• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.22.2014.tde-10022015-192640
Documento
Autor
Nome completo
Caroline Ramos de Oliveira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2014
Orientador
Banca examinadora
Leite, Adriana Moraes (Presidente)
Castral, Thaíla Corrêa
Scochi, Carmen Gracinda Silvan
Título em português
O manejo da dor neonatal na perspectiva da equipe de saúde de uma maternidade de Ribeirão Preto-SP
Palavras-chave em português
Dor
Enfermagem neonatal
Manejo da dor
Profissional de saúde
Resumo em português
A dor é um fenômeno que está presente na assistência em saúde aos neonatos, e sua identificação, avaliação e tratamento pela equipe de saúde são ações relevantes para o bem estar do bebê, visto que interfere no restabelecimento de sua saúde e pode gerar consequências deletérias a curto, médio e longo prazo. O presente trabalho trata-se de um estudo quali-quantitativo, descritivo exploratório, cujo objetivo foi identificar o manejo da dor neonatal sob a perspectiva da equipe de saúde de uma maternidade de Ribeirão Preto - SP. Na etapa quantitativa do estudo, participaram 81 profissionais de saúde da maternidade: 12 pediatras, 1 técnica do laboratório, 22 enfermeiras e 46 auxiliares/técnicas de enfermagem, que responderam a um questionário de autopreenchimento com questões objetivas sobre dados pessoais, profissionais e dados específicos sobre o conhecimento e a prática da avaliação e manejo não farmacológico da dor neonatal. Na segunda etapa, profissionais considerados líderes de equipe foram convidados a participar, de forma individual, de uma entrevista semiestruturada gravada em áudio que após a transcrição foram submetidas à análise de conteúdo. Da análise dos dados quantitativos, constatou-se que todos os médicos, enfermeiras, técnica do laboratório e a grande maioria (89,1%) das auxiliares/técnicas de enfermagem referiram que o recém-nascido é capaz de sentir dor. 83,3% dos médicos, 77,3% das enfermeiras e 54,3% das auxiliares/técnicas de enfermagem, acreditam que procedimentos potencialmente dolorosos repetidos podem gerar alguma consequência ao neonato. A maioria dos profissionais afirmou que avaliam a dor do recém-nascido, tendo como parâmetros mais frequentes o choro, a mímica facial, e movimentos, construindo uma avaliação subjetiva sem o uso de escalas. As medidas não farmacológicas de alívio da dor mais citadas pelos profissionais foram: a oferta de sacarose a 25%, a sucção não nutritiva e a amamentação, com um predomínio da utilização da sacarose como principal método de escolha. Poucos profissionais de saúde se preocupam em realizar o registro adequado sobre a avaliação e o manejo da dor aguda do recém-nascido. Da análise dos dados qualitativos, 5 categorias e 15 subcategorias surgiram a partir das verbalizações das participantes: 1) "Fatores facilitadores do manejo da dor neonatal" (atuação dos profissionais; a utilização de métodos não farmacológicos; o uso sacarose como principal escolha para o alívio da dor neonatal; outras intervenções não farmacológicas), 2) "Fatores dificultadores do manejo da dor neonatal" (falhas em como lidar com a dor; excesso de procedimentos dolorosos; fluxo de trabalho e quantidade de recursos humanos), 3) "Avaliação da dor" (como e quando avaliar a dor; a importância da avaliação a dor), 4) "Mudanças necessárias para melhorar o manejo da dor na instituição" (treinamentos; protocolos e utilização de escalas para avaliação da dor; mudança na atitude dos profissionais e sensibilização da equipe), 5) "Participação dos pais e/ou família no manejo da dor neonatal" (vantagens e apoio ao manejo da dor neonatal com participação da família; dificuldades na participação da família no manejo da dor neonatal). Concluiu-se que há um conhecimento superficial dos profissionais de saúde quanto à avaliação e o manejo não farmacológico da dor neonatal aguda nesta maternidade, assim como há falta de protocolos clínicos formais, registros e capacitação dos profissionais de saúde. Considerando-se as propostas do cuidado atraumático, desenvolvimental e humanizado ao recém-nascido, torna-se imperativo mudanças de ações e condutas da equipe de saúde no que se refere ao manejo da dor neonatal, que deverá ser movida e estimulada a partir capacitações profissionais fundamentadas na transferência de conhecimento
Título em inglês
Neonatal pain management in the perspective of the health team of a maternity hospital in Ribeirão Preto, São Paulo
Palavras-chave em inglês
Health personnel
Neonatal nursing
Pain
Pain management
Resumo em inglês
Pain is a phenomenon that is present in the health care provided to neonates, and its identification, assessment and treatment by the health team are relevant actions for the welfare of the baby, since they interfere in the reestablishment of their health and may produce harmful consequences in the short, medium and long term. This is a quali-quantitative, descriptive and exploratory study with the aim to identify the management of neonatal pain from the perspective of the health team of a maternity hospital in Ribeirão Preto, São Paulo, Brazil. The quantitative stage of the study involved the participation of 81 health professionals from the maternity: 12 pediatricians, 1 laboratory technician, 22 nurses and 46 nursing technicians/aides, who answered a self-administered questionnaire containing objective questions regarding personal, professional and specific data on the knowledge and practice of the assessment and non-pharmacological management of neonatal pain. In the second stage, professionals who were considered to be team leaders were invited to participate, individually, in a semi-structured interview whose audio was recorded, transcribed and submitted to content analysis. The analysis of the quantitative data evidenced that all physicians, nurses, the laboratory technician and most of the nursing technicians/aides (89.1%) stated the newborn is capable of feeling pain. A total of 83.3% of the physicians, 77.3% of the nurses and 54.3% of the nursing technicians/aides believe that repetitive potentially painful procedures may bring some consequence to the neonate. Most of the professionals stated they assess the pain of the newborn, using their crying, facial mimics and movements as parameters, building a subjective assessment without the use of scales. The non-pharmacological measures for pain relief most commonly cited by the professionals were: offering a 25% sucrose solution, non-nutritional suction and breastfeeding, with prevalence for the use of sucrose as the main chosen method. Few health professionals care to make an appropriate record regarding the assessment and management of acute pain in the newborn. The analysis of the qualitative data generated 5 categories and 15 subcategories, based on the speeches of the participants: 1) "Facilitating factors in the management of neonatal pain" (performance of the professionals; use of non- pharmacological methods; use of sucrose as the main choice for relieving neonatal pain; other non- pharmacological interventions), 2) "Complicating factors in the management of neonatal pain" (failures in how to deal with the pain; excess of painful procedures; workflow and quantity of personnel), 3) "Pain assessment" (how and when to assess; the importance of pain assessment), 4) "Necessary changes to improve pain management in the institution" (trainings; protocols and the use of scales to assess pain; changing the attitude of professionals and making the team more sensitive), 5) "Participation of the parents and/or family in the management of neonatal pain" (advantages and support in the management of neonatal pain with the participation of the family; difficulties in the participation of the family for managing neonatal pain). In conclusion, health professionals have a superficial knowledge regarding the assessment and non-pharmacological management of acute neonatal pain in the studied maternity hospital. In addition, there is a lack of formal clinical protocols, records and qualification of health professionals. Considering the proposals for non-traumatic, developmental and humanized care to the neonate, it becomes imperative to make changes in actions and conducts of the health team in terms of neonatal pain management, as these professionals must be driven and encouraged based on professional qualifications grounded on knowledge transfer
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-02-24
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.