• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.22.2008.tde-03112008-100103
Documento
Autor
Nome completo
Marisley Vilas Bôas Soares
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2008
Orientador
Banca examinadora
Carvalho, Ana Maria Pimenta (Presidente)
Caldana, Regina Helena Lima
Forster, Aldaísa Cassanho
Miasso, Adriana Inocenti
Santos, Jair Licio Ferreira
Título em português
A maternidade de mulheres portadoras de transtornos mentais
Palavras-chave em português
enfermagem psiquiátrica.
maternidade
saúde mental
serviços de saúde
Resumo em português
Com o advento da Reforma Psiquiátrica, a saúde mental tem expandido sua atuação reconhecendo os papéis sociais para além da doença mental. Entretanto, estudos brasileiros que abordam a maternidade entre mulheres portadoras de transtornos mentais são escassos, considerando-se também restrita a produção acadêmica acerca da saúde mental da mulher. Correntes da psicologia consideram que a capacidade materna em oferecer boas condições de cuidado e ser acolhedora às necessidades do filho gera um ambiente adequado para o bom desenvolvimento psicológico da criança, colocando como pano-de-fundo a importância da saúde mental materna nesse aspecto. Este estudo tem como objetivo descrever como se apresenta o fenômeno da maternidade para mulheres usuárias de um ambulatório de saúde mental da cidade de Ribeirão Preto-SP, tendo como referencial teórico o Interacionismo Simbólico. Foram entrevistadas 20 mulheres, com ao menos um ano de tratamento ambulatorial, mães de ao menos uma criança de 7 à 12 anos. Para a análise dos dados foi utilizada a Teoria Fundamentada em Dados, a qual proporciona que se atinja uma teoria explicativa para o fenômeno através dos próprios dados coletados. Essas mulheres apresentam predominantemente o quadro de depressão. Foi identificado para o fenômeno como categoria central tentando se enxergar para permanecer lutando, que ocorre em meio ao contexto de falta de esclarecimentos sobre a doença, o reconhecimento do tipo de vínculo com o serviço e com profissionais saúde, a percepção do apoio familiar e o tipo de ajuda prestada pelo marido. Para que este fenômeno ocorra são condições que o causam a vivência do adoecimento, da maternidade e de conflitos no relacionamento conjugal, além do desejo de querer dar conta de tudo. As repercussões da doença no cotidiano interferem na tomada de ações que demonstram como essas mães lidam com o fenômeno. Para tanto, lançam mão de estratégias como o enfrentamento da doença e a maneira como lidam com o trabalho no contexto da doença. Tais ações geram como conseqüências a doença refletindo nos filhos e, por fim, a tentativa de ir levando a vida. Em meio a esses fatores, essas mulheres vivem a maternidade como uma realização normalizadora para sua vivência adulta, colocando-as em igualdade com as demais mães. Este é um papel social com o qual necessitam lidar e requer reconhecerem-se e enxergarem-se para que permaneçam lutando com as limitações impostas pela doença, bem como com as vicissitudes da vida. O reconhecimento da vivência dessas mulheres constitui-se em mais um passo em direção a melhor adequação dos serviços de saúde mental frente essa demanda. Ademais, evidencia a necessidade de investigar as dificuldades vivenciadas por mães portadoras de transtorno mental no cuidado de seus filhos, devido a seu propósito preventivo e de adequação dos serviços a essa demanda. Além disso, reforça-se a importância de que é preciso que os serviços as vejam para além de seu lugar de portadoras de uma doença.
Título em inglês
Motherhood of women with mental disorders
Palavras-chave em inglês
health services
mental health
motherhood
psychiatric nursing
Resumo em inglês
The arrival of the Psychiatric Reform gave rise to an expansion in mental health activities, acknowledging social roles beyond mental health. However, there is a lack of Brazilian studies about motherhood among women with mental disorders, and a restricted academic production on womens mental health. Currents in psychology consider that the mothers capacity to offer good care conditions and welcome her childs needs generates an adequate environment for the childs good psychological development, against the background of the importance of maternal mental health in this sense. This study aims to describe how the motherhood phenomenon presents itself to female clients at a mental health outpatient clinic in Ribeirão Preto-SP, Brazil, using Symbolic Interactionism as a theoretical reference framework. Twenty women were interviewed, who had been treated at the clinic for at least one year and had at least one child between 7 and 12 years old. Grounded Theory was used for data analysis, which favors the achievement of a theory to explain the phenomena through the data that are collected. These women predominantly present depression. Trying to perceive oneself to continue fighting was identified as the central category for the phenomenon, which occurs amidst the context of lack of clarifications about the disease, the acknowledgement of the type of bond with the service and with health professionals, the perception of family support and the kind of help the husband gives. Causal conditions for the occurrence of this phenomenon are the experience of the disease, motherhood and conflicts in the marriage relation, besides the desire to be able to handle everything. The repercussions of the disease in daily life interfere in the taking of actions that demonstrate how these mothers deal with the phenomenon. Therefore, they use strategies like coping with the disease and the way they deal with work in the context of the disease. The consequences these actions generate are the disease affecting the children and, finally, the attempt to lead ones life. Amidst these factors, these women experience motherhood as an accomplishment that normalizes their adult experience, putting them in a position of equality with other mothers. This is a social role they need to deal with, which demands that they acknowledge and perceive themselves so as to keep on struggling with the limitations imposed by the disease, as well as with the vicissitudes of life. The acknowledgement of these womens experience constitutes yet another step towards the better adequation of mental health services to this demand. Moreover, it evidences the need to investigate the difficulties mothers with mental disorders experience to take care of their children, due to their preventive proposal and the adaptation of services to this demand. Furthermore, the importance is highlighted that services look beyond their position as patients with a disease.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2008-11-18
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.