• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.17.2018.tde-25042018-155104
Documento
Autor
Nome completo
Rafaela Silveira Santos
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2017
Orientador
Banca examinadora
Dantas, Roberto Oliveira (Presidente)
Fabio, Soraia Ramos Cabette
Freitas, Luiz Carlos Conti de
Navarro, Anderson Marliere
Título em português
Estado nutricional e dificuldades de deglutição em pacientes com acidente vascular cerebral após três meses do ictus
Palavras-chave em português
AVC
Deglutição
Disfagia
Estado Nutricional
Resumo em português
Introdução: A desnutrição é um problema de saúde frequente, especialmente em pacientes com AVC, que atinge cerca de 16% da população podendo aumentar para 50% em até 3 meses. A Disfagia orofaríngea é considerada um distúrbio de deglutição, com sinais e sintomas específicos, que se caracteriza por alterações em qualquer etapa e/ou entre as etapas da dinâmica da deglutição, podendo ocorrer em 45 a 65% dos casos de AVC. Desnutrição e problemas de deglutição são comuns após acidente vascular encefálico e frequentemente ocorrem juntos. A falha em reconhecer a sua presença resultará em um aumento da morbidade e mortalidade. Pacientes internados em hospital como consequência de um AVC podem já estar desnutridos ou em risco de desnutrição, e muitas vezes estes se tornam mais desnutridos enquanto estão hospitalizados, mantendo este quadro meses depois. Entretanto, apesar da alta taxa de morbidade e mortalidade, estudos que investigam a evolução da desnutrição e disfagia e suas consequências clínicas após a o AVC ainda são escassos. Objetivos: Este estudo tem como objetivos identificar a frequência do estado nutricional e as dificuldades de deglutição em pacientes com AVC além de identificar os fatores preditivos para o estado nutricional e verificar se há associação entre o estado nutricional e os desfechos clínicos nesta população após três meses do ictus. Casuística e Métodos Foram avaliados 102 pacientes com AVC que deram entrada na Unidade de Emergência e que compareceram para consulta no Ambulatório de Doenças Neurovasculares (ADNV) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HCFMRPUSP) após três meses do ictus. Os seguintes procedimentos foram realizados com todos os pacientes selecionados para o estudo: aplicação da NIHSS para avaliação da gravidade do AVC; escala de Rankin modificada, para avaliação da capacidade funcional; aplicação do Eating Assessment Tool (EAT-10) que avalia sintomas de disfagia; aplicação da Mini-Avaliação Nutricional (MNA®) para avaliação do estado Nutricional e avaliação da cognição com o Mini Exame do Estado Mental (MEEM) Resultados: De acordo com a Análise multivariada (Correlação de Pearson) entre os instrumentos de avaliação é possível determinar que o estado nutricional associou-se com a gravidade do AVC na admissão (r=-0,38; p=0,001) e ambos se correlacionaram com incapacidade funcional aos 3 meses (r=-0,5; p=0,001), (r=0,45; p=0,001). A gravidade do AVC na admissão associou-se significativamente com maior número de noites no hospital. (r=0,41 p=0,001). E que a presença de alteração cognitiva associou-se significativamente com a incapacidade funcional aos 3 meses (rankin de 3 meses) (r=-0,51; p=0,001). Na análise de regressão logística, utilizando o método Backward a gravidade do AVC na admissão hospitalar foi fator preditivo independente de desnutrição nesta população (p=0,001) Portanto, os pacientes com pior estado nutricional possuíam maior gravidade do AVC na admissão, tiveram maior tempo de internação, (noites no hospital) e possuíam pior capacidade funcional e pior cognição aos 3 meses.
Título em inglês
Nutritional status and difficulty of deglutition in stroke patients after three months of stroke
Palavras-chave em inglês
Dysphagia
Nutriocional State
Stroke
Swallowing
Resumo em inglês
Introduction: Malnutrition is a frequent health problem, especially in patients with stroke, which affects about 16% of the population and can increase to 50% within 3 months. Oropharyngeal dysphagia is considered a swallowing disorder, with specific signs and symptoms, which is characterized by changes at any stage and / or between the stages of swallowing dynamics which can occur in 45 to 65% of stroke cases. Malnutrition and swallowing problems are common after a stroke and often occur together. Failure to recognize their presence will result in increased morbidity and mortality. Patients hospitalized as a consequence of a stroke may already be malnourished or at risk of malnutrition and often become more malnourished while hospitalized, maintaining this condition months later. However, despite the high rate of morbidity and mortality studies that investigate the evolution of malnutrition and dysphagia and its clinical consequences after stroke are still scarce. Objectives: This study aims to identify the frequency of nutritional status and swallowing difficulties in stroke patients in addition to identifying the predictive factors for nutritional status and to verify if there is an association between nutritional status and clinical outcomes in this population after three months of the stroke. Casuistry and Methods: We evaluated 102 stroke patients admitted to the Emergency Unit and attending the Neurovascular Diseases Outpatient Clinic (ADNV) at the Hospital das Clínicas of the Medical School of Ribeirão Preto at the University of São Paulo (HCFMRP-USP) After three months of the stroke. The following procedures were performed with all patients selected for the study: application of the NIHSS to evaluate the severity of stroke; Modified Rankin scale for functional capacity assessment; Application of the Eating Assessment Tool (EAT-10) evaluating symptoms of dysphagia; Application of the Nutritional Mini-Assessment (MNA®) to evaluate the nutritional status and evaluation of cognition with the Mini Mental State Examination (MMSE). Results: According to the Multivariate Analysis (Pearson's Correlation) among the evaluation instruments it was possible to determine that the nutritional status was associated with the severity of stroke on admission (r = - 0.38, p = 0.001) and both Correlated with functional disability at 3 months (r = -0.5, p = 0.001), (r = 0.45, p = 0.001). The severity of stroke on admission was significantly associated with greater number of nights in the hospital. (R = 0.41 p = 0.001). And that the presence of cognitive alteration was significantly associated with functional disability at 3 months (Rankin of 3 months) (r = -0.51; p = 0.001). In the logistic regression analysis using the Backward method the severity of stroke at hospital admission was an independent predictor of malnutrition in this population (p = 0.001). Therefore, patients with worse nutritional status had a greater severity of stroke on admission, had a longer (Nights in the hospital) and had worse functional capacity and worse cognition at 3 months.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-07-24
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.