• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.22.2015.tde-27072015-162453
Documento
Autor
Nome completo
Thamiris Ricci de Araujo
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2015
Orientador
Banca examinadora
Laus, Ana Maria (Presidente)
Castilho, Valeria
Martins, Maria Auxiliadora
Título em português
Impacto financeiro do quadro de profissionais de enfermagem requerido em Unidade de Terapia Intensiva
Palavras-chave em português
Carga de Trabalho,Custos Hospitalares
Custos e Análise de Custo
Enfermagem
Unidades de Terapia Intensiva
Resumo em português
As restrições orçamentárias nas instituições de saúde têm provocado limitações quantitativas e qualitativas no quadro de profissionais de enfermagem. Esta investigação buscou calcular o dispêndio financeiro para o quadro de profissionais de enfermagem requerido em Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Trata-se de pesquisa descritiva, abordagem quantitativa, realizada em um hospital de ensino terciário, de grande porte e alta complexidade. A amostra foi composta por 77 pacientes internados na UTI, com idade igual ou maior que 18 anos, independentemente de sexo, diagnóstico, tempo de permanência ou tipo de tratamento. A coleta de dados ocorreu durante 30 dias, nos meses de março e abril de 2014, sendo utilizados procedimentos de caracterização clínica e demográfica dos pacientes; identificação da carga de trabalho da enfermagem pelo Nursing Activities Score (NAS) e do quantitativo diário disponível de profissionais de enfermagem. Sequencialmente, obteve-se o tempo médio de assistência despendido e requerido e o quantitativo diário necessário de profissionais e, a partir desses dados, calculou-se o custo da Mão de Obra Direta. Os dados foram analisados utilizando-se estatística descritiva. Os resultados evidenciaram a predominância de pacientes do sexo masculino (n = 44; 57 %), com média de idade de 57,3 anos (dp = 15,9), tempo médio de internação de 7,3 dias (dp = 7,7), procedentes das Unidades de Internação (n = 29; 38%), com tipo de internação clínica (n = 62; 80,6%) e causas de internação por afecções cardiovasculares (n = 27; 35%). O desfecho obtido em 79% dos casos foi a alta da unidade. O NAS foi aplicado 369 vezes e a pontuação média diária foi de 85,6 (dp = 4,3). O quadro médio efetivo da enfermagem foi de 8,4 enfermeiros e 21,2 técnicos para atender a um quantitativo médio de 12,3 pacientes-dia. O tempo médio de assistência despendido correspondeu a 14,4 horas/dia/paciente (100%), das quais 4,1 horas (28,5%) foram dispensadas por enfermeiros e 10,3 (71,5%) por técnicos. A média da pontuação diária do NAS equivale a 20,5 horas de assistência de enfermagem requerida por paciente. Dessas horas, 5,8 (28,5%) devem ser dispensadas por enfermeiros e 14,7 (71,5%) por técnicos de enfermagem. O quantitativo requerido de profissionais para 24 horas de cuidado é de 42,2 profissionais, dos quais 12 (28,5%) devem ser enfermeiros e 30,2 (71,5%) técnicos. O custo das horas de cuidados dispensadas por paciente, nas 24 horas, foi de R$ 126,36 para enfermeiros e R$ 238,55 para técnicos, totalizando R$ 364,91. Em relação às horas requeridas, os valores obtidos foram de R$ 178,75 para enfermeiros e R$ 340,46 para técnicos, perfazendo o total de R$ 519,21. A diferença no valor do custo da hora do enfermeiro requerida sobre a existente é de R$ 52,39, o que corresponde a um aumento de 29%. Em relação aos técnicos, o aumento é de R$101,91, correspondendo a 30%, o que significa um acréscimo de R$154,30 (30%) por paciente diariamente. A participação da equipe de enfermagem nos custos totais das UTIs justifica a relevância de estudos que possam fornecer subsídios aos gerentes de enfermagem para a tomada de decisões
Título em inglês
Financial impact of nursing professionals required in Intensive Care Unit
Palavras-chave em inglês
Costs and Cost Analysis
Hospital Costs
Intensive Care Units
Nursing
Workload
Resumo em inglês
Budget constraints in health institutions have led to quantitative and qualitative limitations in the nursing professionals. This research aimed to calculate the financial outlay for the nursing professionals required in Intensive Care Unit (ICU). It is a descriptive research, quantitative approach, performed in a tertiary teaching hospital, large size and high complexity. The sample consisted of 77 ICU patients, aged over 18 years, regardless of sex, diagnosis, length of stay or treatment. Data collection occurred during 30 days in March and April 2014, being used procedures of clinical and demographic characteristics of patients; identification of nursing workload by the Nursing Activities Score (NAS) and the daily quantity of available nursing professionals. Sequentially, it was obtained the average time of assistance spent and required and the daily quantity required of professionals and, from these data, it was calculated the cost of Direct Labor. Data were analyzed using descriptive statistics. The results showed the predominance of male patients (n = 44; 57%), with a mean age of 57.3 years (SD = 15.9), mean length of stay of 7.3 days (SD = 7.7), coming from inpatient units (n = 29; 38%), with type of clinical hospitalization (n = 62; 80.6%) and causes of hospitalization for cardiovascular diseases (n = 27; 35%). The outcome obtained in 79% of cases was discharged from the unit. NAS was applied 369 times and the daily average score was 85.6 (SD = 4.3). The actual average number of nursing was 8.4 nurses and 21.2 technicians to meet at an average quantity of 12.3 patient-days. The average time spent assistance corresponded to 14.4 hrs/day/patient (100%), of which 4.1 hours (28.5%) were dispensed by nurses and 10.3 (71.5%) by technicians. The average daily NAS score is equivalent to 20.5 hours of nursing care required by the patient. From these hours, 5.8 (28.5%) must be dispensed by nurses and 14.7 (71.5%) by nursing technicians. The quantitative required of professionals for 24 hours of care is 42.2 professionals, of which 12 (28.5%) must be nurses and 30.2 (71.5%) technicians. The cost of hours of care dispensed per patient, within 24 hours, was of R$ 126.36 for nurses and R$ 238.55 for technicians, totaling R$ 364.91. Regarding the required hours, the values obtained were of R$ 178.75 for nurses and R$ 340.46 for technicians, totaling R$ 519.21. The difference in cost value of the nurse time required for the existing is R$ 52.39, which corresponds to a 29% increase. For technicians, the increase is R$ 101.91, corresponding to 30%, which means an increase of R$ 154.30 (30%) per patient daily. The participation of the nursing staff in the total costs of ICUs justifies the relevance of studies that can provide subsidies to nursing managers for decision making
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2015-07-29
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.