• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.22.2015.tde-29052015-193755
Documento
Autor
Nome completo
Patricia Magnabosco
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2015
Orientador
Banca examinadora
Ancheschi, Leila Maria Marchi Alves (Presidente)
Cesarino, Claudia Bernardi
Cesarino, Evandro José
Fava, Silvana Maria Coêlho Leite
Nogueira, Maria Suely
Título em português
Hipertensão arterial sistêmica na população urbana e rural de Sacramento/MG: prevalência e não adesão ao tratamento medicamentoso
Palavras-chave em português
Adesão à medicação
Hipertensão
População rural
População urbana
Prevalência
Resumo em português
A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é um problema de saúde pública devido aos altos índices de prevalência da doença, baixa adesão ao tratamento medicamentoso e controle insatisfatório da Pressão Arterial (PA) na população hipertensa. O objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência da HAS e identificar os índices e fatores relacionados à não adesão e abandono ao tratamento medicamentoso e não controle da PA nas áreas rural e urbana do município de Sacramento/MG. Trata-se de um inquérito epidemiológico de amostragem aleatória que envolveu 1.528 indivíduos com idade igual ou superior a 20 anos. Foram coletados dados relacionados a variáveis socioeconômicas, características clínicas e informações relativas a terapêutica medicamentosa e acesso ao serviço de saúde. A prevalência da HAS foi calculada a partir do relato do participante, uso declarado de anti- hipertensivos e constatação diagnóstica entre aqueles que desconheciam sua condição. A não adesão foi medida com o "Questionário de Adesão a Medicamentos - Qualiaids" (QAM-Q), validado no Brasil. Foi considerado abandono do tratamento a situação em que o participante informou estar há pelo menos uma semana sem tomar nenhum anti-hipertensivo; a avaliação do não controle considerou os hipertensos em tratamento que apresentaram a PA elevada no momento da entrevista. Na análise univariada utilizou-se o Odds ratio como medida de efeito. Para o ajuste das variáveis de confusão foi utilizado o modelo de regressão logística com nível de significância de p<0,05. Foram entrevistados 153 sujeitos residentes da área rural e 1375 da área urbana. A prevalência de HAS foi de 38,6%, sendo 38,6% na área urbana e 38,5% na rural. Entre os hipertensos (n=590), 8,5% desconheciam esta condição. Dentre os que conheciam sua condição de hipertenso (n=540), 90,6% estavam em tratamento, 58,9% não aderiam ao tratamento, 9,4% abandonaram a terapia medicamentosa e 47,4 % apresentaram a PA não controlada. As variáveis que apresentaram associação com a HAS foram: idade igual ou superior a 40 anos, obesidade, baixa escolaridade, falta de trabalho e histórico familiar de HAS. O desconhecimento da condição de hipertenso foi associado à baixa escolaridade. As variáveis associadas a não adesão foram: sedentarismo, uso do saleiro, consumo de alimentos industrializados, exercício do trabalho e não comparecimento às consultas médicas. O abandono do tratamento medicamentoso foi associado a: sexo masculino, idade jovem, baixa renda, tabagismo, consumo de alimentos industrializados, estresse, não comparecimento periódico a consultas médicas, medida esporádica da PA e viver sem companheiro (a). As variáveis associadas ao não controle da PA foram: renda per capita maior que um salário mínimo, etilismo, diagnóstico de HAS há mais de cinco anos, não comparecimento à consulta médica e não seguimento da prescrição medicamentosa. A identificação da prevalência e variáveis associadas à HAS e não adesão ao tratamento medicamentoso colabora para a elaboração de políticas públicas de saúde que visam reduzir complicações da doença e melhorar a qualidade de vida da população hipertensa
Título em inglês
Systemic arterial hypertension in urban and rural population of Sacramento/MG: prevalence and non-adherence to medication treatment
Palavras-chave em inglês
Hypertension
Medication adherence
Prevalence
Rural population
Urban population
Resumo em inglês
The Systemic Hypertension (SH) is a public health problem due to high rates of disease prevalence, low adherence to drug therapy and unsatisfactory control of Blood Pressure (BP) in the hypertensive population. The aim of this study was to evaluate the prevalence of SH and identify the indices and factors related to non- adherence and discontinuation of drug treatment, and lack of BP control, in rural and urban areas of Sacramento Municipality, Minas Gerais. This is an epidemiological survey of random sampling, involving 1,528 individuals aged 20 years or above. Data were collected based on socioeconomic variables, clinical characteristics and information related to drug therapy and access to health services. The prevalence estimate of SH was calculated based on: participant's information, declared use of antihypertensive drugs, and diagnostic confirmed among those who were unaware of their condition. Non-adherence was measured with the "Questionnaire Adherence to Medications - Qualiaids". (QAM-Q), validated in Brazil. It was considered abandoning treatment when the individual reported at least one week without taking any antihypertensive. The assessment of lack of hypertension control, took in account those who showed elevated BP when interviewed. The Odds Ratio was used, in the univariate analysis, as a causative factor. To adjust the confounding variables was used a logistics regression model with a significance level of p <0.05. 153 subjects residents in rural areas were interviewed and 1375 in urban areas. The prevalence of hypertension was 38.6%; 38.6% in urban areas and 38,5% in rural areas. Among hypertensive (n = 590), 8.5% were unaware of this condition. Among those who knew their hypertensive condition (n = 540): 90.6% were in treatment, 58.9% did not adhered to treatment, 9.4% discontinued treatment with drugs, and 47.4% had uncontrolled BP. The variables that showed association with SH were: age equal to or greater than 40 years, obesity, low education, unemployment, and family history of hypertension. The ignorance of hypertension condition was associated with low education. The variables associated with non-adherence were: sedentariness, salt intake, consumption of processed foods, currently working, and not attending medical appointments. The abandonment of drug treatment was associated with: male gender, young age, low income, tobacco use, consumption of processed foods, stress, failure to appear periodically to medical appointments, sporadic BP measurement, and living without a partner. The variables associated with no BP control were: income per capita greater than a minimum wage, alcoholism, last testing for high hypertension done more than 5 years ago, not to attend to medical consultations, and not taking their medications as prescribed. Identifying the prevalence and variables associated with hypertension and non-adherence to medication, collaborated to develop public health policies that aim to reduce disease complications and to improve the quality of life in the hypertensive population
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-06-10
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.