• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.22.2018.tde-23012018-162932
Documento
Autor
Nome completo
Fernando Henrique de Sousa
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2017
Orientador
Banca examinadora
Sawada, Namie Okino (Presidente)
Nicolussi, Adriana Cristina
Pupulim, Jussara Simone Lenzi
Sonobe, Helena Megumi
Valenti, Vitor Engracia
Título em português
A comunicação de más notícias: análise do treinamento de habilidades para profissionais de saúde
Palavras-chave em português
Comunicação interdisciplinar
Más notícias
Protocolo spikes
Resumo em português
Estudo quase experimental, com grupo de intervenção avaliado antes e após o procedimento, com o objetivo de capacitar os profissionais da saúde para as situações de comunicação de más notícias aos pacientes e aos seus familiares, por meio de um curso de difusão gratuito, com duração de cinco horas. Participaram 79 profissionais da saúde, entre enfermeiros, estudantes de enfermagem, biólogos, farmacêuticos, estudantes de medicina, psicólogos, assistentes sociais e terapeutas ocupacionais. Foram utilizados como instrumentos de pesquisas: 1) o questionário Breaking Bad News sobre o protocolo SPIKES, que possui 13 questões objetivas. Este questionário foi analisado pela distribuição da porcentagem de respostas para cada questão; 2) o questionário de avaliação do curso de más notícias composto por 43 questões objetivas. Para a análise das variáveis quantitativas foram utilizadas as médias e as medianas para resumir as informações, e os desvios-padrão, mínimo e máximo, para indicar a variabilidade dos dados, além da porcentagem. A comparação entre as pontuações dos participantes na primeira e na segunda avaliação de habilidades de comunicação foi realizada pelo teste estatístico de McNemar. O teste estatístico não paramétrico Mann-Whitney foi utilizado para comparar a relação entre a idade dos participantes e as respostas do questionário de avaliação do curso de más notícias. A comparação entre a idade e a pontuação total dos participantes na avaliação de conteúdo do curso foi feita pelo coeficiente de correlação de Spearman. Para todos os testes assumiu-se o nível de significância em 5%. A idade dos participantes variou entre 18 e 55 anos, sendo a maioria do sexo feminino (83,5%) e da área da enfermagem (53,2% profissionais e 24,1% estudantes). Ademais, 57% dos participantes nunca tiveram qualquer formação sobre transmissão de más notícias, porém mesmo após este curso, oito pessoas continuaram afirmando que não tiveram formação alguma. A autoavaliação da capacidade de informar uma má notícia no pré-teste foi considerada boa por 18,2%; 20,8% consideraram-se ruins e 6,5%, péssimos, enquanto que o pós-teste 42,8% consideraram-se bons, 11,7%, ruins e 2,6%, péssimos. O conforto do profissional neste momento variou de 21,8% para 7,7% no item absolutamente desconfortável, e de 6,4% para 14,1% no item confortável. Após o conhecimento sobre o protocolo SPIKES, 92,3% acreditam em sua aplicabilidade na prática clínica.Quanto à estratégia utilizada pelos entrevistados em sua prática clínica, o item mostrou que "um plano ou estratégia consistente" apresentou frequências de 21,9% no pré-teste e 51,56% no pós-teste. Os elementos do protocolo SPIKES apontados como de maiores facilidades entre os participantes no pré-teste foi o local da notícia e a verificação da compreensão de tudo o que foi dito, 30,6% e 28,6%, ao passo que no pós-teste o item mais escolhido foi a escolha do ambiente (53,06%). A relação entre idade e conhecimento do protocolo SPIKES teve apenas um item que apresentou significância. Concluiu-se, portanto, que o treinamento de habilidades de comunicação de más notícias atingiu seus objetivos melhorando o conhecimento e a aptidão dos profissionais da saúde. Evidenciou-se também que a educação em comunicação na área da saúde mantém-se falha, bem como é escassa a difusão de protocolos que abarquem esta difícil tarefa destinada aos profissionais da saúde. O pós-teste mostrar-se-ia mais eficaz caso fosse aplicado após o retorno dos profissionais aos seus pacientes e o uso das técnicas apreendidas. Sugerimos a adoção de educação permanente aos atuantes na área da saúde
Título em inglês
Communication of bad news: analysis of skills training for health professionals
Palavras-chave em inglês
Bad news
Interdisciplinary communication
Spikes protocol
Resumo em inglês
A quasi-experimental study with an intervention group evaluated before and after the procedure, in order to enable health professionals to communicate bad news to patients and their families through a free course of five hours duration. We evaluated 79 health professionals, including nurses, nursing students, biologists, pharmacists, medical students, psychologists, social workers and occupational therapists. The following research tools were used: 1) the Breaking Bad News questionnaire about the SPIKES protocol, which has 13 objective questions. This questionnaire was analyzed by the distribution of the percentage of answers for each question; 2) the evaluation questionnaire of the course of bad news composed by 43 objective questions. For the quantitative analysis we used the means and the medians to summarize the information, and the standard deviations, minimum and maximum to indicate the variability of the data, besides the percentage. The comparison between the scores of participants in the first and second evaluation of communication skills was performed by the McNemar statistical test. The Mann-Whitney non-parametric statistical test was used to compare the relationship between the age of the participants and the responses of the evaluation questionnaire of the course of bad news. The comparison between the age and the total score of the participants in the evaluation of course content was made by the Spearman correlation coefficient. For all tests, the level of significance was set at 5%. The participants' ages ranged from 18 to 55 years old, with most females (83.5%) and nursing (53.2% professionals and 24.1% students). In addition, 57% of the participants never had any training on the transmission of bad news, but even after this course, eight people continued to claim that they had no training. The self-reported ability to report bad news in the pre-test was considered good by 18.2%; 20.8% were considered bad and 6.5% were poor, while the post-test 42.8% were considered good, 11.7%, bad and 2.6% Lousy. The comfort of the professional at the time ranged from 21.8% to 7.7% on the uncomfortable item and from 6.4% to 14.1% on the comfortable item. After knowing about the SPIKES protocol, 92.3% believe in its applicability in clinical practice. Regarding the strategy used by the interviewees in their clinical practice, the item showed that "a consistent plan or strategy" presented frequencies of 21.9% in the pre-test and 51.56% in the post-test. The elements of the SPIKES protocol identified as greatest facilities among participants in the pre-test were the news site and the verification of the understanding of all that was said 30.6% and 28.6%, while in the post-test the most chosen item was the choice of the environment (53.06%). The relationship between age and knowledge of the SPIKES protocol had only one item that presented significance. It was concluded, therefore, that communication education in the health area remains flawed, as well as the dissemination of protocols that cover this difficult task for health professionals. The post-test would be more effective if it were applied after the return of the professionals to their patients and the use of the seized techniques. We suggest the adoption of permanent education to those in the health area
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-01-30
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.