• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.22.2009.tde-18082009-124224
Documento
Autor
Nome completo
Marcelen Palú Longhi
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2009
Orientador
Banca examinadora
Palha, Pedro Fredemir (Presidente)
Craco, Priscila Frederico
Pereira, Maria José Bistafa
Título em português
Participação social: a comunicação que aproxima e distancia usuários e trabalhadores da Saúde da Família
Palavras-chave em português
Atenção primária à saúde
Comunicação
Participação comunitária
Programa saúde da família
Resumo em português
Esta pesquisa tem como objeto de estudo a dinâmica de colegiados da saúde, com destaque para a comunicação entre usuários e trabalhadores de saúde, vista como horizonte operativo da participação, em espaços concretos na Estratégia Saúde da Família (ESF). A ESF está pautada nos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS), especialmente no da participação social, regulamentado pela legislação sanitária, por meio de Conferências e Conselhos de Saúde. Os Conselhos de Saúde e colegiados similares são espaços nos quais deve ser fomentada a participação da sociedade civil para atuar sobre as políticas públicas. A literatura aponta limites dos fóruns da saúde, com ênfase para o predomínio da concepção biologicista e curativista de saúde, da comunicação impositiva, prescritiva e da falta de capacitação para o exercício da participação social; e potencialidades como maior integração entre usuários e entre esses e trabalhadores de saúde. Para a realização desta pesquisa, nos baseamos em aproximações com a Teoria da Ação Comunicativa de Jürgen Habermas que compreende a comunicação como um acordo intersubjetivo entre os sujeitos e a participação social como a relação entre a sociedade civil e política, no âmbito do Estado Ampliado. A pesquisa possui abordagem qualitativa, com a realização de cinco observações participantes de colegiados em uma Unidade de Saúde da Família e 14 entrevistas semiestruturadas com os participantes que apresentavam maior frequência nesses espaços, sendo seis com trabalhadores de saúde e oito com usuários, num município do interior paulista. Empregou-se a Análise de Conteúdo, modalidade temática, para interpretar o material empírico, a partir do qual se constituíram a caracterização dos sujeitos do estudo e a comunicação nos espaços de participação. As comunicações nos colegiados revelam duas dimensões que geram: distanciamento e aproximações entre os sujeitos e destes com o processo de participação. Quanto à comunicação que causa distanciamentos, os resultados mostraram que o silenciamento dos usuários nos espaços de discussão se relaciona a sua inserção social, a desencontros relacionais, ao uso de linguagem técnica e codificada pelos trabalhadores que, geralmente, controlam e definem o que pode ser discutido nos colegiados e evidenciam que há distanciamentos/rupturas de horizontes. Em relação às ações que provocam aproximações entre os sujeitos, a pesquisa aponta que nos colegiados são fomentadas as interações entre trabalhadores e usuários, havendo fusões/encontros de horizontes, e são discutidos problemas locais, sendo práticas que corroboram com o princípio da participação social na Saúde da Família. Consideramos que os limites presentes podem ser problematizados com os sujeitos que conduzem esse processo, a fim de imprimir-lhes uma nova direção, que há linhas de fugas que permitem a possibilidade da construção de projetos coletivos de felicidade, por meio do diálogo intersubjetivo, baseado no reconhecimento do outro como sujeito.
Título em inglês
Social participation: the distant and close communication between users and employees of the Family Health Strategy.
Palavras-chave em inglês
Communication
Consumer participation
Family health program
Primary health care
Resumo em inglês
The research object of this study is the dynamics of the health teams, with emphasis on communication between users and health workers, seen as essential for the participation in specific areas in the Family Health Strategy (FHS). The FHS is based on the principles of the Unified Health System (SUS), especially in social participation, regulated by health legislation, by means of Health Conferences and Councils. Health Councils and similar teams are spaces in which the participation of civil society in public policies should be encouraged. Literature indicates the limits of the health forums, emphasizing the predominance of the biological and curative health care models, imposed and prescritive communication, and lack of training for social participation. The potentials identified were greater integration between users and health workers. This qualitative research was based on approximations to the Theory of Communicative Action, by Jürgen Habermas, which understands communication as an intersubjective agreement among subjects, and social participation as the relationship between civil society and politics, in the scope of the enlarged State. Five participant observations were carried out with members of the health teams in a Family Health Unit, in a city in the interior of the state of São Paulo. Afterwards, 14 semi-structured interviews were conducted with the participants who had higher frequency in these spaces: six health workers and eight users. Content analysis, thematic modality, was applied to interpret the empirical material, from which the characterization of the subjects of study and the communication in the spaces of participation were done. Communications in collegiate reveal that generate two dimensions: distance and approaches between these subjects and with the process of participation. Communication in teams showed two dimensions that causes: distance and closeness between subjects and between them and the participation process. Regarding the distance caused by communication, results showed the silence of the users in the spaces for discussion is related to their social insertion, relationship disagreements, and the use of technical and codified language by workers who, generally, control and define what can be discussed in the teams and show that there are distance/ruptures in the participation. Concerning actions which cause the approximation of subjects, the research indicates that interaction between users and workers is encouraged in the teams, promoting mergers/meetings of horizons. Local issues are also discussed, which are practices that support the principle of social participation in the Family Health Strategy. The limits present are can be problematized with the subjects who lead this process, in order to give them a new direction. There are "lines of escape" that allow for the possibility of building collective projects of happiness, through intersubjective dialogue, based on the recognition of the other as subject.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2009-09-14
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.