1,5 ?l, respectivamente, de água destilada (controle - Nc / CHX.Ec / Ec; n=8) ou de digluconato de CHX a 2% (primer antiproteolítico - Npa / CHX.Epa / Epa; n=8). O adesivo Adper Single Bond 2 foi aplicado em todos os espécimes e a porção coronária, reconstruída com a resina Filtek Z350. Após 24 h (água destilada/37?C), os espécimes foram seccionados em palitos e imediatamente testados (?TBS; 0,5 mm/min). As superfícies fraturadas de cada palito foram analisadas com o auxílio de um microscópio digital (50x de aumento). Um dente extra para cada grupo foi tratado exatamente como os outros, mas o corante fluorescente rodamina B foi previamente adicionado ao sistema adesivo para permitir a avaliação qualitativa da interface adesiva por meio de Microscopia Confocal de Varredura a Laser. Os valores de RU obtidos foram organizados de forma a se considerar cada dente como unidade experimental e, então, os testes de Análise de Variância a 2 critérios e de Tukey foram aplicados, com nível de significância de 5%. Apenas o substrato normal, quando reidratado, após condicionamento ácido, com água destilada (controle), é que apresentou valores de RU à dentina significativamente superiores aos demais. Quanto ao padrão de fratura dos palitos testados, as falhas adesivas e mistas foram predominantes em relação às coesivas, independentemente se em dentina ou em resina. Qualitativamente, a hibridização da dentina erodida pareceu menos satisfatória que a da dentina tratada com CHX como agente antiproteolítico para prevenção/controle do desgaste e então erodida, que, por sua vez, pareceu também menos satisfatória que a da dentina normal, particularmente se reidratadas com CHX a 2% como primer antiproteolítico. Ademais, a hibridização de cada substrato, individualmente, pareceu inferior quando da aplicação da CHX a 2% como primer antiproteolítico, se comparada com a da água destilada. Conclui-se, ora, que o uso da CHX como agente para prevenção/controle do desgaste erosivo parece, contrariamente ao que se observa para essa finalidade, não interessante de modo pleno quando, do ponto de vista da resistência de união, na sequência, há que se restaurar o substrato dentinário utilizando-se sistema adesivo do tipo condicione e lave simplificado em associação a resina composta. Quando aplicada como primer antiproteolítico, ainda, a CHX pode prejudicar a adesão à dentina normal, ainda que não o faça, nem o contrário, para a dentina tratada com CHX como agente antiproteolítico para prevenção/controle do desgaste e então erodida ou tão-somente erodida.
Título em inglês
Bond strength to eroded dentin in function of the application of an antiproteolytic agent for preventing/controlling the wear
Palavras-chave em inglês
Bond Strength
Chlorhexidine
Dental Adhesives
Dental Erosion
Dentin
MMP
Resumo em inglês
Even if when applied as a antiproteolytic primer the chlorhexidine (CHX) minimizes, although not indefinitely, degradation of adhesive interfaces, it seems not to be able to make bond strength (BS) values to eroded dentin equivalent to those to normal dentin. It may be possible, though, that its application as an agent for the prevention/control of the erosive wear influences the establishment of such interfaces, as it can completely inhibit the process. This in vitro study evaluated, thus, the role of CHX application as an antiproteolytic agent for preventing/controlling the wear, that is, the condition of the dentin substrate with respect to erosion,or as part of the adhesive treatment (antiproteolytic primer), on BS of a simplified etch-and-rinse adhesive plus a composite resin to dentin. In order to determine the different levels of the factor dentin substrate, superficial occlusal dentin of third molars (n=48) was only ground with a SiC paper (600-grit; 1 min), what was called normal dentin - N, or subsequently treated with 2% CHX digluconate (60 s) and eroded by a regular-cola soft-drink, determining the dentin treated with CHX to prevent/control the wear and then eroded - CHX.E, or only eroded by the soft-drink, establishing the eroded dentin - E. To determine the different levels of the factor CHX as part of the adhesive treatment, dentin of N, CHX.E and E groups was then acid-etched, washed, dried and rehydrated with 1.5 ?L, respectively, of distilled water (control - Nc / CHX.Ec / Ec; n=8) or of 2% CHX (antiproteolytic primer - Nap / CHX.Eap / Eap; n=8). Adper Single Bond 2 was applied in all specimens and resin composite buildups were constructed with Filtek Z350. After 24 h (distilled water/37?C), specimens were sectioned in beams and immediately tested (?TBS; 0.5 mm/min). Fractured surfaces of each beam were observed under a digital microscope (50X magnification). An extra tooth for each group was treated just like the others, but the fluorescent dye rhodamine B was previously added to the adhesive system to allow a qualitative evaluation of the adhesive interface by means of Laser Scanning Confocal Microscopy. Obtained BS values were organized in order to consider each tooth as an experimental unit and, then, two-way ANOVA and Tukey tests were applied, with a significance level of 5%. Only the normal substrate, when rehydrated, after acid etching, with distilled water (control), is the one that presented BS values to the dentin significantly higher to the others. As for the fracture pattern of the tested beams, adhesive and mixed failures were predominant in relation to the cohesive failures, regardless of whether in dentin or in resin. Qualitatively, the hybridization of eroded dentin appeared less satisfactory than that of the dentin treated with CHX to prevent/control the wear and then eroded, which, in turn, also appeared less satisfactory than that of normal dentin, particularly if rehydrated with 2% CHX as antiproteolytic primer. In addition, the hybridization of each substrate individually appeared to be inferior for the application of the 2% CHX as antiproteolytic primer, when compared to distilled water. It is concluded, therefore, that the use of CHX as an agent for preventing/controlling the erosive wear seems, contrary to what is observed for this purpose, not fully interesting when, from the point of view of the bond strength, in the sequence, the dentin substrate must be restored using a simplified etch-and-rinse adhesive system plus a composite resin. When applied as an antiproteolytic primer, moreover, CHX may impair bonding to normal dentin, even if not doing this, nor the opposite, for the dentin treated with CHX to prevent/control the wear and then eroded or for the only eroded dentin.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-04-17
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.