• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.22.2014.tde-19022015-182456
Documento
Autor
Nome completo
Paula Chuproski Saldan
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2014
Orientador
Banca examinadora
Mello, Débora Falleiros de (Presidente)
Saldiva, Silvia Regina Dias Médici
Fujimori, Elizabeth
Leite, Adriana Moraes
Venancio, Sonia Isoyama
Título em português
Avaliação de práticas alimentares de crianças menores de 2 anos de idade com base nos indicadores da Organização Mundial da Saúde
Palavras-chave em português
Aleitamento materno
Consumo de alimentos
Indicadores
Lactente
Nutrição do lactente
Resumo em português
A alimentação nos primeiros anos tem impacto a curto e longo prazo na vida da criança. Recomenda-se Aleitamento Materno Exclusivo (AME) até os 6 meses e introdução da Alimentação Complementar (AC), a partir desse período, com a manutenção do Aleitamento Materno (AM) por dois anos ou mais. Os objetivos deste estudo foram avaliar as práticas alimentares de crianças menores de 2 anos, com base nos indicadores da Organização Mundial da Saúde (OMS); verificar a aplicabilidade dos indicadores de AC segundo as recomendações dos "Dez passos para uma alimentação saudável"; descrever o consumo de alimentos não saudáveis e analisar fatores associados à dieta mínima aceitável. Estudo transversal, realizado durante a Campanha Nacional de Vacinação contra Poliomielite em Guarapuava-PR, 2012. Os acompanhantes de 1.814 crianças menores de 2 anos responderam um questionário sobre a alimentação da criança nas últimas 24 horas. Foram avaliadas as proporções de adequação de 15 indicadores de AM e AC, propostos pela OMS e segundo as recomendações dos Dez Passos, e o consumo de alimentos não saudáveis. Para identificação dos fatores associados à dieta mínima aceitável foram construídos modelos de regressão de Poisson. As estimativas foram apresentadas por pontos e intervalos de confiança de 95%. Nos indicadores de AM, o município apresentou situação boa para o início precoce do AM (79,29%), a prevalência de AME em menores de 6 meses (36,02%), a duração mediana do AM (11,72 meses) e a alimentação por mamadeira (78,30%) foram consideradas insatisfatórias. Com relação à AC, a introdução de alimentos sólidos ou pastosos foi de 77,17% na proposta da OMS e 64,98% segundo os Dez Passos. A diversidade mínima da dieta esteve adequada em mais de 95% na proposta da OMS, enquanto na proposta dos Dez Passos atingiu 58,47%. A frequência mínima de refeições foi superior a 75% em ambas as propostas, porém as crianças amamentadas apresentaram adequação inferior (35,92%) quando comparadas as não amamentadas (95,02%) na proposta dos Dez Passos. A dieta mínima aceitável esteve adequada em mais de 90% na proposta da OMS, porém, em menos de 50% na proposta dos Dez Passos. O consumo de alimentos ricos em ferro ou fortificados foi elevado (99,94%), no entanto, ao considerar somente o consumo de carnes, a faixa etária de 6-11 meses apresentou menor adequação de consumo (69,32%), seguida pela faixa de 12-17 meses (83,58%) e de 18-23 meses (92,57%). O consumo de alimentos não saudáveis foi elevado, com tendência de aumento do consumo em função da idade da criança, principalmente, guloseimas. Os fatores associados à inadequação da dieta mínima aceitável foram a baixa escolaridade materna e criança do sexo feminino. Os resultados deste estudo sugerem que os indicadores da OMS podem não ser tão sensíveis para diagnóstico de inadequações da AC, principalmente para a introdução de alimentos sólidos ou pastosos, diversidade da dieta e consumo de alimentos ricos em ferro ou fortificados, e que indicadores segundo as recomendações dos Dez Passos são úteis para identificar problemas e reorientar ações voltadas à promoção da AC em nosso meio
Título em inglês
Assessment of eating practices of children under 2 years of age based on the indicators of the World Health Organization
Palavras-chave em inglês
Breast feeding
Food consumption
Indicators
Infant
Infant nutrition
Resumo em inglês
Eating in the first years of life affects the children's lives in the short and long terms. Exclusive Breastfeeding (EB) is recommended until the age of 6 months and the introduction of Complementary Feeding (CF) as from that age, maintaining breastfeeding (BF) for two years or longer. The objectives in this study were to assess the feeding practices of children under 2 years of age, based on the indicators of the World Health Organization (WHO); to verify the applicability of the CF indicators according to the recommendations of the "Ten steps for healthy feeding"; to describe the consumption of unhealthy foods and to analyze factors associated with the minimum acceptable diet. Cross-sectional study, undertaken during the National Vaccination Campaign against Polio in Guarapuava-PR, 2012. The companions of 1814 children under 2 years of age answered a questionnaire about the child's diet in the last 24 hours. The adequacy proportions of 15 BF and CF indicators were assessed, proposed by WHO and according to the recommendations of the Ten Steps, and the consumption of unhealthy foods. To identify the factors associated with the minimum acceptable diet, Poisson regression models were constructed. The estimates were presented as points with 95% confidence intervals. In the BF indicators, the city showed a good situation for the early initiation of BF (79.29%), the prevalence of EB in children younger than 6 months (36.02%), the median duration of BF (11.72 months) and bottle-feeding (78.30%) were considered unsatisfactory. With regard to CF, the introduction of solid, semi-solid or soft foods corresponded to 77.17% in the WHO proposal and 64.98% according to the Ten Steps. The minimum dietary diversity was appropriate in more than 95% in the WHO proposal, against 58.47% in the Ten Steps proposal. The minimum meal frequency exceeded 75% in both proposals, but the appropriateness level (35.92%) for the breastfed children was lower when compared to the non-breastfed children (95.02%) in the proposal of the Ten Steps. The minimum acceptable diet was appropriate in more than 90% in the WHO proposal, but in less than 50% in the Ten Steps proposal. The consumption of iron-rich or iron-fortified foods was high (99.94%) but, when considering meat consumption only, the age range 6-11 months revealed a lower appropriateness of consumption (69.32%), followed by the age range 12-17 months (83.58%) and 18-23 months (92.57%). The consumption of unhealthy foods was high, with an upward trend in function of the child's age, mainly candies. The factors associated with the inappropriateness of the minimum acceptable diet were the low maternal education level and female child. These study results suggest that the WHO indicators may not be that sensitive to diagnose CF inadequacies, mainly for the introduction of solid, semi-solid or soft foods, dietary diversity and consumption of iron-rich or fortified foods, and the indicators according to the recommendations of the Ten Steps are useful to identify problems and redirect CF promotion actions in our midst
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-03-31
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.