• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.22.2007.tde-08102007-145546
Documento
Autor
Nome completo
Thais Santos Guerra Stacciarini
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2007
Orientador
Banca examinadora
Pace, Ana Emilia (Presidente)
Tavares, Darlene Mara dos Santos
Zanetti, Maria Lucia
Título em português
Processo de administração da insulina no domicílio dos usuários com Diabetes Mellitus acompanhados pela estratégia saúde da família
Palavras-chave em português
diabetes mellitus
enfermagem
saúde da família
Resumo em português
É reconhecida a importância da padronização e do aprimoramento do processo de autoaplicação de insulina, devido ao aumento do número de usuários com DM em uso dessa terapêutica nos últimos anos. Sabe-se que a eficácia do tratamento com a insulina depende de fatores pessoais, clínicos e do sistema de saúde, como também as intervenções em saúde devem ser propostas, a partir do conhecimento das reais necessidades da população. Dessa maneira, o presente estudo objetivou analisar o processo de administração da insulina dos usuários com DM, cadastrados na Estratégia Saúde da Família de um município do Estado de Minas Gerais. Trata-se de um estudo transversal e descritivo. A coleta ocorreu de agosto a outubro de 2006, onde 269 usuários entrevistados foram selecionados por meio de uma amostragem aleatória simples, sendo que, entre estes, 169(62,8%) usuários fazem a autoaplicação e 100 (37,2%) não fazem a auto-aplicação da insulina. Foi utilizada a entrevista estruturada para a coleta de dados dos dois grupos distintos, grupo A auto-aplica e grupo B não auto-aplica a insulina. Na comparação entre os dois grupos, foi encontrada diferença estatisticamente significante para a variável escolaridade, porém não significante para as variáveis: faixa etária, sexo, tempo de diagnóstico e de tratamento com insulina. Em relação aos usuários que não se auto-aplicam, os motivos mais referidos foram os problemas motores, visuais ou cognitivos. Foi identificado que 90% necessitam de auxílio em todo o processo da administração da insulina no domicílio desses 75% recebem auxílio de família. Os resultados referentes ao processo de administração da insulina entre os usuários que auto-aplicam foram: 99,4% recebem seringas pelas Unidades da ESF, 89,4% fazem reutilização dessas seringas, 83,4% descartam esse instrumental no lixo comum, 100% utilizam a insulina NPH fornecida pela ESF, 17,8% fazem alterações na dose da insulina por conta própria, 66,9% fazem um teste de glicemia capilar no mês, 71,6% realizam o rodízio nos locais de aplicação de maneira não sistematizada, 81,7% guardam a insulina na porta da geladeira, 50,9% transportam a insulina em contato direto com o gelo, no caso de viagens, o escore percentual de acertos foi 62% para a realização da técnica de preparo e aplicação da insulina, não tendo diferença estatisticamente significante entre as variáveis sociodemográficas e clínicas, 81,1% não souberam informar o tempo de ação da insulina NPH, 36,1% aspiraram uma dose diferente à da referida, durante a prática de aspiração. Entre esses foram encontradas associações estatisticamente significantes entre as variáveis: sexo e a faixa etária. Esses dados apontam aspectos positivos em relação à distribuição de seringas e da insulina NPH e lacunas de conhecimento para a realização dessa prática, fato que pode dificultar o controle glicêmico e aumentar o risco para as complicações agudas e crônicas do DM e no local da aplicação da insulina. Essa pesquisa traz também subsídios para o planejamento, organização e elaboração de estratégias prioritárias de assistência para essa clientela.
Título em inglês
Insulin administration process in the residence of the users with diabetes mellitus followed by Family Health Strategy
Palavras-chave em inglês
diabetes mellitus
health family
nursing
Resumo em inglês
The standardization and improvement of the process of self-administration of insulin is acknowledged due to an increase in the number of persons with diabetes mellitus (DM) who have been using this therapeutics over the last years. It is known that the efficacy of the treatment depends on personal and clinical factors, and the health system, but health interventions have to be proposed based on the real needs of the population as well. Therefore, this study aims at analyzing the process of insulin administration among persons with DM registered with the Family Health Strategy located in a town in the state of Minas Gerais. It concerns a transversal and descriptive study whose data were gathered from August to October, 2006. The 269 persons interviewed were selected by simple random sampling; among them, 169 (62.8%) persons self-administer insulin, while 100 (37.2%) do not selfadminister it. A structured interview was carried out so as to gather data about two different groups: group A self-administers insulin and group B does not self-administer it. When comparing both groups, a statistically significant difference in the education variable was noticed. However, it was not significant for the variables age group, gender, diagnosis time and treatment time with insulin. Regarding the persons who do not self-administer insulin, the most common reasons were motor, visual or cognitive impairments. It was found out that 90% need help in the entire process of insulin administration at home and 75% are helped by the family. These were the outcomes concerning the insulin administration process among persons who self-administer it: 99.4% receive syringes from ESF; 89.4% reuse these syringes; 83.4% discard them in common garbage; 100% use the NPH insulin provided by ESF; 17.8% change the insulin dose themselves; 66.9% undergo a monthly blood glucose test; 71.6% go to various administration places in a non-systematized way; 81.7% keep the insulin on the refrigerator door; 50.9% carry the insulin in direct contact with ice when they travel; 62% could correctly apply the insulin preparation and administration techniques, statistically significant difference not being observed between the socio-demographic and clinical variables; 81.1% could not inform the NPH insulin action time; and during the infusion practice, 36.1% filled the syringe with a dose different from the one prescribed, statistically significant associations between the variables gender and age group being noticed. Such data indicate positive aspects regarding the distribution of syringes and NPH insulin, but lack of knowledge regarding how to follow the infusion practice. The latter may hinder the control of blood glucose level, and may also raise the risk of acute and chronic complications of DM and the risk of reactions at the insulin injection site. Furthermore, these data provide aid for the planning, organization and elaboration of overriding assistance strategies for these patients.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2007-10-16
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.